Azul, bran­co e ver­me­lho

Metro Portugal (Lisbon) - - LAZER -

Nun­ca fui pa­trió­ti­co, tan­to por Fran­ça,/On­de os meus pais me ti­ve­ram co­mo es­pe­ran­ça,/Tan­to co­mo Por­tu­gal, on­de ago­ra/Re­si­do nes­ta tris­te ho­ra... Mas a mi­nha ca­ne­ta que cho­ra tin­ta “azul”,/Pa­ra pre­en­cher es­ta fo­lha “bran­ca”,/Pe­lo san­gue der­ra­ma­do que é igual a to­dos nós, “ver­me­lho”... Com um não, oh não... não!!/Di­go eu, di­ze­mos nós,/Um aper­to na gar­gan­ta, no co­ra­ção.../Co­mo se a im­pe­ra­ti­vi­da­de da nos­sa voz,/ /Mis­tu­ra­do com um de­ses­pe­ro que não quer acre­di­tar,/Na emi­nên­cia do que se es­tá a pre­sen­ci­ar,/Pu­des­se al­gu­ma coi­sa mu­dar... A hu­ma­na cru­el­da­de,/Nun­ca me dei­xa de es­pan­tar,/Mas es­pe­ro que a Paz e a li­ber­da­de,/En­con­trem o ca­mi­nho pa­ra a der­ro­tar...//Por­que às ve­zes sin­to que não per­ten­ço a es­te mun­do...

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.