Con­su­mo de car­ne cai 5% num só mês

Na­ci­o­nal. Im­pac­to da di­vul­ga­ção do es­tu­do re­cen­te da OMS po­de­rá es­tar na ori­gem da di­mi­nui­ção. Va­ca e por­co ca­da vez me­nos con­su­mi­dos no País, ao con­trá­rio das aves

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA -

“O im­pac­to da di­vul­ga­ção do es­tu­do da OMS jun­to das em­pre­sas nos­sas as­so­ci­a­das re­sul­tou nu­ma re­du­ção das ven­das de cer­ca de 5%, até à da­ta”, re­fe­riu à Lusa fon­te ofi­ci­al da As­so­ci­a­ção Por­tu­gue­sa dos In­dus­tri­ais de Car­ne. De re­cor­dar que o re­la­tó­rio da Agên­cia In­ter­na­ci­o­nal pa­ra a In­ves­ti­ga­ção so­bre o Can­cro (agên­cia que de­pen­de da OMS) apon­ta­va a car­ne pro­ces­sa­da – co­mo ba­con, sal­si­chas ou pre­sun­to – co­mo can­ce­rí­ge­na pa­ra os se­res hu­ma­nos. O mes­mo do­cu­men­to aler­tou que a car­ne ver­me­lha tam­bém é “pro­va­vel­men­te” can­ce­rí­ge­na. O re­la­tó­rio re­fe­ria ain­da que a in­ges­tão diá­ria de 50 gra­mas de car­ne pro­ces­sa­da

© REU­TERS

Aquan­do da di­vul­ga­ção do re­la­tó­rio da OMS, a Di­re­ção-Ge­ral da Saúde con­si­de­rou que o con­su­mo de car­ne pro­ces­sa­da não é pro­ble­má­ti­co, des­de que se­ja mo­de­ra­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.