Fo­to­gra­fia. Des­co­briu-se fo­tó­gra­fa na pri­mei­ra vi­si­ta à Áfri­ca ne­gra (já co­nhe­cia a Tunísia). Des­de en­tão, foi à Nigéria, Tan­zâ­nia, Ma­lawi e ou­tros paí­ses. O re­sul­ta­do é “Afri­ca – The Bright Si­de of The Earth”, li­vro com pre­fá­cio de Mia Cou­to que re­tra­ta

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS - RUI ALE­XAN­DRE CO­E­LHO

Es­tas fo­tos só po­di­am mes­mo ser da Ma­ria Ma­ria Pereira dos San­tos é me­ni­na pa­ra já ter vi­a­ja­do de com­boio pe­la Eu­ro­pa com 200 eu­ros no bol­so. É do ti­po de con­se­guir o que quer.

Daí que te­nha con­se­gui­do uma me­sa na re­ca­ta­da zo­na de res­tau­ra­ção do ca­fé on­de en­trá­mos pa­ra es­ta en­tre­vis­ta. Is­to ape­sar de ter­mos pe­di­do um ca­fé ex­pres­so e um chá, o que nor­mal­men­te va­le­ria uma me­sa per­to do bal­cão, e do ruí­do. A ver­da­de é que o em­pre­ga­do de me­sa não re­sis­tiu ao ar tra­qui­na de Ma­ria. Nem ele nem as pes­so­as que es­ta autora de­bu­tan­te por­tu­gue­sa, de 30 anos, tem abor­da­do nos paí­ses que vi­si­tou des­de 2010 – abor­da­gens que re­sul­ta­ram em re­tra­tos que vão dar um li­vro só com aven­tu­ras em Áfri­ca – se tu­do cor­rer bem (ver le­gen­da) a edi­ção acon­te­ce an­tes do Na­tal.

O se­gre­do de Ma­ria en­quan­to fo­tó­gra­fa é o seu sor­ri­so. “Fa­ço sem­pre uma abor­da­gem an­tes de ti­rar uma fo­to e sou sim­pá­ti­ca. Rio-me mui­to. Quan­do as pes­so­as ri­em, é co­mum a res­pos­ta ser igual.”

Des­pre­ten­si­o­sa, con­fes­sa que se tor­nou fo­tó­gra­fa por aca­so. No iní­cio de 2010 foi pa­ra Mo­çam­bi­que fa­zer vo­lun­ta­ri­a­do. Uma vez lá, co­me­çou a ti­rar fo­to­gra­fi­as pa­ra ocu­par o tem­po li­vre. “Com­prei a má­qui­na um dia an­tes de vi­a­jar. Não per­ce­bia na­da do as­sun­to.” Ti­rou re­tra­tos. Com­pul­si­va­men­te. “O que gos­ta­va era do con­tac­to com as pes­so­as e de con­se­guir uma fo­to­gra­fia que mais nin­guém con­se­gue. A re­la­ção es­tá na fo­to­gra­fia.”

No li­vro “Afri­ca – The Bright Si­de of the Earth”, ve­mos ros­tos de Mo­çam­bi­que, mas tam­bém da Nigéria, Tan­zâ­nia, Ma­lawi, Namíbia ou Áfri­ca do Sul. Ma­ria con­vi­veu com o lado “ale­gre e ge­ne­ro­so” dos afri­ca­nos, ain­da mais vi­sí­vel no in­te­ri­or – “fa­mí­li­as sem di­nhei­ro, que pre­pa- ram um jan­tar com água, fa­ri­nha e açú­car e con­vi­dam-te pa­ra o di­vi­dir.” Um lado de Áfri­ca que, la­men­ta, ra­ra­men­te sur­ge nas no­tí­ci­as e na li­te­ra­tu­ra: “O fo­co é a mi­sé­ria, cor­rup­ção e a vi­o­lên­cia – o dra­ma cha­ma mais”, no­ta.

Pois bem, nes­te li­vro não há dra­ma. Há uma miú­da de Mo­çam­bi­que, es­pé­cie de mi­ni Na­o­mi Camp­bell que só gar­ga­lha­va en­quan­to po­sa­va; ou um se­gu­ran­ça ni­ge­ri­a­no que pri­mei­ro es­con­deu-se atrás de uma por­ta, en­ver­go­nha­do, mas de­pois pôs um ar cool, ócu­los de sol e tu­do, pa­ra en­fren­tar a ob­je­ti­va de Ma­ria. De res­to, a Nigéria foi um dos paí­ses que mais ca­ti­vou a autora. “Ado­rei, as pes­so­as têm uma ra­ça... ima­gi­ne, co­mo o Sá Pin­to que jo­gou no Spor­ting, es­tá a ver? Até po­dia não ser o me­lhor, mas ia lá com tu­do. Os ni­ge­ri­a­nos têm is­so”, diz Ma­ria. E Ma­ria tam­bém, di­ze­mos nós.

© FO­TOS MA­RIA PEREIRA DOS SAN­TOS

Mais de 90% do ob­je­ti­vo da cam­pa­nha de “crowd­fun­ding” (7.900 eu­ros) pa­ra fi­nan­ci­ar a edi­ção do li­vro es­tá al­can­ça­do... a ape­nas cin­co di­as do fim do pra­zo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.