SOFA SURFERS

Con­ver­sa so­bre “Scram­bles, Anthems and Odys­seys”

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI ALE­XAN­DRE CO­E­LHO

No vos­so no­vo ál­bum re­gres­sam a um som mais ele­tró­ni­co. O ca­mi­nho pa­ra lá che­gar tam­bém mu­dou?

A ca­da ál­bum ten­ta­mos que o am­bi­en­te mu­de. Usan­do téc­ni­cas dis­tin­tas, ten­tan­do mu­dar de lu­gar. Pa­ra cri­ar al­go no­vo te­mos de re­no­var o que nos ro­deia. No úl­ti­mo dis­co fi­ze­mos mui­ta coi­sa en­quan­to ban­da, e ago­ra pro­cu­rá­mos al­go pu­ra­men­te ele­tró­ni­co. Nes­se sen­ti­do foi di­fe­ren­te, não en­saiá­mos tan­to. Foi mais fa­lar en­tre nós, “va­mos fa­zer is­to, ex­pe­ri­men­tar aqui­lo”.

Ir a clu­bes de mú­si­ca ele­tró­ni­ca, ver o que se pas­sa, fez par­te do pro­ces­so?

Sim, so­bre­tu­do da ce­na in­de­pen­den­te. Foi gi­ro re­vi­ver is­so e per­ce­ber a in­fluên­cia dos anos 1980 na mú­si­ca atu­al, pois fo­mos cri­a­dos nes­sa dé­ca­da; foi a nos­sa in­fân­cia. Re­cu­pe­rá­mos al­go da­que­las emo­ções ju­ve­nis. Es­tá­va­mos acos­tu­ma­dos a ou­vir aque­la mú­si­ca e, ago­ra, ei-la de no­vo, mas di­fe­ren­te.

As to­na­li­da­des som­bri­as des­te dis­co são o re­fle­xo do que ve­em no mun­do?

Há uma li­nha ver­me­lha pre­sen­te em to­dos os nos­sos dis­cos, um cer­to am­bi­en­te ao qual pre­fi­ro cha­mar de den­so. Som­brio se­ria es­tar zan­ga­do, ir­ri­ta­do; não é o ca­so. Que­re­mos sem­pre che­gar a um pon­to. Mu­dam é os ins­tru­men­tos, os pro­ce­di­men­tos. A ideia é cri­ar um som pa­ra o nos­so am­bi­en­te e so­ci­e­da­de. Um tó­pi­co que nos ins­pi­rou foi o dos re­fu­gi­a­dos. O nos­so vo­ca­lis­ta [Ma­ni Obeya] é da Ni­gé­ria. Cres­ceu em In­gla­ter­ra, mas tem uma li­ga­ção à Ni­gé­ria, às pes­so­as que lá vi­vem e aos pro­ble­mas que en­fren­tam.

Em res­pos­ta à cri­se mi­gra­tó­ria, a Áus­tria vai cons­truir um mu­ro na fron­tei­ra com a Es­lo­vé­nia. Lem­bro-me de um te­ma vos­so de 2012, “Va­lid Without Photo” (do dis­co “Su­per­lu­mi­nal”), em que se can­ta: “I’m a re­fu­gee, i’m a fu­gi­ti­ve – with no ho­pe, with no ho­pe”.

É uma lou­cu­ra. Co­mo é pos­sí­vel di­zer-se aos re­fu­gi­a­dos que são cul­pa­dos des­ta si­tu­a­ção qu­an­do qua­se to­dos vi­ve­mos bem nes­te país? A mer­da da ex­tre­ma-direita tem ga­nha­do for­ça cá, e é-lhes mui­to fá­cil re­vol­tar as pes­so­as com es­te te­ma. Is­so en­ver­go­nha-me. Sa­be­mos que ten­tam cri­ar o pâ­ni­co e ago­ra é o po­der que re­a­ge a es­se pâ­ni­co e er­gue mu­ros. A le­tra do te­ma que re­fe­res foi es­cri­ta nu­ma fa­se em que mui­ta gen­te ten­ta­va fu­gir de Áfri­ca e che­gar à Eu­ro­pa. Lam­pe­du­sa e ou­tros dra­mas. Mui­ta gen­te mor­reu e os eu­ro­peus só acor­da­ram ago­ra pa­ra o pro­ble­ma por­que as pes­so­as co­me­ça­ram a mor­rer aqui, na Eu­ro­pa. À da­ta, nin­guém quis sa­ber.

Há três anos pe­di­ram aos por­tu­gue­ses, via Fa­ce­bo­ok, pa­ra vos aju­da­rem de ma­nei­ra a po­de­rem to­car em Por­tu­gal. E aqui es­tão ou­tra vez. O que tor­na es­ta re­la­ção tão es­pe­ci­al?

Não sei. As pes­so­as gos­tam de nós e nós gos­tá­mos do país. Sin­to uma li­ga­ção à men­ta­li­da­de por­tu­gue­sa, um com­bi­na­do de des­con­traí­do e ami­gá­vel. Po­de ser es­ta com­bi­na­ção, mais as prai­as ma­ra­vi­lho­sas, as ci­da­des... não sei ex­pli­car. Mas fi­co fe­liz que se­ja Por­tu­gal [ri­sos].

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.