CONFESSE-SE

A vi­da se­xu­al cai na mo­no­to­nia com o pas­sar dos anos? Nem sem­pre. E aqui re­ve­la­mos co­mo.

Men's Health (Portugal) - - Este Mês - POR MI­GUEL SAN­TOS

É se­xu­al­men­te fe­liz?

É in­con­tor­ná­vel: à me­di­da que os anos pas­sam, qual­quer re­la­ção per­de al­gum in­te­res­se. Mas is­so não sig­ni­fi­ca que não exis­tam mo­men­tos em que ela “ex­plo­de”. É dis­so que lhe fa­la­mos nes­te mês, acom­pa­nha­do de al­gu­mas es­tra­té­gi­as pa­ra re­a­ti­var e agi­tar a sua re­la­ção.

VOL­TE AO PAS­SA­DO

Pen­se em al­go que, pa­ra si, era si­nó­ni­mo de di­ver­são ga­ran­ti­da qu­an­do ti­nha 10 anos de ida­de. Pro­va­vel­men­te, is­so ain­da lhe traz bo­as re­cor­da­ções e sen­sa­ções. O mes­mo po­de acon­te­cer nu­ma re­la­ção a dois já com al­gum tem­po: pro­cu­re re­vi­ver es­sas si­tu­a­ções que fi­ze­ram par­te do pas­sa­do e que am­bos tan­to gos­tam de re­cor­dar. Por exem­plo, se no iní­cio saíam mais ve­zes à noi­te, sem­pre que achem ne­ces­sá­rio, vol­tem a fa­zê-lo. Na­da co­mo um jan­tar de ami­gos e ami­gas pa­ra te­rem uma noi­te di­fe­ren­te e aca­ba­rem-na jun­tos à ho­ra que de­ci­di­rem com­bi­nar. É se­xo ga­ran­ti­do.

E do bom.

PASSEM DA TE­O­RIA AO ATO

Fa­lar de fan­ta­si­as se­xu­ais é sem­pre com­pli­ca­do, até mes­mo pa­ra os ca­sais com anos e anos de re­la­ção co­mum. Mas a

Men’s He­alth acha que não se de­ve dei­xar de o ten­tar fa­zer. Po­de co­me­çar com um jan­tar mais in­ti­mis­ta em que re­cor­dem as pri­mei-ras ve­zes em que se vi­ram nus, em que fi­ze­ram amor e, por cer­to, as lou­cu­ras que co­me-te­ram nes­sa al­tu­ra. Daí che­ga­rão ao: E ago­ra? Ten­tem di­zer as três fan­ta­si­as se­xu­ais ou lu­ga­res on­de gos­ta­vam de fa­zer amor sem juí­zos de va­lor. Es­ta­mos cer­tos de que ha­ve­rá al­gu­ma sur­pre­sa e fan­ta­si­as em que, afi­nal, am­bos já ti­nham pen­sa­do. Daí pa­ra a fren­te é co­lo­cá-las em prá­ti­ca.

ACEITE UM DE­SA­FIO

A prá­ti­ca de no­vos des­por­tos ou de ati­vi­da­des lú­di­cas des­co­nhe­ci­das pa­ra am­bos é um po­de­ro­so ga­ti­lho de tes­tos-te­ro­na, “car­ro-che­fe” das hor­mo­nas se­xu­ais, se­gun­do um gru­po de in­ves­ti­ga­do­res da Uni­ver­si­da­de da Pen­sil­vâ­nia, nos EUA. Além dis­so, fa­zer al­go iné­di­to pa­ra am­bos, co­mo um cur­so de fo­to­gra­fia, traz as­sun­tos di­fe­ren­tes pa­ra o dia-a-dia do ca­sal e faz que ca­da um des­cu­bra no­vas qua­li­da­des no ou­tro – e is­so é sem­pre en­tu­si­as­man­te. No fun­do, a su­ges­tão pas­sa por fa­ze­rem ati­vi­da­des di­fe­ren­tes a dois, sem en­vol­ver qual­quer com­po­nen­te mais car­nal.

USEM A CO­ZI­NHA

Cal­ma, não es­ta­mos a fa­lar de se­xo na co­zi­nha com ela por sen­ta­da na má­qui­na de la­var a rou­pa – sim, es­ta é uma das po­si­ções e lu­ga­res ca­sei­ros mais ex­ci­tan­tes de se ex­pe­ri­men­tar. Mas es­ta­mos, sim, a su­ge­rir que vão pa­ra a co­zi­nha, que pre­pa­rem o jan­tar a dois, in­ven­tem, abram um bom vi­nho e di­vir­tam-se. Lá es­tá, a co­zi­nha pas­sa­rá a ser um lu­gar em que am­bos es­tão em con­tac­to, ao con­trá­rio do que acon­te­ce ago­ra – te­mos a cer­te­za dis­so –, em que ape­nas um co­zi­nha e ape­nas um es­tá na co­zi­nha.

VÃO AO FU­TE­BOL OU TREINEM JUN­TOS

Irem a even­tos des­por­ti­vos ou pra­ti­ca­rem al­gu­ma mo­da­li­da­de des­por­ti­va a dois po­de aju­dar a que a vos­sa re­la­ção se tor­ne pra­ti­ca­men­te in­que­brá­vel. A jus­ti­fi­ca­ção é mui­to mais sim­ples do que pos­sa pen­sar: os am­bi­en­tes ou as si­tu­a­ções no­vas e im­pre­vi­sí­veis in­du­zem o ca­sal a sair do co­mo­dis­mo dos pro­gra­mas ha­bi­tu­ais, re­no­van­do a re­la­ção.

RI­AM MAIS E O MAIS POS­SÍ­VEL

Se ela é da­que­las que con­si­de­ram o se­xo a me­lhor coi­sa do uni­ver­so, es­tá com sor­te, ca­ro lei­tor. Se não for bem as­sim, é co­mo dis­se­mos an­te­ri­or­men­te, tem mes­mo de apos­tar em al­gu­mas es­tra­té­gi­as que a fa­çam pen­sar nis­so na­tu­ral­men­te. Le­ve-a a uma pe­ça de te­a­tro de re­vis­ta ou a ver uma co­mé­dia, por exem­plo. Ou a qual­quer ou­tro even­to que vos fa­ça rir. E se for tam­bém du­ran­te o ato se­xu­al, me­lhor.

É que rir en­quan­to se faz se­xo li­ber­ta uma on­da de hor­mo­nas do bem-es­tar e re­duz os ele­men­tos cau­sa­do­res de stress. O ri­so aju­da a re­la­xar e a acal­mar – o que au­men­ta as pro­ba­bi­li­da­des de am­bos te­rem um or­gas­mo de ir às lá­gri­mas, li­te­ral­men­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.