IN­CRÍ­VEL!

JO­SÉ AVILLEZ É, PRO­VA­VEL­MEN­TE, O CHEF POR­TU­GUÊS EM ME­LHOR FOR­MA FÍ­SI­CA NES­TE MO­MEN­TO. DESAFIAMO - LO A SAIR DOS SEUS RES­TAU­RAN­TES E A FO­CAR - SE EM SER CA­PA DA MEN'S HE­ALTH. VE­JA MEDANCA!

Men's Health (Portugal) - - Este Mês -

JO­SÉ AVILLEZ O chef ‘tro­cou’ os ali­men­tos pe­los hal­te­res e es­tá as­sim.

EIS QUE NES­TE MÊS LHE TRAGO MAIS

UM CONCRETIZAR DE UM DE­SA­FIO

DE CA­PA MEN’S HE­ALTH. UM DOS CHEFS POR­TU­GUE­SES DE MAI­OR PRESTÍGIO NA­CI­O­NAL E IN­TER­NA­CI­O­NAL ES­TÁ NA CA­PA DA MEN’S HE­ALTH.

O mais co­mum é pen­sar-se que os chefs/co­zi­nhei­ros, por li­da­rem cons­tan­te­men­te com co­mi­da, ten­dem a en­gor­dar. O exem­plo de Jo­sé Avillez dei­ta is­so por ter­ra de ime­di­a­to. Qu­an­do pen­sei em de­sa­fiá-lo pa­ra es­ta mu­dan­ça de cor­po, ti­nha al­gu­mas dú­vi­das: pa­re­cia-me de­ma­si­a­do ma­gro; não de­ve­ria es­tar pa­ra pas­sar por es­te pro­ces­so de mu­dan­ça de­vi­do à enor­me exi­gên­cia pes­so­al e pro­fis­si­o­nal que tem, lo­go fal­ta de tem­po; não sa­bia se fa­zia des­por­to re­gu­lar­men­te, nem co­nhe­cia a sua ali­men­ta­ção... En­fim, eu não sa­bia até que pon­to es­te se­ria um rep­to in­te­res­san­te pa­ra Jo­sé Avillez. Mas na­da que um bom al­mo­ço no Can­ti­nho do Avillez, em Lisboa, não re­sol­ves­se! Con­tac­to fei­to e lá es­ta­va a ten­tar en­qua­drar as mi­nhas idei­as ao chef. Per­ce­bi lo­go que ele sem­pre fez des­por­to e que cui­da imen­sa do que co­me – is­so fa­ci­li­ta­ria te­o­ri­ca­men­te o pro­ces­so. O pro­ble­ma se­ria a sua ro­ti­na de tra­ba­lho in­ten­si­va e as vi­a­gens cons­tan­tes que faz. Mas ele acei­tou o de­sa­fio e o ob­je­ti­vo tra­ça­do lo­go tra­ça­do à me­sa: te­mos 4 me­ses pa­ra au­men­tar o vo­lu­me mus­cu­lar, tra­ba­lhar a de­fi­ni­ção e, so­bre­tu­do, mos­trar que é pos­sí­vel cui­dar­mos de nós mes­mo quan­to te­mos pou­co (ou qua­se ne­nhum) tem­po li­vre. A par­tir da­qui é o que po­de ler nes­ta en­tre­vis­ta que se se­gue - tam­bém po­de ver em ví­deo em menshe­alth.pt)

Jo­sé, obri­ga­do por te­res aceite o meu de­sa­fio. An­tes de fa­lar­mos, al­gu­ma vez te ti­nha pas­sa­do pe­la ca­be­ça se­res ca­pa da Men's He­alth?

Não! Só o fiz qu­an­do me fi­zes­te es­te de­sa­fio. Aí co­me­cei a pen­sar co­mo se­ria. Con­fes­so que acom­pa­nho a re­vis­ta há al­guns anos - já ago­ra, pa­ra­béns pe­lo teu tra­ba­lho e por tu­do o que tens fei­to -, da­do que sem­pre fiz des­por­to, prin­ci­pal­men­te por­que me faz bem à ca­be­ça. A tra­ba­lhar da ma­nei­ra co­mo eu tra­ba­lho, pre­ci­so mes­mo de des­li­gar um bo­ca­di­nho [e fa­ço-o] com o trei­no. Ti­ve de en­con­trar al­guém que me con­se­guis­se trei­nar e o Pe­dro Mar­ques é uma pes­soa es­pe­ta­cu­lar, com a mo­ti­va­ção sem­pre em al­ta e com uma ener­gia in­ve­já­vel. De­mo-nos bem des­de o prin­cí­pio, des­de que co­me­çá­mos a trei­nar e es­ta­mos mui­to ex­pec­tan­tes pa­ra ver a ca­pa, que ain­da não vi­mos.

Pe­gan­do nes­se te­ma, que pa­ra mim foi um dos po­los prin­ci­pais qu­an­do fa­lei con­ti­go, por­que to­da a tua es­tru­tu­ra pro­fis­si­o­nal atu­al, im­pli­ca uma agen­da com­pli­ca­da. Na ques­tão de trei­na­res com um per­so­nal trai­ner, o que é que foi mais im­por­tan­te: o PT Pe­dro Mar­ques pa­ra te ori­en­tar o trei­no ou pa­ra te "obri­gar" a trei­nar?

Acho que é um bo­ca­di­nho das du­as e ou­tro [fa­tor] tam­bém. Acho que o Pe­dro se tor­nou um ami­go a qu­em eu não que­ria de­si­lu­dir. Por is­so, ter um trei­no às se­te da ma­nhã, de­pois de me ter dei­ta­do às três da ma­nhã e de ter ti­do um dia de 18 ho­ras de tra­ba­lho, ape­sar de es­tar mui­to can­sa­do, sa­bia que não po­dia fal­tar ao com­pro­mis­so. Te­nho tam­bém uma gran­de dis­ci­pli­na e uma exi­gên­cia mui­to gran­de co­mi­go pró­prio e com as pes­so­as à mi­nha vol­ta, mas prin­ci­pal­men­te co­mi­go. Por is­so, tra­ba­lhá­mos mui­to nes­se sen­ti­do, tam­bém com o apoio da Ana na par­te da ali­men­ta­ção. Ela tam­bém se di­ver­tiu mui­to co­mi­go, por­que eu de­pois da­va-lhe al­gu­mas su­ges­tões das re­cei­tas, que adap­ta­va às pro­pos­tas de­la. Foi um trio di­ver­ti­do. Nós cor­ría­mos aqui o ris­co de não con­se­guir­mos, com os pra­zos que tí­nha­mos, che­gar lá, por vá­ri­as ra­zões. Ou por fal­ta de dis­po­ni­bi­li­da­de ou por­que, de fac­to, em ter­mos a ali­men­ta­ção po­dia não con­se­guir. Mas eu sem­pre dis­se que o mais im­por­tan­te era o per­cur­so: tes­tar­mo-nos, ver­mos até on­de con­se­guía­mos che­gar e di­ver­tir­mo-nos em to­do es­te pro­ces­so. Ob­vi­a­men­te que, em al­guns mo­men­tos, sen­ti al­gu­ma pres­são, por es­tar mais can­sa­do e trei­nar já qu­a­tro ou cin­co ve­zes por se­ma­na. De­pois o não pa­rar e até ao sá­ba­do e do­min­go de trei­nar qual­quer coi­sa. Ba­lan­cei

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.