Le­ni­ne e o seu “Car­bo­no”

Mú­si­co bra­si­lei­ro le­va ama­nhã o seu no­vo ál­bum, “Car­bo­no”, ao Cen­tro Cul­tu­ral de Be­lém. Um dis­co nas­ci­do de uma apa­ren­te sim­pli­ci­da­de e cru­e­za que ga­nha tons ber­ran­tes ao vi­vo.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRUNO MAR­TINS

En­tre­vis­ta com o acla­ma­do can­tor e com­po­si­tor bra­si­lei­ro an­tes da su­bi­da ao pal­co do Misty Fest

O seu dis­co an­te­ri­or, “Chão”, foi um tra­ba­lho mui­to ín­ti­mo, or­gâ­ni­co, ter­re­no, li­ga­do às coi­sas pe­que­nas que o ro­dei­am. Nes­te no­vo “Car­bo­no” quis ir em bus­ca do quê? Vem tu­do do es­tí­mu­lo ini­ci­al. Dis­se: “Qu­e­ro fa­zer um dis­co.” Qual o tí­tu­lo? “Car­bo­no”. To­das as mú­si­cas têm a ver com car­bo­no, e tem si­do as­sim des­de “La­bi­a­ta”. Em “Chão” e “Car­bo­no”, o pro­ces­so foi pa­re­ci­do, mas con­cep­tu­al­men­te são pro­je­tos di­fe­ren­tes, com mo­men­tos e re­le­vos di­fe­ren­tes. Em “Chão” quis ex­plo­rar os sons do meu quo­ti­di­a­no. “Car­bo­no” foi con­ce­bi­do ao la­do de mui­ta gen­te, o som é mais pe­sa­do. São já mais de 30 anos a com­por. O que acha que tem mu­da­do no ato de es­cre­ver can­ções e na sua re­la­ção com a bus­ca das me­lo­di­as? O pro­ces­so ini­ci­al é sem­pre mui­to so­li­tá­rio, sou eu e o meu vi­o­lão co­mo fio con­du­tor da can­ção. De­pois te­nho ti­do cúm­pli­ces de cri­a­ção, mú­si­cos, po­e­tas in­crí­veis e ve­lhos ami­gos co­mo Lu­la Qu­ei­ro­ga, Car­los Ren­nó, Car­los Malta, Su­za­no, Pan­ti­co, Gui­la... mas tam­bém no­vos, com o Po­sa­da ou o João Cavalcanti, meu fi­lho. Na cri­a­ção, o me­lhor é que não exis­tam re­gras. Es­te dis­co nas­ceu num apa­ren­te cur­to es­pa­ço de tem­po: dois me­ses. Qual era a ur­gên­cia que ti­nha? Co­me­ça com uma apos­ta. De­pois é que ti­ve es­sa ur­gên­cia de o fa­zer, a par­tir do es­tí­mu­lo. E as­sim é im­pos­sí­vel er­rar: er­ro con­vic­to é acer­to (ri­sos). Acho que a gran­de no­vi­da­de pa­ra to­dos os que se en­vol­ve­ram na fei­tu­ra des­te “Car­bo­no” foi a si­mul­ta­nei­da­de de tra­ba­lho: fa­zer con­cer­tos e o CD ao mes­mo tem­po. Quan­do es­tá­va­mos a mas­te­ri­zar o dis­co, par­ti­mos lo­go pa­ra os en­sai­os, por­que 20 di­as de- pois iría­mos es­tre­ar o es­pe­tá­cu­lo. Is­so foi mui­to no­vo e ur­gen­te, não só pa­ra mim, mas pa­ra to­da a mi­nha equi­pa, um mer­gu­lho pro­fun­do, uma ap­neia. A ideia que fi­ca, até pe­la ca­pa do dis­co, é que es­te tra­ba­lho po­de ser con­si­de­ra­do uma es­pé­cie de de­se­nho a lá­pis de car­vão (car­bo­no) pa­ra mais tar­de ser co­lo­ri­do. Acha que é is­so que po­de vir a acon­te­cer? Es­te dis­co po­de vir a ga­nhar ou­tras co­res? “Car­bo­no” foi um pro­ces­so to­do mui­to or­gâ­ni­co, en­tão con­vi­dei o ar­tis­ta plás­ti­co Jo­sé Car­los Lol­lo, que gra­vou o mo­men­to em pou­cos tra­ços. As co­res são adi­ci­o­na­das no pal­co, nos pro­je­tos que vão sur­gin­do. O me­lhor de tu­do é to­do o pro­ces­so: as co­res vão sur­gin­do no ca­mi­nho que fa­ze­mos na es­tra­da. Os con­cer­tos, co­mo o que vai fa­zer aqui no Misty Fest, ama­nhã, aju­dam a dar ou­tra cor às su­as can­ções? Ou pre­fe­re man­ter-se fi­el àqui­lo que compôs e tra­ba­lhou em es­tú­dio? No pal­co as can­ções es­tão, di­ga­mos, com uma rou­pa um pou­co di­fe­ren­te. São ves­ti­das pe­la mi­nha ban­da, com um som mais pe­sa­do, que lem­bra um pou­co “La­bi­a­ta”. A ver­da­de é que, pa­ra mim, o dis­co e os con­cer­tos são du­as equa­ções com­ple­ta­men­te di­fe­ren­tes, com me­câ­ni­cas e fo­cos dis­tin­tos. O que per­ma­ne­ce a par­tir de “Chão”, o dis­co an­te­ri­or, é a qua­dri­fo­nia. Is­so é um re­cur­so que qu­e­ro man­ter em to­dos os meus con­cer­tos da­qui pa­ra a fren­te.

DARYAN DOR­NEL­LES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.