Nor­ma­li­da­de

Metro Portugal (Lisbon) - - CINEMA -

“Ten­to le­var uma vi­da nor­mal. Ain­da há di­as es­ta­va a con­du­zir e pen­sei: ‘Es­tou a pre­ci­sar de tup­perwa­res’. En­trei na lo­ja e com­prei. No­tei que a mi­nha pre­sen­ça trou­xe uma per­tur­ba­ção ao es­pa­ço” Gos­to que, com al­gu­ma frequên­cia, es­co­lha pro­je­tos em que o seu pa­pel as­sen­ta na re­bel­dia. Ca­be-lhe a si per­tur­bar o es­ta­do de coi­sas, mai­or par­te das ve­zes. O que apren­deu ao lon­go des­tes anos a ler fra­ses con­tes­ta­tá­ri­as? Apren­di que uma voz é a coi­sa mais im­por­tan­te que exis­te. É fun­da­men­tal que fa­ça­mos ou­vir a nos­sa fa­ce à ques­tão. É de­ter­mi­nan­te de­fen­der aqui­lo que acha­mos ser jus­to, mes­mo quan­do é di­fí­cil, mes­mo quan­do é as­sus­ta­dor. Nun­ca de­ve­mos es­co­lher a so­lu­ção mais fá­cil e agra­dá­vel. Na sua vi­da ar­tís­ti­ca, quais são as gran­des ins­pi­ra­ções? Lem­bra-se de pre­sen­ci­ar um mo­men­to es­pe­cí­fi­co, um fil­me, uma pe­ça de te­a­tro, ou­vir um dis­cur­so ou vi­si­tar um mu­seu, al­go que te­nha al­te­ra­do de vez a es­tru­tu­ra da pes­soa que é ago­ra? Dou co­mi­go, fre­quen­te­men­te, ins­pi­ra­da pe­la ar­te. Não im­por­ta o for­ma­to. Po­de ser uma can­ção ou qual­quer ti­po de mú­si­ca, um fil­me es­pan­to­so, um qua­dro, uma pin­tu­ra, um pas­so de dan­ça. Ou ou­tra coi­sa qual­quer que eu nun­ca, nem a so­nhar, se­ria ca­paz de fa­zer fi­si­ca­men­te. Al­go con­cre­to? As­sim de re­pen­te só me lem­bro de uma fra­se do Da­lai La­ma: “a trai­ção sen­ti­da mais in­ti­ma­men­te só po­de ser cu­ra­da pe­lo per­dão mais sin­ce­ro”. Nes­te mo­men­to, por cau­sa da ju­ven­tu­de, be­le­za, talento e pré­mi­os acu- mu­la­dos, a Jen­ni­fer é a atriz mais co­nhe­ci­da do mun­do. Di­ga-me: co­mo re­a­ge pe­ran­te a fa­ma dos ou­tros? Dá con­si­go pa­ra­li­sa­da de ex­ci­ta­ção quan­do lhe apa­re­ce uma ce­le­bri­da­de pe­la fren­te? Não creio que se­ja bom pa­ra a mi­nha es­ta­bi­li­da­de psí­qui­ca ab­sor­ver a re­a­li­da­de des­sa ma­nei­ra. Es­tou nes­ta pro­fis­são por­que ado­ro re­pre­sen­tar. Gos­to de fa­zer o fil­me, de fa­lar de­le, de o pro­mo­ver, de tra­ba­lhar com ou­tras pes­so­as a con­tar uma his­tó­ria, mas de­pois vou pa­ra ca­sa e sou ape­nas mais uma pes­soa nes­te mun­do. Não li­do com a re­a­li­da­de de ou­tra ma­nei­ra. Não da­ria bom re­sul­ta­do, de ou­tra ma­nei­ra. Quan­do foi a úl­ti­ma vez que al­guém a dei­xou bo­qui­a­ber­ta? Quan­do a Lor­de me foi vi­si­tar a ca­sa. Quan­do sai à rua, fi­ca imo­bi­li­za­da pe­la mul­ti­dão de fãs? Ou nem se­quer sai á rua? Ten­to le­var uma vi­da nor­mal. Ain­da há di­as es­ta­va ao vo­lan­te do car­ro e, ao pas­sar por uma lo­ja, pen­sei: “Es­tou mes­mo a pre­ci­sar de uns tup­perwa­res”. En­trei e com­prei. No­tei que a mi­nha pre­sen­ça trou­xe uma cer­ta per­tur­ba­ção ao es­pa­ço. Hou­ve quem apon­tas­se. Mas cor­reu tu­do bem. Há um pon­to em que nos ha­bi­tu­a­mos ao gri­ti­nho de sur­pre­sa que as pes­so­as sol­tam quan­do as por­tas do ele­va­dor se abrem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.