May­ra An­dra­de, uma can­to­ra as­su­mi­da­men­te 100% ca­bo-ver­di­a­na

“O CRI­OU­LO É LI­GA­ÇÃO FOR­TE À TER­RA”

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - B.M.

Dois anos de­pois do lan­ça­men­to de “Lo­vely Dif­fi­cult”, o seu úl­ti­mo dis­co de ori­gi­nais, a can­to­ra ca­bo-ver­di­a­na en­cer­ra a di­gres­são com dois con­cer­tos no âm­bi­to do Misty Fest: ama­nhã no Por­to, no Co­li­seu; e quin­ta-fei­ra no Cen­tro Cul­tu­ral de Be­lém, na sua no­va “ca­sa”, Lis­boa.

Já vai lon­ga a di­gres­são de “Lo­vely Dif­fi­cult”. É si­nal de que es­te seu quar­to dis­co, edi­ta­do há dois anos, foi mui­to bem re­ce­bi­do?

Creio que o pú­bli­co per­ce­beu bem a vi­ra­gem que quis fa­zer na mi­nha mú­si­ca. O ál­bum re­al­men­te foi mui­to bem re­ce­bi­do e le­vou-me a vá­ri­os pon­tos do mun­do. E o dis­co continua a an­dar por aí, por­que de­pois de se lan­çar um dis­co, fi­ca­mos sem sa­ber pa­ra on­de vai.

Sen­te que foi mes­mo uma gran­de vi­ra­gem na sua car­rei­ra?

Não no sen­ti­do de uma ru­tu­ra. Acho que fiz uma cur­va um bo­ca­di­nho mais acen­tu­a­da ao in­tro­du­zir, por exem­plo, o in­glês, ao pe­dir mú­si­cas a com­po­si­to­res que não eram ca­bo-ver­di­a­nos [Ya­el Naim, Pi­ers Fac­ci­ni ou Ben­ja­min Bi­o­lay], que trou­xe­ram uma iden­ti­da­de di­fe­ren­te à mi­nha mú­si­ca. Ain­da é ce­do pa­ra es­pe­ci­fi­car o pró­xi­mo dis­co, mas creio que tal­vez ve­nha a ser de vi­ra­gem ain­da mais acen­tu­a­da, só que era pre­ci­so cri­ar pri­mei­ro um pre­ce­den­te.

Ago­ra mo­ra em Lis­boa, mas fo­ram qua­se 15 anos a mo­rar em Pa­ris. Ain­da as­sim, continua a ser mui­to as­so­ci­a­da e a as­so­ci­ar-se a Ca­bo Ver­de, à sua ilha de San­ti­a­go. É di­fí­cil per­ce­ber, en­quan­to ar­tis­ta, quais as su­as raí­zes cul­tu­rais?

Em mo­men­to al­gum te­nho es­se di­le­ma ou con­fli­to. Sin­to-me 100% ca­bo-ver­di­a­na e a mi­nha “ca­bo-ver­di­a­ni­da­de” vai com a aber­tu­ra, com as vá­ri­as in­fluên­ci­as. Ca­bo Ver­de nas­ceu de en­con­tros. Mas sen­do 100% ca­bo-ver­di­a­na não qu­er di­zer que se­ja pu­ris­ta ou tra­di­ci­o­na­lis­ta. O meu per­cur­so de vi­da não me per­mi­te ser as­sim. Cres­ci, ama­du­re­ci a ver coi­sas mui­to di­fe­ren­tes à mi­nha vol­ta. A mi­nha mú­si­ca não se­ria a mes­ma se o meu per­cur­so não ti­ves­se si­do es­te.

E sen­do 100% ca­bo-ver­di­a­na, é co­mo gran­de par­te dos ca­bo-ver­di­a­nos: quan­do es­tá fo­ra gran­de par­te do ano, tem sem­pre de vol­tar a ca­sa, à ter­ra sa­bi?

Sim! Sa­bes que o ca­bo-ver­di­a­no, qu­er vi­va fo­ra ou vi­va den­tro do país, tem sem­pre es­sa ca­ra­te­rís­ti­ca: nun­ca se dei­xa de sen­tir ca­bo-ver­di­a­no, mes­mo que nun­ca te­nha pos­to os pés em Ca­bo Ver­de – fi­lhos de emi­gran­tes, de se­gun­da e ter­cei­ra ge­ra­ção. Quan­do vai a Ca­bo Ver­de pe­la pri­mei­ra vez, já com 30 anos, vai atu­a­li­zar as ima­gens ide­a­li­za­das (ou não) da ter­ra na­tal. Mas a “ca­bo-ver­di­a­ni­da­de” trans­mi­te-se atra­vés dos pais – di­ria mui­to por cau­sa da mãe. Os ca­bo-ver­di­a­nos po­dem ser ho­lan­de­ses, ame­ri­ca­nos, fran­ce­ses... mas a lín­gua cri­ou­la é um elo mui­to for­te com a ter­ra.

Os con­cer­tos no Misty Fest – ama­nhã no Co­li­seu do Por­to; e quin­ta-fei­ra no Gran­de Au­di­tó­rio do CCB – ser­vem tam­bém pa­ra en­cer­rar es­ta tour­née. O que se se­gue ago­ra, May­ra? Ago­ra que mo­ra em Lis­boa, já pen­sa em no­vos tra­ba­lhos?

É al­tu­ra de pen­sar no pró­xi­mo dis­co. Ain­da es­tou a pen­sar em dois pro­je­tos di­fe­ren­tes que es­tou a es­tu­dar com a mi­nha edi­to­ra. As­sim que ti­ver no­tí­ci­as, dar-vos-ei! (ri­sos)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.