Era di­gi­tal di­ta ten­dên­ci­as

Em­pre­go. O mer­ca­do la­bo­ral es­tá em cons­tan­te mu­dan­ça. As no­vas pro­fis­sões su­ce­dem-se. Es­pe­ci­a­lis­tas an­te­ci­pam quais as pro­fis­sões do fu­tu­ro e as com­pe­tên­ci­as mais pro­cu­ra­das.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - MA­GA­LHÃES AFONSO

Num mo­men­to em que o mer­ca­do la­bo­ral es­tá em cons­tan­te mu­ta­ção, é o se­tor di­gi­tal a dar car­tas

“A In­ter­net vai con­ti­nu­ar a cres­cer a um rit­mo avas­sa­la­dor e con­cei­tos co­mo a IoT [In­ter­net of Things], dis­po­si­ti­vos mó­veis e Cloud do­mi­na­rão os anos vin­dou­ros. O mer­ca­do de tra­ba­lho se­gui­rá de uma for­ma na­tu­ral es­tas ten­dên­ci­as, cri­an­do no­vas pro­fis­sões e trans­for­man­do hob­bi­es dos di­as de ho­je em ver­da­dei­ras pro­fis­sões”, sin­te­ti­za o di­re­tor ge­ral da AGAP2 IT.

De acor­do com Fi­li­pe Esteves, “o mer­ca­do continua a de­mons­trar um for­te ape­ti­te por tu­do o que se­jam tec­no­lo­gi­as de de­sen­vol­vi­men­to li­ga­das ao mun­do da In­ter­net”. A opi­nião é par­ti­lha­da por Fer­nan­do Neves de Almeida. As com­pe­tên­ci­as mais pro­cu­ra­das se­rão “to­das as que es­te­jam mais li­ga­das à área di­gi­tal”. No en­tan­to, diz o Coun­try Pre­si­dent da Boy­den Portugal, “is­to sig­ni­fi­ca com­pe­tên­ci­as téc­ni­cas, mas tam­bém es­tra­té­gi­cas e de mar­ke­ting”.

Na al­tu­ra de pro­cu­rar co­la­bo­ra­do­res, o que os em­pre­ga­do­res va­lo­ri­zam, além da com­pe­tên­cia técnica, é a “com­pe­tên­cia na re­la­ção com os ou­tros.”, re­ve­la Fer­nan­do Neves de Almeida. Já Car­los Se­zões, Part­ner da Stan­ton Cha­se Portugal, elen­ca a “li­de­ran­ça, co­mu­ni­ca­ção, ori­en­ta­ção pa­ra re­sul­ta­dos, re­si­li­ên­cia e cri­a­ti­vi­da­de e ino­va­ção” co­mo as com­pe­tên­ci­as “que mar­ca­rão a di­fe­ren­ça en­tre pro­fis­si­o­nais que ‘cum­prem os mí­ni­mos’ e pro­fis­si­o­nais de al­ta per­for­man­ce. (…) com­pe­tên­cia técnica e com­pe­tên­cia na re­la­ção com os ou­tros. Tam­bém per­se­ve­ran­ça e pro­a­ti­vi­da­de.”

Além das TIC, apon­ta Car­los Se­zões, nas “áre­as do agro­a­li­men­tar, am­bi­en­te/ener­gia, saú­de e tu­ris­mo” ha­ve­rá ofer­ta de em­pre­go. Car­los Se­zões an­te­ci­pa que a “gran­de ten­dên­cia, nos pró­xi­mos anos, se­rá um cres­ci­men­to len­to, mas con­ti­nu­a­do do em­pre­go”. O res­pon­sá­vel da Stan­ton Cha­se su­bli­nha ain­da “o au­men­to da fle­xi­bi­li­da­de e de mo­da­li­da­des que fa­vo­re­çam a adap­ta­bi­li­da­de em­pre­sa-pro­fis­si­o­nal (ex. te­le­tra­ba­lho, tra­ba­lho por pro­je­tos ou a tem­po par­ci­al)”.

SÉR­GIO LE­MOS

Téc­ni­cos de Ro­bó­ti­ca, Pro­gra­ma­do­res de CNC (Com­pu­ter Nu­me­ri­cal Con­trol) e Pro­gra­ma­do­res de Au­to­ma­ção es­tão tam­bém en­tre as pro­fis­sões que te­rão ofer­ta de em­pre­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.