A pro­va de que o golfe po­de ser pa­ra to­dos

Des­por­to. O Eu­ro­pe­an Di­sa­bled Golf Open es­tá de re­gres­so a Por­tu­gal. A par­tir de ho­je e até sex­ta-fei­ra, o Al­gar­ve re­ce­be a eli­te mun­di­al de jo­ga­do­res de golfe com de­fi­ci­ên­cia.

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS - PA­TRÍ­CIA TA­DEIA

In­se­ri­da na cam­pa­nha “Golf4all” da As­so­ci­a­ção de Tu­ris­mo do Al­gar­ve (ATA), a pro­va de re­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal vai de­cor­rer no Pes­ta­na Vi­la Sol, em Vi­la­mou­ra. “O Al­gar­ve é in­dis­cu­ti­vel­men­te um dos me­lho­res des­ti­nos de Golfe da Eu­ro­pa e a ATA es­tá sem­pre em bus­ca de even­tos que co­lo­quem, a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, a re­gião ao mais al­to ní­vel”, co­me­ça por ex­pli­car ao me­tro Do­ra Co­e­lho, di­re­to­ra exe­cu­ti­va da ATA. “O ‘Golf4all’ es­pe­lha bem o nos­so com­pro­mis­so em pro­mo­ver a mo­da­li­da­de co­mo uma ati­vi­da­de des­por­ti­va ide­al pa­ra to­dos, in­de­pen­den­te­men­te da ida­de, se­xo ou ca­pa­ci­da­de. Es­ta­mos mui­to or­gu­lho­sos de ter to­ma­do es­ta ini­ci­a­ti­va”, diz.

Mas es­ta não é a pri­mei­ra vez que o even­to vi­si­ta o Al­gar­ve: “A edi­ção do ano pas­sa­do foi tão po­si­ti­va que a qui­se­mos re­pe­tir es­te ano e acre­di­ta­mos que não vai fi­car por aqui. Que­re­mos con­ti­nu­ar es­ta par­ce­ria por mui­tos e lar­gos anos.”

O pro­je­to “Golf4all” des­ti­na-se a to­dos, jo­ga­do­res com de­fi­ci­ên­cia, ju­ni­o­res, se­ni­o­res e gol­fis­tas de di­fe­ren­tes ní­veis de ca­pa­ci­da­des, des­de os prin­ci­pi­an­tes, aos jo­ga­do­res ca­su­ais e gol­fis­tas ex­pe­ri­en­tes.

“Que­re­mos pro­var que o golfe é uma ati­vi­da­de des­por­ti­va pa­ra to­dos e que a prá­ti­ca traz no­vas pers­pe­ti­vas a quem abra­ça a mo­da­li­da­de. Ao par­ti­ci­par nes­te tor­neio, os atle­tas têm a opor­tu­ni­da­de de par­ti­lhar ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da, de me­lho­rar a au­to­es­ti­ma, e per­ce­ber que a in­ca­pa­ci­da­de fí­si­ca não é um obs­tá­cu­lo”, diz ain­da Do­ra Co­e­lho. Até por­que – acres­cen­ta – “pe­las pró­pri­as ca­ra­te­rís­ti­cas da mo­da­li­da­de, o golfe é das prá­ti­cas des­por­ti­vas em que pro­fis­si­o­nais e ama­do­res de di­fe­ren­tes ní­veis con­se­guem com­pe­tir de igual pa­ra igual, equi­li­bra­dos pe­lo han­di­cap (va­lor nu­mé­ri­co que re­pre­sen­ta a ha­bi­li­da­de de jo­go de um pra­ti­can­te ama­dor. É tan­to mais bai­xo quan­to me­lhor for a ha­bi­li­da­de de jo­go do pra­ti­can­te. Os pro­fis­si­o­nais par­tem pa­ra o cam­po sem qual­quer han­di­cap, ou se­ja, sem van­ta­gem)”, ex­pli­ca a res­pon­sá­vel.

Pa­ra Do­ra Co­e­lho, “a fi­lo­so­fia de equi­lí­brio é uma das ima­gens de mar­ca do golfe”. “Traz jus­ti­ça à prá­ti­ca des­por­ti­va, ao mes­mo tem­po que mo­ti­va to­dos os par­ti­ci­pan­tes, já que par­tem em pé de igual­da­de. No ca­so dos jo­ga­do­res com de­fi­ci­ên­cia, mes­mo que pro­fis­si­o­nais, ou sem re­cur­so à van­ta­gem do han­di­cap, o es­pí­ri­to de jus­ti­ça, equi­lí­brio de for­ças e a mo­ti­va­ção, man­têm-se pre­sen­tes”, avan­ça. Com es­te even­to, a ATA vi­sa “re­for­çar o po­si­ci­o­na­men­to do Al­gar­ve en­quan­to des­ti­no de elei­ção pa­ra a prá­ti­ca de golfe”. “Por ou­tro lado, per­mi­te-nos alar­gar o mer­ca­do e ex­plo­rar ou­tros ni­chos, apre­sen­tan­do a re­gião co­mo exem­plo de bo­as prá­ti­cas de igual­da­de e aces­si­bi­li­da­de”, diz.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.