Te­a­tro Ex­pe­ri­men­tal de Cas­cais ce­le­bra 50 anos

Um dos mais in­flu­en­tes gru­pos de te­a­tro por­tu­guês es­tá em fes­ta

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

Car­los Avi­lez é um dos prin­ci­pais res­pon­sá­veis pe­la so­bre­vi­vên­cia des­ta com­pa­nhia, uma das mais mar­can­tes na his­tó­ria da dra­ma­tur­gia por­tu­gue­sa. “Há 50 anos era um gru­po de que fa­zi­am par­te o João Vas­co, a Ma­ria do Céu Guer­ra ou a Zi­ta Du­ar­te. Re­sol­ve­mos fun­dar uma com­pa­nhia qu­an­do éra­mos uns miú­dos. Mas nun­ca pen­sá­mos es­tar aqui ago­ra a fa­zer es­ta ce­le­bra­ção”, diz. E aper­ce­be-se: “Cin­quen­ta anos! É um bo­ca­do in­crí­vel, não é?”, per­gun­ta Car­los Avi­lez, o di­re­tor do Te­a­tro Ex­pe­ri­men­tal de Cas­cais (TEC) e en­ce­na­dor, de sor­ri­so es­tam­pa­do no ros­to, do­no de uma pa­ci­ên­cia e dis­po­ni­bi­li­da­de in­fi­ni­tas, pou­co an­tes de ar­ran­car mais um en­saio da pe­ça que se es­treia ama­nhã à noi­te , “Mac­beth” (ver cai­xa ao la­do). “Pas­sou tão rá­pi­do, foi tão bom, mas tão di­fí­cil que nem dei pe­lo tem­po pas­sar”, con­ti­nua. Há 50 anos, os tem­pos eram ou­tros. Tam­bém o con­tex­to po­lí­ti­co-so­ci­al em que cres­ceu o TEC tam­bém era ou­tro, so­bre­tu­do, num pe­río­do em que a com­pa­nhia con­vi­via com a cen­su­ra, ain­da por ci­ma com o ter­mo “Ex­pe­ri­men­tal” no no­me: “Até 1974, os es­pe­tá­cu­los só eram au­to­ri­za­dos pa­ra Cas­cais”, re­cor­da o en­ce­na­dor. “Sem­pre ti­ve­mos uma do­se de lou­cu­ra: fo­mos bus­car uma gran­de ve­de­ta de te­a­tro que era a Mi­ri­ta Ca­si­mi­ro. Con­vi­dei o mes­tre Al­ma­da Ne­grei­ros pa­ra fa­zer os fi­gu­ri­nos da pe­ça ‘O Mar’. Fo­mos bus­car a Eu­ni­ce [Muñoz] e a Amé­lia Rey Co­la­ço, que nun­ca ti­nha saí­do do Te­a­tro Na­ci­o­nal! Era uma lou­cu­ra!” Fo­ram es­tas “lou­cu­ras” su­bli­nha­das por Car­los Avi­lez que fi­ze­ram des­te te­a­tro uma re­fe­rên­cia nas ar­tes de pal­co em Por­tu­gal, que, em meio sé­cu­lo, já re­ce­beu adap­ta­ções de vul­tos eter­nos co­mo Fe­de­ri­co Gar­cía Lor­ca, Sa­mu­el Bec­kett, Ber­tolt Bre­cht, Mo­liè­re, Wil­li­am Sha­kes­pe­a­re, Gil Vi­cen­te, Miguel Tor­ga, Ger­vá­sio Lo­ba­to ou Na­tá­lia Cor­reia. “[O nos­so tra­ba­lho] foi uma gran­de pe­dra­da no char­co. To­da a gen­te acha­va es­tra­nho co­mo é que eu, um jo­vem, po­dia di­ri­gir a Eu­ni­ce ou a Amé­lia Rey Co­la­ço! As pes­so­as pas­sa­ram a ter mui­to in­te­res­se em vir a Cas­cais. To­dos os gran­des ato­res pas­sa­ram por aqui.” Mes­mo aos 50, o tra­ba­lho con­ti­nua com a mar­ca de co­e­rên­cia que acom­pa­nha es­tes anos de TEC: “Já qui­se­ram que dei­xás­se­mos de ser ex­pe­ri­men­tais, mas is­so é al­go que faz par­te de nós e do nos­so no­me”, vin­ca o en­ce­na­dor de 80 anos. “Es­tou mais tem­po no pal­co do que em ca­sa – é uma re­la­ção que me fas­ci­na. Eu vi­vo aqui. O te­a­tro é a mi­nha vi­da”, re­ma­ta.

JOÃO FERRÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.