EX­CLU­SI­VO ME­TRO

7ª ar­te. De “pa­pe­lão” em “pa­pe­lão”, o ator Mi­cha­el Fas­s­ben­der es­tá a cons­truir uma das mais res­pei­ta­das e acla­ma­das car­rei­ras na ar­te da re­pre­sen­ta­ção do no­vo sé­cu­lo. En­car­nar “Ste­ve Jobs”, que es­treia ama­nhã, é mais um pas­so de gi­gan­te nes­se sen­ti­do.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - JOHN-MIGUEL SACRAMENTO

O no­vo fil­me do os­ca­ri­za­do re­a­li­za­dor Danny Boy­le, “Ste­ve Jobs”, “bi­o­pic” ba­se­a­do na bi­o­gra­fia da au­to­ria de Wal­ter Isa­ac­son, é pro­ta­go­ni­za­do por Mi­cha­el Fas­s­ben­der. O ator ger­ma­no-ir­lan­dês en­car­na a pe­le do ho­mem que, atra­vés da sua em­pre­sa Ap­ple, mu­dou ra­di­cal­men­te a for­ma co­mo vi­ve­mos e nos re­la­ci­o­na­mos. Uma en­tre­vis­ta im­per­dí­vel

A car­rei­ra ex­tra­or­di­ná­ria de Mi­cha­el Fas­s­ben­der avan­ça in­to­ca­da pe­la con­cor­rên­cia. O per­cur­so do ator ger­ma­no-ir­lan­dês sal­ti­ta se­gu­ra­men­te en­tre fil­mes de gran­des au­di­ên­ci­as, co­mo são os da sé­rie X-Men, e to­das as co­la­bo­ra­ções que man­te­ve com Ri­dley Scott, e ou­tros mais adul­tos que con­se­guem equi­li­brar de­vi­da­men­te o la­do ce­re­bral com a ne­ces­si­da­de de en­tre­ter. Fez de re­vo­lu­ci­o­ná­rio ir­lan­dês Bobby Sands no acla­ma­do “Hun­ger”, de sol­da­do sem mi­se­ri­cór­dia no in­clas­si­fi­cá­vel “In­glou­ri­ous Bas­terds”, de Qu­en­tin Ta­ran­ti­no, e de um ho­mem imo­bi­li­za­do na vi­da por uma enor­me de­pen­dên­cia se­xu­al, no per­tur­ban­te “Sha­me”. Com a mes­ma se­ri­e­da­de, fez de Carl Jung nu­ma his­tó­ria di­ri­gi­da por Cro­nen­berg, e de pa­trão ra­cis­ta no dra­ma so­bre a es­cra­va­tu­ra, “12 Anos Es­cra­vo” –- sim, ca­ro lei­tor, é ver­da­de, a car­rei­ra ex­tra­or­di­ná­ria e jo­vem de Mi­cha­el Fas­s­ben­der já in­clui aqui­lo que a Aca­de­mia con­si­de­rou ser o me­lhor fil­me do ano. Es­ta se­ma­na a gra­vi­da­de tór­ri­da do jo­vem Mi­cha­el apa­re­ce-nos ou­tra vez nos ci­ne­mas. Vem com os ti­ques do “Ste­ve Jobs” em mais uma co­la­bo­ra­ção de lu­xo, des­ta vez di­ri­gi­da pe­lo ir­re­qui­e­to Danny Boy­le. Que bem lhe fi­ca a lin­gua­gem do gé­nio iso­la­do. E que bem se mos­tra no ecrã, lin­do co­mo um ga­lã, fre­né­ti­co, ver­sa­do em der­ru­bar a con­ven­ção so­ci­al.

O Ste­ve Jobs já foi ape­li­da­do de tu­do: vi­si­o­ná­rio, re­vo­lu­ci­o­ná­rio,

ego­ma­nía­co, mi­tó­ma­no, e o res­to. Ago­ra que de cer­ta ma­nei­ra lhe en­trou na pe­le, qual é o ve­re­di­to? Que ti­po de ser hu­ma­no era ele? Não vou dar-lhe um tí­tu­lo. O no­me de­le era Ste­ve Jobs e is­so te­rá de ser su­fi­ci­en­te. Era uma pes­soa ex­tra­or­di­ná­ria que mu­dou

Re­la­ção com a tec­no­lo­gia “Não te­nho es­se ti­po de re­la­ção lou­ca com a tec­no­lo­gia. Não sou uma pes­soa téc­ni­ca. Di­ria que o te­le­fo­ne ain­da é o ob­je­to que man­te­nho mais pró­xi­mo (...) Tam­bém sou um gran­de fã do com­pu­ta­dor por­tá­til”

de for­ma bem re­al a ma­nei­ra co­mo vi­ve­mos e in­te­ra­gi­mos uns com os ou­tros. Foi uma es­pé­cie de Henry Ford mul­ti­pli­ca­do por mil. Que opi­nião pes­so­al te­nho da pes­soa e da per­so­na­gem? Acho que foi um ser hu­ma­no bas­tan­te im­pres­si­o­nan­te. Não me pas­sa pe­la ca­be­ça se ele era uma pes­soa boa ou uma pes­soa má. Es­se ti­po de qua­li­fi­ca­ti­vos dei­xa-me iner­te, pa­ra lhe di­zer a ver­da­de. São pa­la­vras usa­das por quem já as­su­miu a su­pe­ri­o­ri­da­de mo­ral e is­so, a mim, não me in­te­res­sa.

No seu ca­so, que re­la­ção tem com o seu pró­prio ego. Cus­ta-lhe ou­vir a pa­la­vra “Não”?

Te­nho, de­fi­ni­ti­va­men­te, um ego sau­dá­vel. Es­tou cons­ci­en­te de­le, o que é sem­pre um bom co­me­ço. E gos­to de man­ter es­se la­do sob con­tro­lo. Na­tu­ral­men­te que há uma par­te po­si­ti­va do ego, aque­la que exis­te pa­ra nos pro­te­ger. Gos­to que o meu ego es­te­ja mais evi­den­te em ques­tões de tra­ba­lho. Não gos­to quan­do se des­via pa­ra ques­tões mais pes­so­ais. Que acon­te­ce quan­do me di­zem “Não”? Su­po­nho que há mo­men­tos em que is­so é di­ver­ti­do (ri­sos). No fun­do, a re­la­ção que man­te­nho co­mi­go mes­mo é afir­ma­ti­va. Qu­e­ro que se­ja so­bre­tu­do ba­se­a­do no “Sim”. Pre­fi­ro di­zer “Sim” ao “Não”. O im­por­tan­te é di­zer “Sim”, quan­do sen­ti­mos que de­ve­mos di­zer “Sim”, e di­zer “Não” quan­do tu­do em nós diz “Não”.

De to­dos os ar­ti­gos Ap­ple, qual o seu pre­fe­ri­do?

Não te­nho es­se ti­po de re­la­ção lou­ca com a tec­no­lo­gia. Não sou uma pes­soa téc­ni­ca. Di­ria que o te­le­fo­ne ain­da é o ob­je­to que man­te­nho mais pró­xi­mo. Mas não me im­por­to na­da de o ter des­li­ga­do, ou de o ati­rar pa­ra um sa­co quan­do vou de fé­ri­as e pre­ci­so de so­li­dão. Re­co­nhe­ço-lhe a uti­li­da­de imen­sa. Tam­bém sou um gran­de fã do com­pu­ta­dor por­tá­til, so­bre­tu­do se me es­tou a pre­pa­rar pa­ra um fil­me e me ve­jo obri­ga­do a pes­qui­sar cer­tos as­pe­tos ou a trei­nar um de­ter­mi­na­do tom de in­fle­xão na lin­gua­gem. An­ti­ga­men­te era pre­ci­so ir a uma bi­bli­o­te­ca e es­gra­va­tar do­cu­men­tos his­tó­ri­cos. Ago­ra bas­ta-me ir ao YouTu­be e, por exem­plo, re­ver as con­fe­rên­ci­as e ci­mei­ras que o Ste­ve Jobs deu ao lon­go dos tem­pos. O com­pu­ta­dor é re­al­men­te uma fer­ra­men­ta mui­tís­si­mo útil.

A Ka­te Wins­let dis­se que o Mi­cha­el se man­te­ve tão pró­xi­mo da per­so­na­gem ao lon­go do pro­ces­so que dei­xou de be­ber ál­co­ol. Fa­le-me des­sa dis­ci­pli­na. Eli­mi­nou só a be­bi­da ou tam­bém o se­xo?

Bom, tam­bém não é pre­ci­so que o ator se­ja to­tal­men­te lou­co. Sim, be­bi. E hou­ve se­xo. Mas, com di­as de tra­ba­lho que in­cluíam 17 ou 18 ho­ras sem pa­rar, hou­ve mui­tos me­ses em que me ti­ve de de­di­car ao tex­to do fil­me. Foi pre­ci­so de­co­rar aque­las fra­ses e o rit­mo que o Ste­ve Jobs ti­nha no dis­cur­so. Tem ra­zão: fo­ram tem­pos bas­tan­te so­li­tá­ri­os.

Que re­la­ção tem com a ver­da­de? O Ste­ve Jobs era co­nhe­ci­do por di­zer sem­pre aqui­lo que lhe vi­nha na ideia, o que fez de­le uma pes­soa pou­co amis­to­sa. Con­si­go pas­sa-se o mes­mo?

Re­a­jo na­tu­ral­men­te pe­ran­te a ver­da­de. De­pen­de da ma­nei­ra co­mo é di­ta. A ver­da­de é por ve­zes di­fí­cil de ou­vir, mas, co­mo in­di­ví­duo, gos­to de en­fren­tar a ver­da­de e de vi­ver na ver­da­de. A um ní­vel mais prá­ti­co, se­rá que di­go sem­pre a ver­da­de, qual­quer que se­ja a cir­cuns­tân­cia? Não. (ri­sos). Co­mo fun­ci­o­na a sua ca­be­ça e sis­te­ma pes­so­al de se­gu­ran­ça quan­do sa­be que o guião lhe veio pa­rar às mãos só de­pois de ter si­do re­cu­sa­do por ou­tro ator? Num ca­so as­sim, o que re­pi­to pa­ra mim é: o ou­tro ator nun­ca fez par­te des­te fil­me, eu sim. Es­tou ha­bi­tu­a­dís­si­mo a que um rea- li­za­dor, pro­du­tor ou equi­pa de es­tú­dio quei­ra ou­tro ator em vez de mim. Acho que é mes­mo as­sim, que as coi­sas fun­ci­o­nam nes­ta e nou­tras in­dús­tri­as. As com­pli­ca­ções só co­me­çam quan­do há emails in­ter­nos que são di­vul­ga­dos. Aí já te­nho de co­men­tar. E em re­la­ção a es­te fil­me, não te­nho dú­vi­da ne­nhu­ma que o Ch­ris­ti­an Ba­le te­ria da­do um Ste­ve Jobs fan­tás­ti­co. Tan­to é as­sim que, quan­do fi­quei com o pa­pel, te­le­fo­nei-lhe pa­ra que pu­dés­se­mos fa­lar um pou­co. A na­tu­re­za des­ta ar­te es­tá aí mes­mo. Te­mos de ter cons­ci­ên­cia que o tra­ba­lho po­de ser igual­men­te con­cre­ti­za­do por ou­tra pes­soa. O Ste­ve Jobs não pa­re­cia im­por­tar-se com a opi­nião que os ou­tros ti­nham de­le. Co­mo é con­si­go? Que vul­ne­ra­bi­li­da­de ge­re nes­se do­mí­nio? Dá im­por­tân­cia ao fac­to de as pes­so­as gos­ta­rem ou não de si? Dou, mas, ao mes­mo tem­po, não dou. É sem­pre bom que gos­tem de nós. Mas des­de mui­to ce­do que pro­me­ti a mim mes­mo que nun­ca, nun­ca iria mor­rer a pen­sar que não fi­ze­ra cer­tas coi­sas na vi­da só por­que te­mia a re­a­ção dos ou­tros. A per­ce­ção ex­te­ri­or im­por­ta, mas não dei­xo que me de­te­nha. Hoje, co­mo on­tem, as mi­nhas li­nhas mes­tras na vi­da são: não te im­por­tes com o que os ou­tros pen­sam (ri­sos); tra­ta o pró­xi­mo co­mo gos­ta­ri­as de ser tra­ta­do; e, cla­ro, vi­ve o dia co­mo se fos­se o úl­ti­mo da tua vi­da.

Per­ce­ção ex­te­ri­or “Des­de mui­to ce­do que pro­me­ti a mim mes­mo que nun­ca iria mor­rer a pen­sar que não fi­ze­ra cer­tas coi­sas na vi­da só por­que te­mia a re­a­ção dos ou­tros. A per­ce­ção ex­te­ri­or im­por­ta, mas não dei­xo que me de­te­nha”

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.