Uma mos­tra que se tor­na “Vi­ral”

“Vi­ral” quer “con­ta­gi­ar” mui­ta gen­te e en­si­nar que o con­tá­gio é bom e que es­tar pro­te­gi­do de­le “não é pos­sí­vel”.

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - LUSA

A pa­la­vra “con­tá­gio” es­tá por nor­ma as­so­ci­a­da a do­en­ças, mas o con­tá­gio é mui­to mais do que is­so e, sem ele, não ha­via evo­lu­ção, ex­pli­ca a ex­po­si­ção “Vi­ral” do Pa­vi­lhão do Co­nhe­ci­men­to, Lis­boa, aber­ta até ao fim do pró­xi­mo ve­rão (se­tem­bro).

Cláu­dia Ve­lhas, co­or­de­na­do­ra da ini­ci­a­ti­va, ex­pli­ca que a ex­po­si­ção co­me­ça por ex­plo­rar o lado bi­o­ló­gi­co do con­tá­gio, o que é ne­ga­ti­vo, os ví­rus e as bac­té­ri­as. “O con­tá­gio não é só a trans­mis­são de do­en­ças, mas tam­bém po­de ser a trans­mis­são de emo­ções, de idei­as, ou mes­mo de com­por­ta­men­tos, que po­dem ser po­si­ti­vos”, diz a es­pe­ci­a­lis­ta à agên­cia Lusa.

Ex­pli­ca a res­pon­sá­vel que a ex­po­si­ção ter­mi­na com uma ideia: “De que fa­ze­mos par­te do con­tá­gio, que fa­ze­mos o con­tá­gio fun­ci­o­nar, pa­ra o bem e pa­ra o mal, pa­ra a trans­mis­são de do­en­ças, mas tam­bém pa­ra a trans­mis­são de bo­as idei­as, de bons com­por­ta­men­tos. Po­de­mos fa­zer o mun­do avan­çar, evo­luir, com a ideia de que te­mos po­der de con­ta­gi­ar os ou­tros.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.