En­tre­vis­ta ex­clu­si­va com Craig, Da­ni­el Craig

7ª ar­te. “Spec­tre”, o mais re­cen­te fil­me da sa­ga de 007, che­ga ama­nhã aos ci­ne­mas na­ci­o­nais. Con­ver­sá­mos com Da­ni­el Craig so­bre es­ta que po­de vir a ser a sua úl­ti­ma aven­tu­ra na pe­le do fa­mo­so agen­te se­cre­to. Mas a dú­vi­da fi­ca sem­pre no ar...

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - JOHN-MI­GUEL SA­CRA­MEN­TO

Há uma dé­ca­da que o ator in­glês Da­ni­el Craig an­da a fa­zer de Ja­mes Bond, agen­te se­cre­to nú­me­ro 007 a sol­do da co­roa bri­tâ­ni­ca e pro­te­gen­do to­da a gen­te que de­tes­ta­ria ver o mun­do de­sa­pa­re­cer de­bai­xo de nu­vem nu­cle­ar ati­va­da por um mau­zão da fi­ta com ti­ques pe­cu­li­a­res cruzados com so­ta­que ale­mão.

Uma dé­ca­da a ter bo­as ma­nei­ras mas, tam­bém, a es­mur­rar ini­mi­gos e a sal­tar de avião pa­ra com­boio ou de com­boio pa­ra ava­lan­cha. Uma dé­ca­da ao ser­vi­ço de uma sé­rie ca­paz de rou­bar a vi­da até aos ato­res mais sé­ri­os, do te­a­tro, fir­mes de dig­ni­da­de. O ar de Da­ni­el Craig man­tém-se in­to­ca­do ao fim de tan­tas aven­tu­ras mor­tais.

Co­mo homem ca­sa­do – o tal que con­se­guiu rou­bar a Ra­chel Weisz ao re­a­li­za­dor Darren Aro­nofsky –, o que ele qu­er re­al­men­te é que o dei­xem em paz e que não lhe po­lu­am a car­rei­ra com de­ma­si­a­do co­mer­ci­a­lis­mo. Pa­ra o no­vo fil­me, por exem­plo, cons­ta que re­cu­sou obri­gar o Sr. Bond a usar te­le­fo­nes por­tá­teis com tec­no­lo­gia An­droid, ale­gan­do que um agen­te da­que­le ca­li­bre só uti­li­za­ria a tec­no­lo­gia mais per­fei­ta do mer­ca­do. De­tes­ta pu­bli­ci­da­de en­ca­po­ta­da. Se­ja co­mo for, lá se fo­ram 50 mi­lhões de dó­la­res pos­tos pe­la tec­no­lo­gia An­droid à dis­po­si­ção dos pro­du­to­res. Tei­mo­so. Re­gui­la. E com aque­la ca­be­ça acha­ta­da de ca­ran­gue­jo ver­sa­do em ata­car com vá­ri­os ali­ca­tes ao mes­mo tem­po.

Da­ni­el, gos­tei da­que­le ge­né­ri­co de aber­tu­ra servindo igua­ri­as de pol­vo.

Li­ga­ções emo­ci­o­nais “Mes­mo nos fil­mes de gran­de or­ça­men­to é pre­ci­so ha­ver ele­men­tos ab­so­lu­ta­men­te re­ais, hu­ma­nos, que nos li­guem ao es­pe­ta­dor. Até por­que as pla­tei­as in­ves­ti­ram al­go nes­sa vi­a­gem emo­ci­o­nal”

Gos­ta de pol­vo?

Es­ta­mos a fa­lar de co­mer pol­vo? Sim, gos­to. Mas não se­ria ca­paz de co­mer pol­vo ain­da vi­vo, co­mo fiz no fil­me “Old­boy”.

O Ja­mes Bond an­ti­go, cheio de bo­as ma­nei­ras que nun­ca lhe en­ru­ga­ri­am o fa­to Sa­vi­le Row, não se­ria cre­dí­vel nos tem­pos de ho­je. Gos­to das ares­tas mais ás­pe­ras do seu agen­te 007. Sei que a pro­du­to­ra Bar­ba­ra Broc­co­li es­tá con­ten­te com o seu tra­ba­lho e ado­ra­ria man­tê-lo a bor­do. Há mais fil­mes em pre­pa­ra­ção?

Po­dia es­tar aqui a de­bi­tar uma sé­rie de tre­tas e men­ti­ras. Mas não lhe vou fa­zer tal coi­sa. Sin­ce­ra­men­te, o que se pas­sa é is­to: não te­nho pla­nos e não es­tou a ma­gi­car ne­nhum ti­po de ideia so­bre a me­lhor ma­nei­ra de fa­zer ou­tro Bond. O re­a­li­za­dor Sam Mendes, ben­di­to se­ja, só com­ple­tou o fil­me na sa­la de mon­ta­gem há pou­co mais de três se­ma­nas. A úni­ca coi­sa que te­mos fei­to ao lon­go des­tes úl­ti­mos dois anos foi co­mer, pen­sar e be­ber Ja­mes Bond. Por ago­ra só lhe pos­so ga­ran­tir que não vou que­rer ou­tra do­se du­ran­te uns tem­pos. Não fa­ço ideia o que o fu­tu­ro nos re­ser­va. Pron­to, tem aqui to­da a ver­da­de.

A no­va his­tó­ria to­ca num pon­to sen­sí­vel: o pas­sa­do da pes­soa que se trans­for­mou em agen­te 007. Co­mo é con­si­go? Que re­la­ção tem com o pas­sa­do e com a ma­nei­ra co­mo ele nos for­ma e in­for­ma?

A res­pos­ta mais cur­ta se­ria: sou exa­ta­men­te co­mo to­da a gen­te. O pas­sa­do é par­te in­te­gran­te do meu pre­sen­te. Acre­di­to mes­mo nis­to: acei­ta um gran­de ris­co qu­em de­ci­de ig­no­rar as li­ções do pas­sa­do. As pes­so­as es­tão sem­pre a fu­gir de coi­sas que, mais tar­de ou mais ce­do, lhes aca­bam por mor­der as ca­ne­las. To­da a gen­te que te­nha vi­vi­do o su­fi­ci­en­te sa­be is­so. Em re­la­ção a es­se as­pe­to em par­ti­cu­lar, o Sam [Mendes, re­a­li­za­dor] ti­nha cons­ci­ên­cia de que, com o de­se­nho da personalidade des­te Bond, es­tá­va­mos de cer­ta ma­nei­ra a pe­dir que nos fos­se en­tre­gue o me­lhor de dois mun­dos.

Co­mo as­sim?

Ve­ja o ca­so do apar­ta­men­to on­de ele vi­ve. O Sam e eu es­ti­ve­mos mui­to tem­po a de­ba­ter o ti­po de to­ca em que es­te lobo so­li­tá­rio vi­ve. Par­ti­ci­pei mes­mo a fun­do nes­sas pe­que­nas de­ci­sões li­ga­das ao es­pa­ço pri­va­do. Ti­ve sem­pre mui­tas opi­niões pa­ra par­ti­lhar so­bre o te­ma. Não que­ria fo­to­gra­fi­as nas pa­re­des ou retratos fa­mi­li­a­res em ci­ma dos mó­veis. Achei me­lhor que a pri­va­ci­da­de de­le não ti­ves­se ar de ser ha­bi­ta­da por ele, em­bo­ra, mui­to pro­va­vel­men­te, o apar­ta­men­to já se­ja de­le há pe­lo me­nos dez anos.

Aqui­lo a que ele cha­ma lar ti­nha que re­pre­sen­tar aqui­lo que ele é: um homem sem ba­se ou raiz. Qu­e­ro di­zer, tí­nha­mos aí um dos gran­des trun­fos dis­po­ní­veis pa­ra a nar­ra­ti­va des­te úl­ti­mo fil­me. Ia ser-nos pos­sí­vel res­sus­ci­tar o pas­sa­do do homem, co­lo­car homem e pas­sa­do fren­te a fren­te, im­por um ao ou­tro, ver o re­sul­ta­do. Foi o que lhe dis­se: apon­tá­mos pa­ra um con­fli­to que nos ia per­mi­tir ter o me­lhor de dois mun­dos.

Acha que ele é, aci­ma de mais na­da, um homem fe­ri­do emo­ci­o­nal­men­te? Sim, mas is­so é uma cons­tan­te. Não qu­e­ro ser­vir per­so­na­gens que não sin­tam. Da mes­ma for­ma, não qu­e­ro tra­ba­lhar em per­so­na­gens so­bre as quais os trau­mas do pas­sa­do só fa­zem ri­co­che­te. Es­se ti­po de his­tó­ria não me pa­re­ce in­te­res­san­te. Na ver­da­de, só sei ser ator de uma cer­ta ma­nei­ra. Mes­mo nos fil­mes de gran­de or­ça­men­to é pre­ci­so ha­ver ele­men­tos ab­so­lu­ta­men­te re­ais, hu­ma­nos, que nos li­guem ao es­pe­ta­dor. Até por­que as pla­tei­as in­ves­ti­ram al­go nes­sa vi­a­gem emo­ci­o­nal.

Não po­de­mos ter­mi­nar sem fa­lar no ou­tro ele­men­to fun­da­men­tal dos fil­mes Bond: as mu­lhe­res bo­ni­tas. Que me po­de di­zer de­las? As atri­zes es­co­lhi­das pa­re­cem-me di­fe­ren­tes das an­te­ri­o­res, no sen­ti­do em que são de ida­des di­fe­ren­tes … Es­tá a que­rer di­zer que uma é lou­ra e ou­tra mo­re­na? (ri­sos) Bom, o que lhe pos­so di­zer é que, tam­bém nes­se pon­to, hou­ve debates exaus­ti­vos no pe­río­do de pré-pro­du­ção. A úni­ca coi­sa que me in­te­res­sa é tra­ba­lhar com o ta­len­to mais ri­go­ro­so que exis­te no mer­ca­do. Quan­do o re­a­li­za­dor men­ci­o­nou es­tas du­as pes­so­as pa­ra os pa­péis de ten­ta­do­ras e se­du­to­ras, pa­ra mim foi um alí­vio. Nem se­quer ti­ve de pen­sar mui­to no as­sun­to. Ca­da uma de­las dá ao fil­me uma tex­tu­ra di­fe­ren­te. São am­bas atri­zes so­ber­bas. Co­lo­cam a fas­quia mais al­ta sem­pre que en­tram em ce­na. Aju­da­ram-me imen­so a man­ter o meu de­sem­pe­nho em for­ma. Gos­tei de in­ter­pre­tar o mo­men­to em fun­ção das es­co­lhas que elas iam fa­zen­do. Foi um pri­vi­lé­gio.

“Ca­da uma das atri­zes [Mo­ni­ca Bel­luc­ci e Léa Sey­doux] dão ao fil­me uma tex­tu­ra di­fe­ren­te. São am­bas atri­zes so­ber­bas. Co­lo­cam a fas­quia mais al­ta sem­pre que en­tram em ce­na”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.