NÃO ES­TOU PA­RA AÍ VI­RA­DA

HÁ QU­A­TRO TI­POS DE HO­MENS QUE ME CHATEIAM. ES­TÃO TO­DOS AQUI. /

Men's Health (Portugal) - - Este Mês - POR NA­O­MI

A cró­ni­ca de Na­o­mi...

JON, JON... Pa­re­ce que a nos­sa his­tó­ria ter­mi­nou tão de­pres­sa co­mo co­me­çou. E aqui não há pos­si­bi­li­da­de de uma no­va tem­po­ra­da ou um re­ma­ke. Após tan­tos me­ses, e por coin­ci­dên­cia do des­ti­no (ou do tra­ba­lho), con­se­gui­mos en­con­trar-nos e con­su­mar aqui­lo por que tan­to an­siá­va­mos. Não foi bom, não foi mau. Foi ter­rí­vel. E, sin­ce­ra­men­te, não es­tou dis­pos­ta a es­pe­rar e ver se da pró­xi­ma cor­re me­lhor. A cau­sa não sei se te­rá si­do o fa­tor an­si­e­da­de, após tão lon­go pe­río­do de es­pe­ra. Se ele fun­ci­o­na mes­mo as­sim ou o que raio se pas­sou. Em re­la­ção ao ta­ma­nho, não me en­ga­nei. Mas o pro­ble­ma não foi o ta­ma­nho, de to­do. O pro­ble­ma foi tu­do, do iní­cio ao fim. Aque­les olhos quen­tes do nor­te, o ros­to per­fei­to e os bra­ços à Da­vid de Mi­guel Ân­ge­lo não com­pen­sam a per­so­na­li­da­de en­te­di­an­te e o mi­ni P. Sa­bem aque­las sé­ri­es fan­tás­ti­cas, aque­las que nos dei­xam sem dor­mir pa­ra ver­mos o seu fi­nal e de­pois o fi­nal da sé­rie é mes­mo mui­to mui­to mau, pe­no­so de ver. Foi as­sim. De qual­quer mo­do, eu nun­ca mais dis­se na­da e ele tam­bém não. Mais va­le fi­car as­sim. O João é ago­ra uma sé­rie que não vol­ta­rá a es­tar no ar.

DE NO­VO O DA­VID. Não a es­tá­tua, por­que es­te não se as­se­me­lha em na­da ao he­rói

bí­bli­co. Nem nos músculos es­cul­pi­dos nem no ta­ma­nho XS do cen­tro da es­tá­tua. Ele, de um mo­do mais ou me­nos ale­a­tó­rio, vai en­vi­an­do men­sa­gens com pou­co ne­xo. No­tí­ci­as que vê e acha imen­sa pi­a­da en­tre ou­tras coi­sas in­fan­tis às quais en­vio um LOL. Acho que to­da a gen­te sa­be a di­fe­ren­ça en­tre um LOL e um LOOOL. Pa­re­ce que es­te pás­sa­ro con­ti­nua a vo­ar à mi­nha vol­ta e ago­ra de­ci­diu ata­car no­va­men­te, ti­po ave de ra­pi­na. Diz que vai re­gres­sar a Lisboa pa­ra uma pós-gra­du­a­ção. Diz que me quer ver. O Da­vid é aque­le li­vro cha­to que co­me­ça­mos a ler, não aca­ba­mos e vol­ta­mos a co­lo­car na pra­te­lei­ra. E qu­an­do não hou­ver mais li­vros pa­ra ler, tal­vez lhe pe­gue­mos no­va­men­te.

PI­OR DO QUE UMA AVE DE RA­PI­NA É O,

CHAMEMOS-LHE, BOSS. Ape­sar de não ser meu che­fe di­re­to, pos­sui um car­go li­gei­ra­men­te aci­ma do meu. Ele não ron­da. Ele es­tá sem­pre lá co­mo uma es­col­ta. Não dá pa­ra fa­lar com ele sem que man­de um pi­ro­po ou men­ci­o­ne que te­mos de sair jun­tos e que me quer agar­rar. Is­to co­me­ça a tor­nar-se ex­tre­ma­men­te en­fas­ti­an­te. Qu­em olha pa­ra ele ja­mais o ima­gi­na­ria tão… cha­to! Dou vis­ta às men­sa­gens com con­teú­do se­xu­al e res­pon­do-lhe três ou qu­a­tro pa­la­vras bá­si­cas pa­ra des­pa­char às men­sa­gens mais nor­mais.

Se­rá que ele não se en­xer­ga? Po­de­ria ter um cor­po fan­tás­ti­co (por aca­so, até tem). Umas mãos gran­des e uns be­los bra­ços, mas não faz o meu es­ti­lo: é ca­sa­do. Não sou uma san­ta. Ou, se ca­lhar, até sou. Se é ver­da­de que fa­lo e saio com mais do que uma pes­soa à vez, tam­bém é de igual mo­do ver­da­de que não as­su­mo com­pro­mis­sos nem min­to so­bre as mi­nhas re­la­ções ou af­fairs. E, qu­em sa­be, um dia um des­ses af­fairs po­de vi­rar al­go sé­rio. E se é sé­rio, é sé­rio. Pos­so guar­dar al­guns pas­sa­ri­nhos de re­ser­va, mas es­ta­rão bem tran­ca­dos na gai­o­la. ADI­AN­TE. Pa­re­ce que a mu­lher até o con­tro­la bas­tan­te após o ho­rá­rio do tra­ba­lho, daí ele ver-se al­go im­pe­li­do a dar em ci­ma das co­le­gas da em­pre­sa, por­que qu­an­do sai tem de ir di­re­to pa­ra ca­sa e tem uma mar­gem de ma­no­bra de es­pa­ço tem­po­ral mui­to re­du­zi­do. Ten­do em con­si­de­ra­ção a quan­ti­da­de de men­sa­gens que me vai en­vi­an­do em to­das as re­des so­ci­ais, se­ja Fa­ce­bo­ok ou Ins­ta­gram, pa­re­ce que a es­po­sa não é tão es­per­ta quan­to pen­sa. O tí­pi­co ca­sal “fe­liz” com os tí­pi­cos al­mo­ços fo­ra e os tí­pi­cos pas­sei­os a dois de fim de se­ma­na com a tí­pi­ca pu­bli­ca­ção nas re­des so­ci­ais. E por de­trás? Um ho­mem em cri­se de meia-ida­de, que aca­ba de com­par um car­ro no­vo e que ten­ta de­ses­pe­ra­da­men­te co­mer mu­lhe­res mais jo­vens no am­bi­en­te de tra­ba­lho pa­ra que a mu­lher não des­con­fie. E qu­an­do di­go de­ses­pe­ra­da­men­te é, de fac­to, de­ses­pe­ra­da­men­te por­que, se­gun­do soube, não sou a pri­mei­ra “ví­ti­ma”. O boss é o ti­po de ho­mem que pro­va­vel­men­te an­da sem­pre com o te­le­mó­vel no bol­so qu­an­do es­tá em ca­sa, mes­mo qu­an­do ves­te bo­xers.

A MEL É UM PEI­XE A SER PESCADO, MAS QUE NÃO FOGE DO AQUÁRIO.

O João foi quei­ma­do pe­los dra­gões. O boss só ser­ve pa­ra eu me rir sar­cas­ti­ca­men­te, sin­ce­ra­men­te. O Da­vid vai vol­tar à ca­pi­tal, mas não sei se me ape­te­ce vol­tar a sair com ele. Acho que es­tá na ho­ra de vi­si­tar uma das me­lho­res ami­gas, a noi­te lis­bo­e­ta. Co­nhe­cer pes­so­as no­vas por­que a me­lhor par­te de uma

re­la­ção é o iní­cio, sem dú­vi­da al­gu­ma. O co­nhe­cer a pes­soa aos pou­cos, aque­las bor­bo­le­tas na bar­ri­ga, o ner­vo­sis­mo de não ter a cer­te­za se a pes­soa es­tá in­te­res­sa­da, a pri­mei­ra vez que nos dão a mão e o nos­so cor­po es­tre­me­ce, o pri­mei­ro bei­jo, qua­se sem­pre meio atra­pa­lha­do. Os pla­nos que se fa­zem no iní­cio, as no­vas aven­tu­ras, o ex­pe­ri­men­tar e ver coi­sas no­vas. Es­sa é a me­lhor par­te. O pro­ble­ma é que es­ta par­te ter­mi­na num pis­car de olhos. E, knock, knock. A ro­ti­na e o à-von­ta­de ba­tem à por­ta. O “pa­re­ce que nos co­nhe­ce­mos há anos”, o não sa­ber o que fa­zer no fim de se­ma­na se­guin­te. Só sa­ber que va­mos es­tar com aque­la pes­soa, mas além des­se pro­gra­ma não há um pla­no, uma es­tra­té­gia. Por­tan­to, pa­ra quê aca­bar com es­ta par­te qu­an­do a po­de­mos per­pe­tu­ar? A mo­no­ga­mia é um mi­to. A mo­no­ga­mia é uma obri­ga­ção im­pos­ta pe­la re­li­gião ou pe­la so­ci­e­da­de. Uma obri­ga­ção que nor­mal­men­te só di­zia res­pei­to ao se­xo fe­mi­ni­no. Os tem­pos mu­da­ram. Por­que é que as pes­so­as se pren­dem umas às ou­tras se sa­bem de an­te­mão que irão ser in­fiéis? Já no sé­cu­lo XVI, Don­ne ex­pres­sa­va a mi­nha opi­nião n’O In­di­fe­ren­te.

“Ou ator­men­ta-vos o me­do de que os ho­mens se­jam fiéis?

Oh, não o so­mos, não o se­jais vós tam­bém, Dei­xai-me co­nhe­cer, eu e vós, mais de vin­te. Rou­bem-me, mas não me pren­dam, dei­xai-me ir.

De­vo eu, que vim a es­tas do­res atra­vés de vós, Tor­nar-me vos­so fi­el súb­di­to, por­que sois le­ais?

(…) Dis­se: ‘En­fim, exis­tem umas du­as ou três Po­bres he­ré­ti­cas do amor

Que pre­ten­dem ins­tau­rar a pe­ri­go­sa cons­tân­cia.’

Mas eu dis­se-lhes: Da­do que pre­ten­deis ser le­ais,

Se­reis le­ais pa­ra com aque­les que vos se­jam fal­sos.”

Não dei­xa­rei a pe­ri­go­sa cons­tân­cia ins­tau­rar-se, não por en­quan­to.

ALGURES NUM NIGHTCLUB EM SAN­TOS, sen­ta­da jun­to ao bar, abor­re­ci­da com o ti­po de mú­si­ca que o DJ de­ci­diu pas­sar, eis que apa­re­ce ao meu la­do um ra­paz lin­do. Per­gun­ta-me por­que es­ta­va cha­te­a­da. E as­sim co­me­çou a con­ver­sa. Ca­be­lo loi­ro na­tu­ral, quei­ma­do pe­lo sol nas ma­dei­xas da fren­te, dan­do-lhe um tom pla­ti­na­do, olhos azuis, ros­to qua­dran­gu­lar com bar­ba loi­ra uni­for­me. Com mui­to es­ti­lo. Es­tran­gei­ro, e in­cri­vel­men­te, pe­le mais mo­re­na do que a mi­nha pa­ra um na­tu­ral de um país do cen­tro da Eu­ro­pa. Só tem dois in­con­ve­ni­en­tes. É exa­ta­men­te da mi­nha al­tu­ra e é jo­ga­dor de um clu­be de fu­te­bol da pri­mei­ra di­vi­são por­tu­gue­sa. No mo­men­to que ele me dis­se ser jo­ga­dor da bo­la mos­trei-me li­gei­ra­men­te abor­re­ci­da e dis­se-lhe, em tom de brin­ca­dei­ra, que não ia po­der con­ver­sar com ele de ne­nhum as­sun­to de­ma­si­a­do in­te­res­san­te. Ele ado­rou a mi­nha re­a­ção, por­que, se­gun­do dis­se, não é a re­a­ção ha­bi­tu­al das pes­so­as qu­an­do ele re­fe­re a sua pro­fis­são. Não se pas­sou na­da além de uma agra­dá­vel con­ver­sa. Dois con­se­lhos pa­ra os gen­tle­men ou can­di­da­tos a: 01.Se há al­go que não me agra­da qu­an­do saio à noi­te são os ho­mens um bo­ca­di­nho de­ses­pe­ra­dos que se lan­çam à for­ça to­da.Me­do. 02. Um bom exem­plo dos be­ne­fí­ci­os de fa­lar in­glês. Tro­cá­mos nú­me­ros com o ob­je­ti­vo de ele fi­car a co­nhe­cer me­lhor a ca­pi­tal e eu de apren­der mais so­bre uma no­va cul­tu­ra.

Is­to pro­me­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.