“Há mais iro­nia na vi­da re­al do que nos tra­ba­lhos de ficção”

7ª ar­te. Ste­ven Spi­el­berg vol­ta a reu­nir-se com Tom Hanks no seu mais re­cen­te fil­me, “A Pon­te dos Es­piões”. A his­tó­ria de um ad­vo­ga­do na Gu­er­ra Fria en­car­re­ga­do de ne­go­ci­ar a li­ber­ta­ção de um pi­lo­to nor­te-ame­ri­ca­no de­ti­do na URSS.

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - JOHN-MI­GUEL SA­CRA­MEN­TO

Ste­ven Spi­el­berg sa­be­rá mais do que mui­tos. Des­de ga­ro­to que an­da nis­to da ima­gem em mo­vi­men­to, ata­do à su­per 8 ten­tan­do a per­ce­ber co­mo trans­for­mar a pe­lí­cu­la no me­lhor ami­go que con­ta as his­tó­ri­as mais in­crí­veis. Uma das coi­sas que já de­du­ziu há mui­to, pe­lo me­nos des­de “Um As­sas­si­no pe­las Cos­tas”, é que as his­tó­ri­as de gran­de pú­bli­co re­du­zem-se a umas qu­an­tas fór­mu­las. A que ele tem ex­plo­ra­do com ca­ri­nho é a fá­bu­la do ho­mem in­sus­pei­to que, pe­ran­te cir­cuns­tân­ci­as que nem Deus se­ria ca­paz de re­sol­ver, con­se­gue sair sal­vo e dan­do li­ção mo­ral a quem qui­ser apren­der. Ste­ven, o ide­a­lis­ta, ado­ra a fór­mu­la David con­tra Go­li­as, sen­do que o ce­ná­rio é sem­pre o apo­ca­lip­se. Des­ta vez, em “A Pon­te dos Es­piões”, pe­gou nu­ma his­tó­ria da Gu­er­ra Fria, fi­nais dos anos 50, quan­do Ber­lim co­me­çou a cons­truir o mu­ro e a ca­tás­tro­fe nu­cle­ar anun­ci­a­da por Washington e Mos­co­vo pa­re­cia inevitável. En­tra Tom Hanks a fa­zer de ad­vo­ga­do res­pei­ta­do e es­pe­ci­a­li­za­do em se­gu­ros, Ja­mes Do­no­van, me­di­dor jus­to das mais-va­li­as hu­ma­nas e aqui en­car­re­ga­do, por or­dem do go­ver­no, de de­fen­der um es­pião rus­so va­li­o­sís­si­mo apre­en­di­do em No­va Ior­que. Um peão no imen­so xa­drez glo­bal, fa­tal. A re­cons­ti­tui­ção de épo­ca é no­tá­vel, as­sen­te em twe­eds de ou­to­no e cor­tes clás­si­cos de ca­be­lo lem­bran­do as fan­ta­si­as Nor­man Rockwell de um país que já foi per­fei­to, ser­vin­do a com­po­si­ção pa­ra du­pli­car a vi­ta­mi­na for­ta­le­ce­do­ra que Spi­el­berg gos­ta de ad­mi­nis­trar: sim, os mi­la­gres tam­bém são pos­sí­veis gra­ças a um in­di­ví­duo anó­ni­mo, mas tem de ha­ver prin­cí­pio, ide­al e co­ra­gem. O me­tro foi ou­vir o orá­cu­lo. Pa­ra dar ca­ra, es­pí­ri­to e boa von­ta­de às su­as sa­gas exis­ten­ci­ais, o que o le­va a es­co­lher o Tom Hanks? O fac­to de ele ser – e aqui a afir­ma­ção nem se­quer acho que se­ja dis­cu­tí­vel – um

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.