Fo­co

Metro Portugal (Lisbon) - - CINEMA -

“Era im­por­tan­te mos­trar a per­so­na­gem do ad­vo­ga­do nu­ma his­tó­ria que en­vol­ve o gé­ne­ro da es­pi­o­na­gem, de co­mo vai sal­var du­as vi­das sem nun­ca des­cu­rar cui­da­dos que o sis­te­ma le­gal re­ser­va ao ini­mi­go” dos me­lho­res ato­res do mun­do. Po­der tra­ba­lhar com ele e com o Mark Ry­lan­ce foi uma bên­ção que pro­te­geu to­do es­te meu es­for­ço. Já tra­ba­lhei com ele em qua­tro fil­mes e du­as sé­ri­es de te­le­vi­são. Mas a ami­za­de nem se­quer vem daí só: éra­mos ami­gos an­tes das nos­sas co­la­bo­ra­ções. Além dis­so, é pa­dri­nho de um dos meus fi­lhos. A ques­tão es­ta­va em sa­ber se iría­mos con­se­guir ser ami­gos, mas tam­bém co­le­gas no lo­cal de em­pre­go. Pe­la mi­nha par­te ti­nha me­do que, uma vez ter­mi­na­do o tra­ba­lho, não con­se­guís­se­mos vol­tar a for­ta­le­cer a ami­za­de que sen­ti­mos um pe­lo ou­tro, is­to por­que nem sem­pre te­mos a mes­ma ideia so­bre co­mo me­lhor in­ter­pre­tar cer­tos mo­men­tos – ou, até, que rit­mo to­do um fil­me de­ve ter. Mas nun­ca hou­ve dis­cór­dia. Quer di­zer: par­ti­lha­mos o mes­mo ti­po de cé­re­bro. O es­pião ame­ri­ca­no e o es­pião so­vié­ti­co são sub­me­ti­dos a tra­ta­men­tos mui­to di­fe­ren­tes. Que des­co­briu so­bre o as­sun­to du­ran­te a in­ves­ti­ga­ção dos fac­tos? Sei que o Gary Powers só foi tor­tu­ra­do com a téc­ni­ca da pri­va­ção do so­no, que é mui­tís­si­mo efe­ti­va. Acor­da­vam-no sem­pre com água na ca­ra lo­go que ten­ta­va re­pa­rar o dé­fi­ce de des­can­so men­tal. Uma das mai­o­res in­jus­ti­ças que sin­to fa­ce ao Gary Powers foi que re­ce­beu a gló­ria ne­ces­sá­ria uma vez de­vol­vi­do à pá­tria. As hon­ras de gu­er­ra só fo­ram atri­buí­das mui­to tar­de, quan­do ele já es­ta­va fa­le­ci­do no se­gui­men­to de um aci­den­te de he­li­cóp­te­ro du­ran­te um tra­ba­lho de re­por­ta­gem que fa­zia pa­ra a NBC. Mas fa­lei com o fi­lho e con­se­gui­mos mui­ta in­for­ma­ção va­li­o­sa ao lon­go da in­ves­ti­ga­ção. Que re­la­ção man­ti­nha com es­te gé­ne­ro de his­tó­ri­as, a aven­tu­ra de es­piões? O fil­me “O Es­pião Que Veio do Frio” é um dos meus fil­mes pre­fe­ri­dos de sem­pre. De­pois há to­dos os fil­mes do Ja­mes Bond, que tam­bém fa­lam de es­pi­o­na­gem. Pa­ra mim, o im­por­tan­te era mos­trar a per­so­na­gem do ad­vo­ga­do nu­ma his­tó­ria que en­vol­ve tam­bém o gé­ne­ro fíl­mi­co da es­pi­o­na­gem, de co­mo ele vai sal­var du­as vi­das sem nun­ca des­cu­rar os cui­da­dos que o sis­te­ma le­gal re­ser­va ao ini­mi­go.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.