Re­a­li­da­de pre­cá­ria

Em­pre­go. O tra­ba­lho do­més­ti­co “con­ti­nua a ser uma re­a­li­da­de pre­cá­ria e pou­co pro­te­gi­da do pon­to de vis­ta dos di­rei­tos so­ci­ais”, lê-se num es­tu­do re­cen­te da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA -

Mai­o­ria do tra­ba­lho do­més­ti­co é re­mu­ne­ra­do sem va­lor cer­to e só com con­tra­tos ver­bais

O tra­ba­lho do­més­ti­co em Por­tu­gal é con­si­de­ra­do “co­mo ou­tro qual­quer”, mas a mai­o­ria dos em­pre­ga­dos tem ape­nas con­tra­tos de tra­ba­lho ver­bais e nun­ca sa­be ao cer­to qual se­rá o seu sa­lá­rio. O inqué­ri­to foi re­a­li­za­do por uma equi­pa da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca – Cen­tro de Es­tu­dos e Son­da­gens de Opi­nião (CESOP) jun­to de 300 re­si­den­tes nas áre­as me­tro­po­li­ta­nas de Lis­boa e do Por­to e que em­pre­gam em ca­sa pe­lo me­nos uma pes­soa pa­ra a re­a­li­za­ção das ta­re­fas do­més­ti­cas.

O es­tu­do re­ve­la que es­tes in­di­ví­du­os “tra­ba­lha­ram ape­nas 15 ho­ras por semana ou me­nos (82% dos ca­sos), são pa­gos em di­nhei­ro e ape- nas me­ta­de re­ce­be o or­de­na­do no fi­nal do mês. Em 22% dos ca­sos, re­ce­bem no dia em que tra­ba­lham e 25% re­ce­bem ao fi­nal da semana”. O es­tu­do re­ve­la ain­da que 92% dos in­qui­ri­dos con­si­de­ram que “o ser­vi­ço do­més­ti­co é um tra­ba­lho co­mo ou­tro qual­quer”.

Em Por­tu­gal, o tra­ba­lho do­més­ti­co é ha­bi­tu­al­men­te fei­to por mu­lhe­res, por­tu­gue­sas, com mais de 45 anos, sem qual­quer ti­po de con­tra­to de tra­ba­lho ou ape­nas um con­tra­to ver­bal (74%). Na gran­de mai­o­ria dos ca­sos, o or­de­na­do tem em con­ta “a ho­ra de tra­ba­lho”, o que “po­de ser be­né­fi­co pa­ra os tra­ba­lha­do­res nos me­ses em que fa­zem mais ho­ras, mas de for­ma ge­ral re­ve­la uma mai­or pre­ca­ri­e­da­de re­mu­ne­ra­tó­ria e la­bo­ral, pois o tra­ba­lha­dor nun­ca sa­be ao cer­to qu­an­tas ho­ras vai fa­zer na­que­le mês e quan­to irá re­ce­ber”, lê-se no es­tu­do.

123RF

Pa­ra 35% é in­di­fe­ren­te se o “con­tra­ta­do é ho­mem ou mu­lher”. Já 52% dis­cor­dam de for­ma ex­pres­si­va des­sa pos­si­bi­li­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.