Em de­fe­sa do por­tu­guês

Li­te­ra­tu­ra. San­dra Du­ar­te Tavares não aco­de a lín­gua por­tu­gue­sa ape­tre­cha­da com ar­ma­du­ra, es­cu­do e lan­ça. Mas é com uma pai­xão qui­xo­tes­ca que a de­fen­de. Con­ver­sa com a au­to­ra do li­vro “500 Er­ros Mais Co­muns da Lín­gua Por­tu­gue­sa”.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - R.A.C.

Au­to­ra de “500 Er­ros Mais Co­muns da Lín­gua Por­tu­gue­sa” de­fen­de uso cor­re­to do “be­lo idi­o­ma”

“En­quan­to lin­guis­ta po­nho o cha­péu, por ve­zes o er­ro ven­ce. Mas tam­bém sou pro­fes­so­ra. Aí não pos­so pôr o cha­péu” San­dra Du­ar­te Tavares Lin­guis­ta e pro­fes­so­ra do en­si­no su­pe­ri­or

Ca­ro lei­tor, di­ga-nos: um de­ter­mi­na­do bo­lo le­va “du­zen­tos” gra­mas ou “du­zen­tas” gra­mas de fa­ri­nha? Pen­se bem. Já pen­sou? Pois bem, a res­pos­ta cer­ta é “du­zen­tos”.

“Gra­ma” ter­mi­na em “a”, o que po­de ex­pli­car a sua atri­bui­ção re­cor­ren­te, mas in­cor­re­ta, ao gé­ne­ro fe­mi­ni­no. Con­tu­do, o gé­ne­ro de uma pa­la­vra não de­pen­de da sua ter­mi­na­ção. Nes­te ca­so, “gra­ma”, en­quan­to uni­da­de de me­di­da de mas­sa, é mes­mo um subs­tan­ti­vo mas­cu­li­no. “Um gra­ma”, por­tan­to.

Es­te é um dos 500 mi­tos der­ru­ba­dos por San­dra Du­ar­te Tavares no li­vro “500 Er­ros Mais Co­muns da Lín­gua Por­tu­gue­sa”, o seu sé­ti­mo tí­tu­lo li­te­rá­rio, pri­mei­ro a so­lo. San­dra é pro­fes­so­ra do en­si­no su­pe­ri­or, e o que não lhe fal­ta são exem­plos de pon­ta­pés na lín­gua por­tu­gue­sa que os seus alu­nos dão por sis­te­ma. “Ao ní­vel da or­to­gra­fia, os mais co­muns pren­dem-se com o uso do hí­fen. Na per­gun­ta, ‘es­tu­das­te on­tem?’, es­cre­vem ‘es­tu­das-te’. Es­ta dú­vi­da é fre­quen­te, sen­do que aqui usa-se o pre­té­ri­to per­fei­to, não há hí­fen”, diz.

Não sa­tis­fei­tos, pe­di­mos mais exem­plos a San­dra, que re­fe­re a fle­xão de ver­bos co­mo ou­tra ques­tão. “Mui­tos di­zem er­ra­da­men­te ‘obri­ga­do por ter im­pres­so, ou en­tre­gue’, quan­do de­vi­am di­zer ‘obri­ga­do por ter ‘im­pri­mi­do’, ou ‘en­tre­ga­do’”. Nes­tes ca­sos, uti­li­za-se a for­ma regular. “‘En­tre­gue’, por exem­plo, é a for­ma ir­re­gu­lar e em­pre­ga-se na voz pas­si­va do ver­bo ser”, con­clui.

Já dis­se­mos que San­dra Du­ar­te Tavares faz cla­que pe­las nor­mas da lín­gua por­tu­gue­sa, vei­cu­la­das nos di­ci­o­ná­ri­os, à fal­ta de for­ça de lei. Mas é tam­bém mes­tre em Lin­guís­ti­ca Por­tu­gue­sa e sa­be que “a lín­gua é vi­va”. De ou­tro mo­do, “es­ta­ría­mos a fa­lar la­tim”, diz.

As­sim, des­pin­do a far­da de pro­fes­so­ra, e co­lo­can­do a de lin­guis­ta, re­cor­dou a re­cen­te apre­sen­ta­ção do seu li­vro, du­ran­te a qual dis­se que gos­ta­ria de ver con­sa­gra­dos al­guns dos er­ros de­nun­ci­a­dos na pró­pria obra. É o ca­so de “rú­bri­ca”, ter­mo que não es­tá con­sa­gra­do, mas que San­dra gos­ta­ria de ver in­cor­po­ra­do no lé­xi­co por­tu­guês pa­ra de­sig­nar pro­gra­mas de rá­dio ou te­le­vi­são, ao in­vés de “ru­bri­ca”.

“Se nós, fa­lan­tes, fa­ze­mos a des­trin­ça, e só es­tá con­sa­gra­da a pa­la­vra ‘ru­bri­ca’, a de­ri­va­ção es­drú­xu­la da pa­la­vra de­ve en­trar no lé­xi­co. Es­sa e ou­tras pa­la­vras, co­mo ‘al­co­o­lé­mia’, um ter­mo que tam­bém não es­tá con­sa­gra­do – o cor­re­to é di­zer e es­cre­ver “al­co­o­le­mia” – mas é usa­do por to­da a co­mu­ni­da­de mé­di­ca.”

O pre­fá­cio da obra é es­cri­to por Ri­car­do Araújo Pe­rei­ra. Ne­le, o hu­mo­ris­ta com­pa­ra a im­por­tân­cia de pa­la­vras a bei­jos. Al­go que San­dra as­si­na por bai­xo.

“Em abril es­ti­ve no Por­to, na con­fe­rên­cia TEDx, e fa­lei so­bre o po­der das pa­la­vras. Dei o exem­plo de um ra­paz que tem um jan­tar ro­mân­ti­co mar­ca­do com uma ra­pa­ri­ga e per­gun­ta-lhe ao te­le­fo­ne, ‘já de­ci­dis­tes* on­de a gen­te va­mos* [n.d.r: de­ci­dis­te on­de a gen­te vai/on­de va­mos] jan­tar?’ A ra­pa­ri­ga, que até es­ta­va des­lum­bra­da, pen­sa du­as ve­zes e per­de o in­te­res­se. Quan­do dei es­se exem­plo, re­vi-me ne­le. Há qu­em pre­fi­ra os ho­mens bo­ni­tos, com sen­ti­do de hu­mor ou ca­va­lhei­ros. No meu ca­so, acho que se de­ve ser ca­va­lhei­ro com a lín­gua por­tu­gue­sa.”

MAR­COS TAVARES

Ape­sar de se ler ca­da vez me­nos em Portugal, co­mo re­co­nhe­ce, a au­to­ra fri­sa que vai con­ti­nu­ar a “re­mar con­tra a ma­ré com to­das as for­ças” que ti­ver, “em prol do nos­so be­lo idi­o­ma”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.