CAR­MI­NHO CE­LE­BRAR O “CAN­TO”

Apa­nhá­mos a fa­dis­ta às 8h no ae­ro­por­to de Se­at­tle, EUA. Em Lis­boa, do ou­tro lado do te­le­fo­ne, eram 17h. Sex­ta-fei­ra vol­ta a “ca­sa” e atua no Cam­po Pe­que­no.

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - BRU­NO MAR­TINS

Mes­mo es­tan­do tão lon­ge de Por­tu­gal, co­mo é que es­tá a cor­rer a pre­pa­ra­ção pa­ra o con­cer­to de sex­ta-fei­ra no Cam­po Pe­que­no? Es­te con­cer­to é uma ce­le­bra­ção do pri­mei­ro ano de es­tra­da do meu dis­co. É um dis­co que já tem mui­ta ro­da­gem, com que já fi­ze­mos mui­tos con­cer­tos. E quis de­vol­ver es­te dis­co, já mais ma­du­ro, à mi­nha ci­da­de e às pes­so­as que me acom­pa­nham des­de sem­pre, que me vi­ram nas­cer, me aju­dam a cres­cer. Não só os ami­gos mais pessoais, mas tam­bém as pes­so­as que acom­pa­nham o meu per­cur­so. E acon­te­ce no Dia Mun­di­al do Fa­do! É mais uma ce­le­bra­ção. E lo­go no co­ra­ção da ci­da­de, num sí­tio tão em­ble­má­ti­co, tão tra­di­ci­o­nal. Fi­co mui­to or­gu­lho­sa de po­der reu­nir to­das es­tas ver­ten­tes num con­cer­to que é ba­se­a­do no dis­co “Can­to”, mas que reú­ne um bo­ca­di­nho de tu­do o que te­nho fei­to nos três dis­cos, as mi­nhas es­co­lhas mais pessoais. Di­gres­sões, con­cer­tos são eta­pas que aju­dam as can­ções a cres­cer? Tam­bém os nos­sos en­sai­os, a nos­sa for­ça co­mo gru­po e co­mo ban­da. Ga­nha­mos uma cum­pli­ci­da­de, uma ami­za­de e uma for­ça que se re­vê em pal­co. Já ten­do o ali­nha­men­to do Cam­po Pe­que­no de­fi­ni­do, es­tar ago­ra em di­gres­são é qua­se co­mo um es­tá­gio: to­dos jun­tos, a tro­car idei­as es­pon­ta­ne­a­men­te. Um ano de­pois do lan­ça­men­to do dis­co, co­mo vê a re­ce­ção dos fãs? Por um lado, as pes­so­as fi­cam na ex­pe­ta­ti­va de con­ti­nu­ar a ou­vir a Car­mi­nho que se ha­bi­tu­a­ram a ou­vir, mas por ou­tro à es­pe­ra do pró­xi­mo pas­so. Mas va­mos sem­pre mu­dan­do e es­te ál­bum re­pre­sen­ta o con­ti­nu­ar das nos­sas his­tó­ri­as. “Can­to” pa­re­ce e é, na ver­da­de, um dis­co mais aber­to – em ter­mos de ins­tru­men­ta­ção, de ar­ran­jo. Mas a ori­gem es­tá to­da na mú­si­ca tra­di­ci­o­nal por­tu­gue­sa, não só no fa­do – que é a mi­nha lin­gua­gem mu­si­cal –, mas tam­bém em des­co­ber­tas que fui fa­zen­do em análise pró­pria. Vi­vi mui­tos anos no Al­gar­ve e fa­zía­mos mui­tas vi­a­gens de car­ro em que a mi­nha mãe nos en­si­na­va vá­ri­as can­ções do can­ci­o­nei­ro po­pu­lar por­tu­guês. E, de re­pen­te, aper­ce­bo-me que há ins­tru­men­tos que tam­bém es­tão no meu uni­ver­so mu­si­cal, co­mo o ca­va­qui­nho, o adu­fe ou o acór­deão. São des­co­ber­tas que acon­te­cem nu­ma au­to­a­ná­li­se an­tes de gra­var o dis­co ou de que se aper­ce­be de­pois? Acon­te­cem as du­as coi­sas. Al­gu­mas coi­sas no­to que es­tão ali e por is­so to­mo a de­ci­são de se­guir es­se ca­mi­nho. Mas tam­bém acon­te­ce o con­trá­rio: olhar pa­ra o dis­co e per­ce­ber que cres­ci e ser uma re­fle­xão à pos­te­ri­o­ri. Tam­bém é bom: de­mons­tra a au­ten­ti­ci­da­de, o não ha­ver um cal­cu­lis­mo que amar­re a cri­a­ção e o dis­co. A obra tem que ser sem­pre mai­or que o obrei­ro, e es­ta­mos cá pa­ra ser­vir o dom que nos foi da­do. Às ve­zes acon­te­ce es­sa lu­ta en­tre o ar­tis­ta e a pró­pria obra e daí o di­le­ma de dei­tar fo­ra can­ções e le­tras que acha­mos que não são bo­as. So­mos nós a achar que já so­mos ca­pa­zes!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.