CH­RIS HEMSWORTH

A MH sen­tou-se pa­ra fa­lar com o Deus do Tro­vão e, na ver­da­de, ele é mui­to mais tran­qui­lo do que pa­re­ce. Es­que­ça a ideia de que as es­tre­las de Hollywo­od são ca­pri­cho­sas e ina­ces­sí­veis. Ch­ris Hemsworth é exa­ta­men­te o opos­to, um ti­po tão nor­mal e amá­vel que

Men's Health (Portugal) - - Este Mês - POR JA­MIE MILLAR FO­TO­GRA­FI­AS DE PA­TRIK GI­AR­DI­NO

O ator re­ve­la o trei­no que fez pa­ra Thor, co­mo se ves­te pa­ra ter es­ti­lo e ain­da por que é um ho­mem

Men’s He­alth.

CCHRIS HEMSWORTH É UM HO­MEM ATU­AL. Li­te­ral­men­te. Re­cen­te­men­te foi apre­sen­ta­do co­mo em­bai­xa­dor glo­bal da fra­grân­cia Boss Bot­tled e, além dis­so, é o ros­to da cam­pa­nha pu­bli­ci­tá­ria Man of To­day, se­guin­do os fa­mo­sos pas­sos de Ge­rard Bu­tler e Ryan Rey­nolds. Con­tu­do, es­tes dois ato­res já per­ten­cem ao “pas­sa­do”. Hemsworth é uma es­tre­la em as­cen­são e pro­va dis­so foi ver to­da a pla­teia ren­di­da na se­de prin­ci­pal da Hu­go Boss, na Ale­ma­nha. En­tre uma enor­me ex­pe­ta­ti­va foi pro­je­ta­do um ví­deo que re­ve­la­va Hemsworth ves­ti­do de fa­to e a be­ber um ca­fé com uma voz off que di­zia: “O su­ces­so sem in­te­gri­da­de não sig­ni­fi­ca na­da”.

Co­mo se po­de es­pe­rar de uma mar­ca de gran­de lu­xo, o even­to é o epí­te­to da ele­gân­cia: ele­men­tos ar­qui­te­tó­ni­cos em ci­men­to cin­zen­to e fa­tos mo­no­cro­má­ti­cos. Após a apre­sen­ta­ção do anún­cio, Hemsworth en­tra na sa­la: al­to, mo­re­no e mus­cu­la­do, co­mo um deus do Sol, ro­de­a­do de ado­ra­do­res ca­ti­va­dos pe­la sua ima­gem. O ful­gor que exa­la é am­pli­fi­ca­do por uma ca­mi­sa bran­ca bri­lhan­te que re­al­ça os seus mús­cu­los to­ni­fi­ca­dos. Mes­mo sem o au­xí­lio de um mi­cro­fo­ne, a voz do ator res­soa co­mo um tro­vão. Cla­ra­men­te que es­ta­mos pe­ran­te um ho­mem que se des­ta­ca dos de­mais. Além de tu­do is­to, Hemsworth, mais do que ter um cor­po atlé­ti­co pro­pí­cio a um su­per-he­rói, pro­je­ta uma in­ques­ti­o­ná­vel au­ten­ti­ci­da­de sem ter de re­cor­rer a efei­tos es­pe­ci­ais nem qual­quer ti­po de sub­ter­fú­gi­os. É o ti­po de ho­mem que dá um aper­to de mão com for­ça e nos per­gun­ta com uma con­vin­cen­te sin­ce­ri­da­de se já nos tí­nha­mos co­nhe­ci­do an­tes, ain­da que a pos­si­bi­li­da­de de ele se re­cor­dar da úl­ti­ma en­tre­vis­ta ser mí­ni­ma (a me­nos que a memória se­ja ou­tro dos seus su­per­po­de­res). Em re­su­mo: é um aus­tra­li­a­no de sor­ri­so fá­cil e tra­to sim­ples e cus­ta ima­gi­nar que te­nha al­go re­mo­ta­men­te pa­re­ci­do a ri­tu­ais de be­le­za e cui­da­do pes­so­al. “Bem, a mi­nha mu­lher (El­sa Pa­taky) an­da há anos a di­zer-me que te­nho de cui­dar mais da pe­le”, afir­ma. “Já pas­sei de­ma­si­a­do tem­po ex­pos­to ao sol e ao sa­li­tre do mar e não há dú­vi­da ne­nhu­ma que is­so é uma agres­são à pe­le. Ela con­ti­nua a apa­ren­tar ser mais no­va do que é, ao pas­so que eu já pa­re­ço ser mais ve­lho do que sou, por is­so sin­to-me for­ça­do a dar-lhe ra­zão”.

IN­TER­VEN­ÇÃO DI­VI­NA

No ano pas­sa­do, a re­vis­ta Va­nity Fair afir­mou que Ch­ris Hemsworth era o ator mais bo­ni­to da sua ge­ra­ção. Dois anos an­tes, a re­vis­ta Pe­o­ple ti­nha-o es­co­lhi­do co­mo o ho­mem vi­vo mais atra­en­te. “Não pos­so dei­xar de me rir pe­ran­te es­tas afir­ma­ções, não achas?”, per­gun­ta-me ele com uma ex­pres­são de ge­nuí­na sur­pre­sa. “Em qual­quer dos ca­sos, fi­co mui­to con­ten­te e agra­de­ci­do”.

Hemsworth sem­pre gos­tou de se rir de­le pró­prio. Tal­vez o exem­plo mais no­tó­rio se­ja a pa­ró­dia num anún­cio da Ame­ri­can Ex­press que fil­mou pa­ra o pro­gra­ma Sa­tur­day Night Li­fe. Pro­cu­re no Go­o­gle, va­le a pe­na. “Quan­do che­guei a Hollywo­od dis­se­ram-me lo­go que nun­ca triun­fa­ria co­mo ator”, afir­ma nes­se sket­ch. “Di­zi­am-me que era de­ma­si­a­do al­to, de­ma­si­a­do lou­ro e de­ma­si­a­do mus­cu­lo­so. Pas­sei vá­ri­os di­as a ba­ter de por­ta em por­ta... Não de­sis­tam. Se um aus­tra­li­a­no mus­cu­la­do com uma ca­ra bo­ni­ta con­se­gue, en­tão qual­quer ou­tra pes­soa tam­bém vai con­se­guir”, con­clui a pa­ró­dia. A ver­da­de é que não foi as­sim tão fá­cil che­gar ao to­po. Pou­co tem­po de­pois de ater­rar em Los An­ge­les (EUA), con­se­guiu um pe­que­no pa­pel co­mo pai do ca­pi­tão Kirk no fil­me Star Trek, re­a­li­za­do em 2009 por J.J. Abrams, mas nos lon­gos me­ses que se se­gui­ram ou­viu vá­ri­as ve­zes “não nos li­gue, nós li­ga­mos-lhe a si”. Mes­mo quan­do o fil­me Thor es­ta­va a ser pre­pa­ra­do, as coi­sas não fo­ram fá­ceis. O re­a­li­za­dor do fil­me, Ken­neth Bran­nagh, não acre­di­ta­va que ele ti­nha si­do a me­lhor es­co­lha do cas­ting. Foi pre­ci­so cha­mar Joss Whe­don, que es­ta­va a tra­ba­lhar com Ch­ris no fil­me A Ca­sa na Flo­res­ta, pa­ra o con­ven­cer do con­trá­rio. Fi­nal­men­te, Hemsworth con­se­guiu o pa­pel e de­di­cou-se ao má­xi­mo pa­ra ga­nhar 9 kg de mús­cu­lo, um pro­ces­so que te­ve de re­pe­tir pa­ra a se­que­la em 2013 no fil­me Thor: O Mun­do das Trevas e em 2017 pa­ra Thor: Rag­na­rok. Ver­da­de se­ja di­ta, es­ta fran­quia es­tá a ser um su­ces­so sem pre­ce­den­tes. O úl­ti­mo fil­me – Thor: Rag­na­rok – sou­be dar a vol­ta que era ne­ces­sá­ria. Uns tí­tu­los de as­pe­to re­tro, uma ban­da so­no­ra com sin­te­ti­za­do­res, um tom de co­mé­dia, um no­vo ad­ver­sá­rio... “O que acon­te­ce é que já es­ta­va far­to de in­ter­pre­tar es­ta per­so­na­gem”, ex­pli­ca Hemsworth.

“Pen­sa­va que as pes­so­as já não que­ri­am ver mais do mes­mo, a não ser que fos­se uma no­va ver­são do que já ti­nha si­do fei­to. Pre­ci­sá­va­mos de uma per­so­na­gem (qua­se) to­tal­men­te no­va. E as­sim nas­ceu a ideia: va­mos cor­tar-lhe o ca­be­lo e ti­rar-lhe o mar­te­lo”.

Des­po­ja­do do mar­te­lo má­gi­co,

Thor es­tá pre­so num pla­ne­ta dis­tan­te e é obri­ga­do a en­fren­tar Hulk num com­ba­te de gla­di­a­do­res. Mas o ver­da­dei­ro ad­ver­sá­rio de Thor é He­la (in­ter­pre­ta­da por Ca­te Blan­chett), uma deu­sa da mor­te que ten­ta pro­vo­car o Rag­na­rok (o apo­ca­lip­se vi­king).

UM COR­PO CELESTIAL

Ain­da que per­so­ni­fi­que na per­fei­ção um su­per-he­rói no gran­de ecrã, o cor­po mus­cu­la­do de Hemsworth é um que­bra-ca­be­ças pa­ra os fa­tos Hu­go Boss. “Ti­ra­ram-me as me­di­das na al­tu­ra em que es­ta­va a fil­mar Os Vin­ga­do­res e ago­ra os fa­tos es­tão pe­que­nos”, ex­pli­ca. Ele re­ve­la que, na ver­da­de, tem dois ta­ma­nhos di­fe­ren­tes, de­pen­den­do do pon­to em que se en­con­tra nas fil­ma­gens. “Te­nho vá­ri­os fa­tos que me sal­vam da di­fe­ren­ça en­tre o meu pe­so nor­mal e o meu pe­so em Thor”. O pe­so nor­mal é o que man­tém quan­do re­gres­sa à sua ca­sa na Aus­trá­lia. “Pas­so os di­as qua­se to­dos a brin­car com as cri­an­ças na praia, a na­dar, a sur­far... pas­so mui­to tem­po ao ar li­vre”, afir­ma com sa­tis­fa­ção.

Fe­liz­men­te, au­men­tar o pe­so exi­ge ago­ra me­nos sa­cri­fí­cio do que há uns anos. “O que no­to é que com o pas­sar do tem­po as ar­ti­cu­la­ções e as ou­tras par­tes do cor­po so­frem mais”, ga­ran­te. “Co­me­ço a le­van­tar os pe­sos e sin­to do­res que an­tes não sen­tia. Só que a memória mus­cu­lar é uma enor­me van­ta­gem. Ain­da me lem­bro que, na pri­mei­ra vez, ma­ta­va-me no gi­ná­sio e ti­nha de co­mer mui­to re­gra­da­men­te. Ago­ra cus­ta-me mui­to me­nos tro­car de pla­no. Já co­nhe­ço as ro­ti­nas, o que funciona, o que é ex­ces­si­vo...”. Pa­ra Thor: Rag­na­rok, Hemsworth e o seu pre­pa­ra­dor fí­si­co, Lu­ke Zoc­chi, con­ju­ga­ram ele­va­ções, re­mo e curls com exer­cí­ci­os com cor­das e elás­ti­cos. E até jo­ga­ram à apa­nha­da com uma bo­la me­di­ci­nal. “Con­ti­nuo a iso­lar de­ter­mi­na­dos gru­pos mus­cu­la­res, por­que is­so é o mais efi­caz nu­ma pers­pe­ti­va pu­ra­men­te es­té­ti­ca”, as­si­na­la. “Só que ago­ra con­ju­go tu­do com exer­cí­ci­os mui­to mais fun­ci­o­nais, por is­so sin­to-me mui­to mais ágil”. A re­a­li­da­de pa­ra Ch­ris é que, as­sim que se ves­te de Thor, só os om­bros e os bra­ços é que fi­cam à mos­tra. Pa­ra cum­prir com a obri­ga­ção de ser o Deus do Tro­vão, não po­de des­cui­dar a mus­cu­la­tu­ra, mas ago­ra já o faz com uma abor­da­gem bem mais in­te­li­gen­te. Cos­tu­ma trei­nar com car­gas mui­to pe­sa­das três ve­zes por se­ma­na, mas se não se sen­tir bem, Zoc­chi re­duz a in­ten­si­da­de e pla­ni­fi­ca uma ses­são mais di­nâ­mi­ca. “Pa­ra o cor­po con­ti­nu­ar a evo­luir, é pre­ci­so sur­pre­en­dê-lo con­ti­nu­a­men­te e de ma­nei­ras di­fe­ren­tes”, as­se­gu­ra o ator. “A va­ri­e­da­de é o se­gre­do, pois aju­da a que­rer se­guir em fren­te sem de­sis­tir”.

FI­GU­RAS IN­FLU­EN­TES

Hemsworth tam­bém aper­fei­ço­ou o seu pla­no ali­men­tar que con­sis­tia em co­mer o má­xi­mo de car­ne que con­se­guis­se. “Já não ne­ces­si­to co­mer tan­to pa­ra ob­ter os mes­mos re­sul­ta­dos. Mas es­tou cons­ci­en­te da bar­ba­ri­da­de de pro­teí­na ani­mal que con­su­mo. Atu­al­men­te, ten­to in­ge­rir mais pro­teí­nas pro­ve­ni­en­tes de le­gu­mes, ce­re­ais e ver­du­ras”.

Mes­mo que não se te­nha con­ver­ti­do à ide­o­lo­gia ve­gan, co­mo o seu ir­mão Li­am, Hemsworth ad­mi­te es­tar in­te­res­sa­do no te­ma, ain­da que com al­gu­mas res­sal­vas. “A de­fe­sa do eco­ló­gi­co e do na­tu­ral pa­re­ce-me mui­to po­si­ti­vo, mas não te­nho dú­vi­das de que is­so tam­bém obe­de­ce a vá­ri­os in­te­res­ses co­mer­ci­ais”. De qual­quer for­ma, se atra­vés dis­to as pes­so­as co­mem de for­ma mais sau­dá­vel e têm mais cons­ci­ên­cia fa­ce ao am­bi­en­te, is­so pa­re­ce-me ge­ni­al”. Nos me­ses que pas­sou no set das fil­ma­gens de Os Vin­ga­do­res apro­vei­tou pa­ra “rou­bar” al­gu­mas idei­as a Ro­bert Dow­ney Jr.. “Ele é uma es­pé­cie de gu­er­rei­ro zen: ai­ki­do, me­di­ta­ção e coi­sas as­sim, e acre­di­to que es­se es­ti­lo de vi­da po­de ser mes­mo mui­to sau­dá­vel”, afir­ma. Pa­re­ce que, tan­to pa­ra o cor­po, co­mo pa­ra a men­te, Hemsworth apos­ta num ti­po de trei­no li­vre de con­ven­ci­o­na­lis­mos. “A mi­nha me­di­ta­ção? Qual­quer coi­sa que me fa­ça es­for­çar até ao pon­to em que não con­si­go pen­sar em mais na­da. Mus­cu­la­ção, surf... a su­bi­da de adre­na­li­na obri­ga-me a es­tar mui­to pre­sen­te e con­cen­tra­do. Ado­ro es­sa sen­sa­ção”.

RE­GRES­SO À TER­RA

Se Ch­ris Hemsworth tem um de­fei­to, é o sín­dro­me de im­pos­tor. “Às ve­zes per­gun­to-me se re­al­men­te me­re­ço o pa­pel ou se só lhe apa­nhei o gos­to. Mas sou cons­ci­en­te de que o me­do e a in­se­gu­ran­ça po­dem ser uma boa mo­ti­va­ção. Co­mo aca­bo com as dú­vi­das? Trei­no mais in­ten­sa­men­te. In­ves­ti­go me­lhor pa­ra um per­so­na­gem. Re­co­nhe­cer que não sei na­da é um bom pon­to de par­ti­da, pois as­sim te­nho de apren­der mais. Es­tou aber­to a tu­do”.

Es­ta fran­que­za e sen­sa­tez, as­so­ci­a­da ao seu fí­si­co po­de­ro­so, foi sem dú­vi­da o que cap­tou a aten­ção da equi­pa de mar­ke­ting de Boss Bot­tled. Se Hemsworth se con­ver­teu num “Ho­mem Atu­al” é por­que pro­je­ta uma ima­gem de mas­cu­li­ni­da­de cui­da­da e na­da agres­si­va. É um ma­ri­do e pai de­vo­to que pri­o­ri­za a sua fa­mí­lia e, ain­da as­sim, cum­pre com to­das as su­as obri­ga­ções. Pa­ra os fãs da Mar­vel, Thor é um au­tên­ti­co he­rói. Mas na ver­da­de, o mo­de­lo que Hemsworth se­gue até vi­ve bem per­to de­le. “O meu pai le­va­va-me ao rugby e à praia pa­ra fa­zer surf an­tes ou de­pois da es­co­la. Tra­ba­lhou mui­tos anos na pro­te­ção de me­no­res e sem­pre pro­tes­tou con­tra as in­jus­ti­ças e de­fen­deu a im­por­tân­cia de ter uma in­fân­cia re­che­a­da de amor. In­cu­tiu-nos a nós es­ta ati­tu­de e va­lo­res. E é por is­so que é o meu he­rói e sem­pre se­rá”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.