“Fal­lout 4”, se­nhor de sua ca­sa

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - VAN­DO ENES

“Wel­co­me Ho­me”. Foi as­sim que a Bethes­da apre­sen­tou “Fal­lout 4” nos seus trai­lers, e de fac­to che­ga­mos a ca­sa. Es­te é o re­tor­no à Was­te­land, ao va­gue­ar in­ces­san­te por um mun­do de­vas­ta­do por bom­bas ató­mi­cas, re­ple­to de ini­mi­gos im­pla­cá­veis e, é cla­ro, de pos­sí­veis ali­a­dos. Mas o slo­gan não é ape­nas uma fra­se fei­ta, por­que, à ex­ce­ção da gu­er­ra, al­gu­mas coi­sas mu­dam em “Fal­lout 4”. Cru­za­mos Bos­ton de um lado a ou­tro co­mo nos ve­lhos tem­pos, mas ao con­trá­rio do no­ma­dis­mo de jo­gos pas­sa­dos, des­ta vez dão- nos as fer­ra­men­tas pa­ra cri­ar o nos­so pró­prio can­to no mun­do. On­de é pos­sí­vel dar abri­go, for­ne­cer man­ti­men­tos e pro­te­ção àque­les que se quei­ram jun­tar à nos­sa cau­sa. De uma for­ma cla­ra­men­te ins­pi­ra­da por jo­gos co­mo “Mi­ne­craft” ou “Rust”, exis­te ago­ra um sis­te­ma de cri­a­ção, em que to­do o li­xo que en­con­tra­mos pe­la Was­te­land se po­de trans­for­mar em re­cur­sos es­sen­ci­ais pa­ra a cons­tru­ção de ca­sas, quin­tas, ge­ra­do­res de ener­gia, ar­ma­di­lhas con­tra sa­que­a­do­res ou até pa­ra dar vi­da ao nos­so lar com al­gu­ma de­co­ra­ção. Mas as al­te­ra­ções não se fi­cam por aqui, e po­de­mos tam­bém per­so­na­li­zar as nos­sas ar­mas e ar­ma­du­ras, des­de adi­ci­o­nar uma mi­ra de lon­go al­can­ce à nos­sa pis­to­la até ao acol­cho­a­men­to das jo­e­lhei­ras. Fi­quem aten­tos ao nos­so site pa­ra a crí­ti­ca a “Fal­lout 4”, que che­ga­rá em bre­ve, e es­prei­tem o “un­bo­xing” que fi­ze­mos da edi­ção de co­le­ci­o­na­dor “Pip-Boy Edi­ti­on”, já dis­po­ní­vel no nos­so ca­nal de You­Tu­be.

Par­ce­ria ME­TRO com

sa­la­o­de­jo­gos.net

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.