Mi­guel Ân­ge­lo re­cua 22 anos até “Ser Mai­or”, dis­co de cul­to dos Del­fins

“Ser Mai­or” é uma das mai­o­res obras da ban­da, um dis­co con­cep­tu­al de 1993 ago­ra re­e­di­ta­do. Mi­guel Ân­ge­lo re­cua 22 anos pa­ra nos fa­lar de co­mo foi fa­zer es­te tra­ba­lho.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRUNO MAR­TINS

Es­te ál­bum de 1993 é um tra­ba­lho mui­to es­pe­ci­al na car­rei­ra dis­co­grá­fi­ca dos Del­fins. Sim, o “Ser Mai­or” foi lan­ça­do e pas­sa­do um ano e meio ou dois es­ta­va es­go­ta­do. Inex­pli­ca­vel­men­te, a edi­to­ra nun­ca repôs o dis­co nas lo­jas. Es­go­tou em ar­ma­zém e nun­ca fo­ram fei­tas re­e­di­ções. É um dis­co que saiu em du­plo vi­nil, tri­plo CD, foi dis­co de ou­ro, mas nun­ca foi re­pos­to! Achá­mos que se­ria uma boa al­tu­ra – an­tes que os CD aca­bem de vez – ter­mos uma edi­ção bo­ni­ta e bem cui­da­da pa­ra a pos­te­ri­da­de. Es­ta edi­ção da Sony foi mui­to bem tra­ta­da em to­dos os as­pe­tos: do grá­fi­co à mas­te­ri­za­ção, que foi fei­ta em Lon­dres, to­dos os con­teú­dos ex­tras que vêm tam­bém com a edi­ção, co­mo um li­vro, re­ce­be­ram mui­to amor.

E se ca­lhar é um tra­ba­lho que me­re­ce es­se amor de que fa­la. Tor­nou-se num dis­co de cul­to... Não só por ter es­go­ta­do. Acho que tam­bém pe­la te­má­ti­ca e por ser um dis­co con­cep­tu­al. É uma es­pé­cie de ro­man­ce, é um li­vro, é um fil­me. É um ob­je­to mui­to es­pe­ci­al. Foi fei­to um bo­ca­do con­tra a cor­ren­te: em 1993 nin­guém que­ria ou­vir fa­lar de coi­sas mais pro­gres­si­vas ou sin­fó­ni­cas. Mes­mo a nos­sa car­rei­ra, que vi­nha de uma on­da mais pop – co­mo o “Lu­gar ao Sol”, “Nas­ce Sel­va­gem” ou “Mar­cha dos De­sa­li­nha­dos” –, te­ve es­sa aven­tu­ra de dois anos e que aca­bou em “O Bre­ve Su­má­rio da His­tó­ria de Deus”, a pe­ça de te­a­tro em que par­ti­ci­pá­mos e on­de fi­ze­mos can­ções com tex­to de Gil Vi­cen­te. Com a aven­tu­ra pop, de­pois dos anos 90, es­ta par­te fi­cou um bo­ca­di­nho es­que­ci­da. Sem­pre vi a mú­si­ca co­mo uma coi­sa mui­to aber­ta. Co­me­çá­mos mui­to ce­do a ou­vir mú­si­ca e sem­pre ou­vi­mos tan­to os Ge­ne­sis co­mo os Sex Pis­tols. É na­tu­ral que, com tan­tas in­fluên­ci­as, qui­sés­se­mos pas­sar mui­ta coi­sa pa­ra o nos­so tra­ba­lho.

Por­que é que nes­sa al­tu­ra qui­se­ram ir con­tra a cor­ren­te? Hou­ve al­go de­ter­mi­nan­te: em 1993 con­se­gui­mos cri­ar e ter o nos­so pró­prio es­tú­dio de gra­va­ção. Um dis­co des­tes só se gra­vou por­que não es­tá­va­mos a ar­ren­dar es­tú­dio! A edi­to­ra não ti­nha bud­get pa­ra fa­zer es­te dis­co tri­plo, com vin­te e tal can­ções, com por­me­no­res de pro­du­ção bas­tan­te cui­da­dos. As­sim po­día­mos fa­zer o que nos ape­te­ces­se. Já tí­nha­mos fei­to três dis­cos pop, já tí­nha­mos fei­to os Re­sis­tên­cia... foi uma for­ma de nos sur­pre­en­der­mos tam­bém a nós.

Es­ta reedição vem tam­bém com o pri­mei­ro con­cer­to des­te dis­co, que acon­te­ceu no Es­tá­dio de Al­va­la­de. É ver­da­de, no Portugal ao Vi­vo, no ano de 1993. O ál­bum ti­nha saí­do uma ou du­as se­ma­nas an­tes... já tra­ja­dos à mon­ge, co­mo man­da­va a co­re­o­gra­fia na al­tu­ra. Foi in­crí­vel: com 30 ou 40 mil pes­so­as na pla­teia, na al­tu­ra em que as ban­das por­tu­gue­sas en­chi­am es­tá­di­os...

Ve­ria com bons olhos le­var es­te “Ser Mai­or” ou­tra vez a um pal­co, 22 ou 23 anos de­pois? Gos­to mui­to dos con­cei­tos das ban­das se reu­ni­rem, “one night only”, a to­ca­rem um dis­co do prin­cí­pio ao fim. Va­mos ver o que acon­te­ce! É pos­sí­vel, mas não pos­so dar cer­te­zas. Ago­ra es­ta­mos em­pe­nha­dos em fa­zer a edi­ção em vi­nil e de­pois lo­go ve­mos!

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.