Com­pa­nhia aé­rea rus­sa diz que o seu avião caiu por “ação ex­ter­na”

Egi­to. A com­pa­nhia aé­rea do avião de pas­sa­gei­ros que caiu no sá­ba­do, na pe­nín­su­la do Si­nai, afas­ta a te­se de que fa­lhas téc­ni­cas pos­sam es­tar na ori­gem do de­sas­tre do Air­bus A321.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Por­ta-voz da Me­tro­jet sus­ten­ta que “não há fa­lhas téc­ni­cas que pos­sam fa­zer com que o avião se te­nha par­ti­do no ar”

Em con­fe­rên­cia de im­pren­sa, Ale­xan­der Smir­nov, um res­pon­sá­vel da com­pa­nhia Me­tro­Jet (Ko­galy­ma­via), afir­mou que “não há fa­lhas téc­ni­cas que pos­sam fa­zer com que o avião se te­nha par­ti­do no ar”. As­sim, “a úni­ca ex­pli­ca­ção [pa­ra a de­sin­te­gra­ção da ae­ro­na­ve em ple­no voo] é al­gum ti­po de ação ex­ter­na”, dis­se.

No que é pos­sí­vel ex­pli­car so­bre o aci­den­te, Smir­nov re­fe­riu que os pi­lo­tos per­de­ram “com­ple­ta­men­te o con­tro­lo” do apa­re­lho e não ten­ta­ram fa­zer qual­quer con­tac­to rá­dio com os con­tro­la­do­res aé­re­os an­tes de o avião se des­pe­nhar. De res­to, ain­da so­bre o avião, o res­pon­sá­vel ga­ran­tiu que es­ta­va em “ex­ce­len­tes con­di­ções téc­ni­cas”.

En­tre­tan­to, o di­re­tor dos ser­vi­ços de in­for­ma­ções dos EUA, Ja­mes Clap­per, dis­se on­tem não ter co­nhe­ci­men­to de qual­quer “pro­va di­re­ta” de ter­ro­ris­mo na tra­gé­dia. Clap­per, que su­per­vi­si­o­na a ati­vi­da­de das 16 agên­ci­as de in­for­ma­ções dos EUA, con­si­de­rou por ou­tro la­do “im­pro­vá­vel” que o gru­po ex­tre­mis­ta au­to­de­no­mi­na­do Es­ta­do Is­lâ­mi­co te­nha ca­pa­ci­da­de pa­ra atin­gir um avião àque­la al­ti­tu­de; po­rém, acres­cen­tou que “não des­car­ta­ria” es­se ce­ná­rio.

O apa­re­lho, que fa­zia a li­ga­ção en­tre a es­tân­cia tu­rís­ti­ca egíp­cia de Sharm el-Sheikh e a ci­da­de rus­sa de São Pe­ters­bur­go, des­pe­nhou-se no sá­ba­do no Si­nai, ma­tan­do to­das as 224 pes­so­as a bor­do.

EPA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.