In­dús­tria. 24 ho­ras por dia a ino­var no fa­bri­co do azei­te em Fer­rei­ra do Alen­te­jo

Azei­te. Mai­or oli­val do mun­do tra­ba­lha 24 ho­ras por dia na apa­nha da azei­to­na. Oli­vei­ra da Ser­ra é uma mar­ca si­nó­ni­mo de su­ces­so em Portugal as­sen­te, so­bre­tu­do, na von­ta­de de ino­var.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - TEX­TOS: LUÍS CAR­MO | FO­TO­GRA­FI­AS: JOÃO FER­RÃO

Mai­or oli­val do mun­do fi­ca na pla­ní­cie alen­te­ja­na, em­pre­ga cen­te­nas de pes­so­as e pro­duz o azei­te mais ven­di­do em Portugal

O chei­ro a azei­te no La­gar, on­de se ini­cia o pro­ces­so de ex­tra­ção, é in­ten­so. Re­cor­da al­go tão ba­nal co­mo o ato gu­lo­so de mo­lhar o pão no azei­te e é ape­nas um dos di­ver­sos aro­mas bu­có­li­cos que se sen­tem em Fer­rei­ra do Alen­te­jo, ca­sa do La­gar Oli­vei­ra da Ser­ra, con­si­de­ra­do o me­lhor pro­du­tor de azei­te do mun­do pe­lo se­gun­do ano con­se­cu­ti­vo.

Es­ta­mos, po­rém, a co­me­çar qua­se pe­lo fim do pro­ces­so de ex­tra­ção de azei­te. An­tes, o me­tro va­gueia pe­lo oli­val que se per­de de vis­ta. Vê-se tu­do; má­qui­nas e ho­mens tra­ba­lham sem pa­rar. E o fo­tó­gra­fo do nos­so jor­nal fi­ca com o ca­be­lo cheio de fo­lhas de oli­vei­ra ex­pe­li­das pe­las má­qui­nas na ten­ta­ti­va de apa­nhar o me­lhor ân­gu­lo pa­ra a fo­to­gra­fia.

O en­chi­men­to do re­bo­que com azei­to­nas é par­ti­cu­lar­men­te im­pres­si­o­nan­te! Um re­bo­que de­mo­ra 45 mi­nu­tos a en­cher com 15 to­ne­la­das de azei­to­na, de­pois vão sen­do le­va­dos pa­ra o La­gar, “ali ao la­do”, pois com 45 to­ne­la­das a azei­to­na po­de co­me­çar a ser moí­da no La­gar Oli­vei­ra da Ser­ra – a quan­ti­da­de va­ria de la­gar pa­ra la­gar. “O azei­te não se de­gra­da por­que os cam­pos es­tão ao la­do do La­gar. Não é pre­ci­so ir bus­car nin­guém a ca­sa pa­ra fa­zer o trans­por­te das azei­to­nas. A ve­lo­ci­da­de é um dos fa­to­res que con­tri­bui pa­ra se ter um azei­te de qua­li­da­de”, re­al­ça Fran­cis­co Cas­ta­nhei­ra, que nos acom­pa­nha e ti­ra to­das as dú­vi­das. Es­te pa­re­ce ser o se­gre­do da qua­li­da­de da mar­ca, pre­mi­a­da cer­ca de du­as cen­te­nas de ve­zes em con­cur­sos na­ci­o­nais e internacionais, co­mo o Ma­rio So­li­nas, um dos mais re­co­nhe­ci­dos no meio.

O La­gar Oli­vei­ra da Ser­ra é uma es­tru­tu­ra mo­der­na, plan­ta­da no meio do Bai­xo Alen­te­jo co­mo qual­quer ou­tra cul­tu­ra. Sen­do uma em­pre­sa que ven­de (mui­to) em Portugal e ex­por­ta, la­bo­ra to­do o ano. En­tre ou­tu­bro e de­zem­bro, a co­lhei­ta faz-se 24 ho­ras por dia. Um pos­to de tra­ba­lho é ocu­pa­do por qua­tro ho­mens. Três fa­zem oi­to ho­ras por dia e um tem fol­ga. O to­tal de tra­ba­lha­do­res ron­da os 200 e há en­tre 22 e 28 má­qui­nas no ter­re­no. Mas, re­for­ce-se, há tra­ba­lho o ano in­tei­ro.

“No fim da co­lhei­ta, em ja­nei­ro, fe­ve­rei­ro e mar­ço, te­mos uma cam­pa­nha gran­de de po­da”, con­ta Fran­cis­co, ex­pli­can­do que se faz no in­ver­no por­que é quan­do as ár­vo­res es­tão em pe­río­do ve­ge­ta­ti­vo. Ba­si­ca­men­te, con­tro­la-se a di­men­são da co­pa pa­ra os tra­to­res e as má­qui­nas po­de­rem cir­cu­lar à von­ta­de no oli­val.

Ho­je, a po­da é me­ca­ni­za­da, mas há dois anos era ma­nu­al. Is­to não ti­ra pos­tos de tra­ba­lho à po­pu­la­ção lo­cal, in­da­ga­mos? “Continua a ha­ver tra­ba­lho pa­ra as pes­so­as, com ser­ro­tes”, diz, re­fe­rin­do-se ao fac­to de nem sem­pre as má­qui­nas fa­ze­rem bem o tra­ba­lho nas oli­vei­ras.

De­pois de mar­ço é um pe­río­do mais pa­ra­do, mas é quan­do se co­me­çam a fis­ca­li­zar os sis­te­mas de re­ga, uma vez que em abril a ár­vo­re co­me­ça a sair do re­pou­so ve­ge­ta­ti­vo e co­me­ça a cres­cer. “Se o in­ver­no e a pri­ma­ve­ra fo­rem mui­to chu­vo­sos não há ne­ces­si­da­de de re­gar, mas tem sem­pre de se adu­bar”, re­fe­re Fran­cis­co. O ve­rão é o pe­río­do mais cal­mo, que é quan­do “pessoal e téc­ni­cos vão de fé­ri­as sem ha­ver au­sên­cia de pes­so­as nos olivais”, con­clui.

“A ve­lo­ci­da­de é um dos fa­to­res que con­tri­bui pa­ra se ter um azei­te de qua­li­da­de” Fran­cis­co Cas­ta­nhei­ra, en­ge­nhei­ro agró­no­mo da Oli­vei­ra da Ser­ra

JOÃO FER­RÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.