“QUIS FA­LAR DO MEU BAIR­RO”

“Ca­os” é o no­me do pri­mei­ro tra­ba­lho a so­lo do rap­per de Vialonga. Um tra­ba­lho pessoal e mui­to vi­su­al, de­pois de ter tra­ba­lha­do com os co­le­ti­cos Di­vi­são de Hon­ra e Ba­lis­tik For­ce.

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - BRUNO MAR­TINS

Es­te é o seu pri­mei­ro tra­ba­lho a so­lo. Co­mo co­me­ça a nas­cer es­te “Ca­os”? Só o con­se­gui fa­zer ago­ra por­que tam­bém ti­ve mais mei­os. Pa­ra fa­zer es­te ti­po de tra­ba­lho te­mos que ter uma equi­pa e, até ago­ra, não ti­nha pro­du­to­res. So­zi­nho não con­se­guia. E tam­bém foi a al­tu­ra ide­al por­que en­con­trei pro­du­to­res que tra­ba­lham da for­ma que eu gos­to e tam­bém es­ta­va emo­ci­o­nal­men­te pre­pa­ra­do.

Mas ti­nha al­gu­ma ideia con­cre­ta, al­guns de­sa­fi­os es­pe­ci­ais pa­ra os pro­du­to­res? Sem­pre quis fa­lar do meu bair­ro. Nas no­tí­ci­as diz-se uma coi­sa, mas as pes­so­as di­zem ou­tra. Mas eu que­ria trans­mi­tir a mi­nha ideia so­bre o meu bair­ro: dro­ga, pros­ti­tui­ção, po­lí­ci­as corruptos, as fa­mí­li­as... trans­mi­tir a mi­nha vi­são, por ter es­se co­nhe­ci­men­to e ex­pe­ri­ên­cia pró­pria de ter vi­vi­do num bair­ro so­ci­al, com uma no­ção de re­a­li­da­de.

Mas es­sa re­a­li­da­de de que fa­la, do bair­ro de Vialonga, tam­bém po­de ser pas­sa­da pa­ra ou­tros, não acha? Acho que sim. É um bair­ro que tem mui­tas se­me­lhan­ças com ou­tros bair­ros em Portugal. Mas tam­bém sin­to que há mui­tos rap­pers que pre­fe­rem não es­cre­ver so­bre os mes­mos te­mas que eu. Pre­fe­rem fa­lar de política, es­cre­vem so­bre mú­si­cas de fes­ta... e eu não que­ria fa­zer is­so: quis es­cre­ver so­bre as coi­sas que vi e vi­vi no pas­sa­do.

São te­mas que tem vin­do a es­cre­ver ao lon­go da sua vi­da, a guar­dar le­tras e his­tó­ri­as em ga­ve­tas e ago­ra sen­te que foi o mo­men­to de as gra­var?

Não es­cre­vi! Nor­mal­men­te me­to o be­at a to­car e gra­vo lo­go. Não é tu­do de se­gui­da: pen­so nu­ma coi­sa e vou gra­van­do em fre­esty­le, em vez de es­tar a pas­sar pa­ra o pa­pel.

Sem fil­tro do pa­pel, por­tan­to. Dá uma ou­tra cru­e­za a es­tas can­ções? Sai mais re­al, sai mais pu­ro. Quan­do é uma coi­sa mui­to pen­sa­da, aqui­lo já soa mui­to lim­pi­nho. Se ti­ves­se de pen­sar mui­to nas ri­mas já ia pôr pa­la­vras que não uso di­a­ri­a­men­te pa­ra fi­car uma coi­sa mui­to me­câ­ni­ca e até mui­to plás­ti­ca. Co­mo já te­nho o con­teú­do bem es­tu­da­do e é uma vi­vên­cia, ten­to lo­go ex­por di­re­ta­men­te.

O pri­mei­ro sin­gle do dis­co cha­ma-se “Bad Boy” e con­ta com a par­ti­ci­pa­ção nas vo­zes de Va­le­te e Ta­min. Tam­bém há uma pe­que­na par­ti­ci­pa­ção do Rui Unas no ví­deo do te­ma. Mas co­mo é que apa­re­cem as co­la­bo­ra­ções? É al­go que vai cres­cen­do à me­di­da que vou gra­van­do. E fui per­ce­ben­do que ha­via coi­sas em fal­ta: “Acho que aqui fi­ca­va bem a voz do Va­le­te”, ou “aqui a do SP”... per­ce­bia que em cer­tos mo­men­tos não era a mi­nha voz que es­ta­va a en­cai­xar e con­vi­da­va-os pa­ra o es­tú­dio. O Rui Unas apa­re­ce um bo­ca­di­nho no ví­deo por­que qu­e­ría­mos fa­zer uma coi­sa en­gra­ça­da no “Bad Boy”. O Va­le­te lem­brou-se de­le, ele mos­trou-se lo­go dis­po­ní­vel. Foi fá­cil! Mar­cá­mos o dia e gra­vá­mos!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.