O la­do vi­ci­an­te da In­ter­net

Pou­se o seu smartpho­ne por um ins­tan­te, e leia as pa­la­vras que se se­guem. Nos EUA, já se fa­la nu­ma pa­to­lo­gia que dá pe­lo no­me de “Per­tur­ba­ção de Uso da In­ter­net”.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - PA­TRÍ­CIA TADEIA

Já é uma pa­to­lo­gia e os ca­sos vão au­men­tar: fa­la­mos da “Per­tur­ba­ção de Uso da In­ter­net”

Fo­bia so­ci­al, de­pres­são, pro­ble­mas de aten­ção, con­cen­tra­ção, e até mes­mo de­pen­dên­cia são al­gu­mas das vá­ri­as pa­to­lo­gi­as que o uso ex­ces­si­vo das no­vas tec­no­lo­gi­as po­de cau­sar. Qu­em o ga­ran­te é a psi­có­lo­ga do Gru­po Lu­sía­das (Por­to), Jú­lia Ma­cha­do. As tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção es­tão a do­mi­nar a vi­da das pes­so­as em to­do o mun­do e a sua uti­li­za­ção es­tá

“Sim, já exis­tem al­guns ca­sos em Portugal pon­tu­ais, mas não com a mes­ma gra­vi­da­de que em ou­tros paí­ses co­mo a Chi­na ou os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca e a ten­dên­cia é au­men­tar” Jú­lia Ma­cha­do, psi­có­lo­ga

a tor­nar-se um ví­cio, uma si­tu­a­ção que es­tá a le­var a As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na de Psi­qui­a­tria a pon­de­rar in­tro­du­zir a “Per­tur­ba­ção de Uso da In­ter­net” no pró­xi­mo ma­nu­al de per­tur­ba­ções men­tais.

Um dos ar­gu­men­tos usa­dos diz res­pei­to ao fac­to de as al­te­ra­ções ve­ri­fi­ca­das nas li­ga­ções neu­ro­nais que ocor­rem nos cen­tros de aten­ção, con­tro­lo e pro­ces­sa­men­to de emo­ções, são se­me­lhan­tes às pre­sen­tes em de­pen­den­tes de dro­ga. “O es­tí­mu­lo vi­su­al con­tí­nuo e aten­ção aos con­teú­dos tra­ba­lha­dos ten­dem a pre­ju­di­car o so­no, a aten­ção e a con­cen­tra­ção, uma vez que o cé­re­bro de­mo­ra um tem­po pa­ra di­mi­nuir as su­as ati­vi­da­des”, continua a es­pe­ci­a­lis­ta.

Ale­xan­dra Ro­sa, psi­có­lo­ga no Hos­pi­tal Lu­sía­das (Lis­boa), continua: “A mai­or par­te das pes­so­as, mes­mo que fa­ça uso da tec­no­lo­gia du­ran­te ho­ras ex­ces­si­vas, ain­da não o en­ten­de co­mo uma adi­ção até por­que é um ví­cio mui­to acei­te e in­te­gra­do na nos­sa so­ci­e­da­de.”

Na Chi­na já há clí­ni­cas de tra­ta­men­to pa­ra pes­so­as que se ve­jam nes­ta si­tu­a­ção de de­pen­dên­cia e, na Co­reia do Sul, o fe­nó­me­no es­tá clas­si­fi­ca­do co­mo uma cri­se de saú­de pú­bli­ca. Con­tu­do, “já exis­tem al­guns ca­sos em Portugal pon­tu­ais, mas não com a mes­ma gra­vi­da­de que em ou­tros paí­ses, co­mo a Chi­na ou os Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca e a ten­dên­cia é au­men­tar”.

“Sa­be-se que foi fei­to um es­tu­do re­cen­te em Portugal com jo­vens en­tre os 13 e os 25 anos, pa­ra ava­li­ar a de­pen­dên­cia da In­ter­net e con­cluiu-se que 13% dos jo­vens re­ve­lam uma de­pen­dên­cia gra­ve da In­ter­net e 70% os jo­vens es­tão en­qua­dra­dos no que de­sig­na­mos de ca­sos de ris­co”, con­clui Jú­lia Ma­cha­do.

Por seu tur­no, Ale­xan­dra Ro­sa ga­ran­te que “o fac­to de ain­da não ter­mos che­ga­do aos ní­veis da Chi­na ou da Co­reia do Sul tem a ver com as­pe­tos cul­tu­rais e com o nos­so cli­ma, en­tre ou­tros fa­to­res”. “Cul­ti­va­mos o gos­to pe­lo con­ví­vio pessoal. Em paí­ses em que se vi­ve de for­ma mais iso­la­da, po­de atin­gir-se es­sa pro­por­ção na or­dem da pa­to­lo­gia”, diz a psi­có­lo­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.