Go­ver­no de ação mo­de­ra­da

Go­ver­no. O no­vo pri­mei­ro-mi­nis­tro, An­tó­nio Cos­ta, pro­me­teu que o seu Exe­cu­ti­vo te­rá uma ação mo­de­ra­da, pau­ta­da pe­la se­re­ni­da­de, de­fen­den­do ser “tem­po de reu­nião” e não de ra­di­ca­li­za­ção.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RAQUEL MA­DU­REI­RA

An­tó­nio Cos­ta diz que a se­re­ni­da­de se­rá a pau­ta do seu Exe­cu­ti­vo. Ca­va­co tem dú­vi­das so­bre es­ta­bi­li­da­de

“Es­te é o tem­po da reu­nião. Não é de cris­pa­ção que Por­tu­gal ca­re­ce, mas sim de se­re­ni­da­de. Não é al­tu­ra de sal­gar as fe­ri­das, mas sim de sa­rá-las”, dis­se An­tó­nio Cos­ta na par­te fi­nal do seu dis­cur­so, após o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca o ter em­pos­sa­do pri­mei­ro-mi­nis­tro do XXI Go­ver­no Cons­ti­tu­ci­o­nal, nu­ma ce­ri­mó­nia no Pa­lá­cio da Aju­da, em Lis­boa.

Num ape­lo a uma pa­ci­fi­ca­ção da vi­da po­lí­ti­ca na­ci­o­nal e com os mem­bros do Go­ver­no ces­san­te PSD/CDS-PP a es­cu­tá-lo, o se­cre­tá­rio-ge­ral do PS afir­mou: “O bom con­se­lhei­ro des­ta ho­ra não é o des­pei­to ou o des­for­ço, mas a de­ter­mi­na­ção em mo­bi­li­zar as von­ta­des pa­ra ven­cer­mos os de­sa­fi­os que te­mos pe­la fren­te.” An­tó­nio Cos­ta de­fen­deu de­pois a te­se de que Por­tu­gal não pro­gri­de “com ra­di­ca­li­za­ções” e pro­me­teu que “a con­du­ta do XXI Go­ver­no pau­tar-se-á pe­la mo­de­ra­ção”.

An­tó­nio Cos­ta sa­li­en­tou ain­da que o lu­gar de Por­tu­gal é “na UE e na Zo­na Eu­ro, na Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP) e na gran­de li­ga­ção atlân­ti­ca, in­cluin­do na Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (NATO)”. “Por­tu­gal afir­ma-se em to­dos es­tes do­mí­ni­os atra­vés das co­mu­ni­da­des por­tu­gue­sas es­pa­lha­das pe­lo mun­do, da qua­li­da­de da sua di­plo­ma­cia, bem co­mo na co­o­pe­ra­ção pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to e na se­gu­ran­ça co­o­pe­ra­ti­va, de­sig­na­da­men­te atra­vés das For­ças Ar­ma­das”, su­bli­nhou.

Na to­ma­da de pos­se do no­vo Go­ver­no, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca afir­mou ter ain­da al­gu­mas dú­vi­das sus­ci­ta­das nos acor­dos subs­cri­tos por PS, BE, PCP e PEV. “Os re­fe­ri­dos do­cu­men­tos são omis­sos quan­to a

“Jul­go ser meu de­ver, e de­ver do Go­ver­no que li­de­ro, cen­trar-me no que lhe é exi­gi­do ho­je pa­ra cons­truir­mos o fu­tu­ro” An­tó­nio Cos­ta Pri­mei­ro-mi­nis­tro

al­guns pon­tos es­sen­ci­ais à es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca e à du­ra­bi­li­da­de do Go­ver­no, sus­ci­tan­do ques­tões que, ape­sar dos es­for­ços de­sen­vol­vi­dos, não fo­ram to­tal­men­te dis­si­pa­das”, dis­se Aní­bal Ca­va­co Sil­va.

Su­bli­nhan­do que o XXI Go­ver­no Cons­ti­tu­ci­o­nal re­sul­ta de “uma so­lu­ção iné­di­ta” na de­mo­cra­cia por­tu­gue­sa, Ca­va­co Sil­va no­tou que exis­te uma mai­o­ria par­la­men­tar que se com­pro­me­teu a não in­vi­a­bi­li­zar a en­tra­da em fun­ções de um no­vo Exe­cu­ti­vo, “o que con­fe­re às for­ças po­lí­ti­cas en­vol­vi­das a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo Go­ver­no que ho­je [on­tem] é em­pos­sa­do”.

Dú­vi­das e res­pon­sa­bi­li­da­des à par­te, Ca­va­co pro­me­teu “le­al­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal” ao Go­ver­no, mas ad­ver­tiu que não ab­di­ca­rá dos po­de­res que a Cons­ti­tui­ção lhe con­fe­re e que tu­do fa­rá pa­ra que Por­tu­gal man­te­nha a tra­je­tó­ria de cres­ci­men­to, lem­bran­do que tem “le­gi­ti­mi­da­de pró­pria que ad­vém de ter si­do elei­to por su­frá­gio uni­ver­sal e di­re­to dos por­tu­gue­ses”.

JOÃO REL­VAS/LUSA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.