“Mou­ra” é o no­vo dis­co de Ana, uma fa­dis­ta sem me­do de ar­ris­car

“Mou­ra” che­ga ho­je às lo­jas e é o ál­bum que mos­tra que a can­to­ra não tem me­do de ar­ris­car no fa­do. Fá-lo com sa­be­do­ria e cons­ci­ên­cia, ten­do a sua voz rou­ca e ne­gra co­mo guia.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

“OS DIS­COS SÃO CA­DA VEZ MAIS MEUS” “Há quem me di­ga que a mi­nha voz es­tá ca­da vez mais ne­gra, mais pro­fun­da e en­cor­pa­da. Tam­bém já es­ti­ve a com­pa­rar e es­tá di­fe­ren­te!”

Es­te é o seu sex­to dis­co de ori­gi­nais. Co­mo é que en­ca­ra o de­sa­fio de cons­tru­ção de um no­vo tra­ba­lho? Tem que lu­tar con­tra a ideia de que já é al­go nor­mal e pro­cu­ra com­pli­car pre­ci­sa­men­te pa­ra com­ba­ter is­so? Não sin­to nem res­pon­sa­bi­li­da­de nem fa­ci­li­da­de. Fui com­ple­ta­men­te na cor­ren­te: os com­po­si­to­res co­me­ça­ram a ofe­re­cer-me mú­si­cas e a ou­tros fui pe­din­do – co­mo o Sa­mu­el Úria ou o Jorge Cruz. E quan­do as coi­sas co­me­ça­ram a che­gar, fui pla­ne­an­do o dis­co. Mas ti­nha uma pre­o­cu­pa­ção­zi­nha: não que­ria que es­te dis­co fos­se um “Des­fa­do 2”. Ex­pe­ri­men­tei a li­ber­da­de de po­der fa­zer uma coi­sa di­fe­ren­te, por ter gra­va­do com ou­tro pro­du­tor. E o fac­to de re­pe­tir o tra­ba­lho co­mo Lar­ry Klein dei­xa­va-me um bo­ca­di­nho apre­en­si­va – não pe­lo tra­ba­lho de­le, mas por­que que­ria al­go ver­da­dei­ra­men­te di­fe­ren­te. E que tal? Creio que con­se­gui­mos is­so. Pas­sei-lhe a mi­nha pre­o­cu­pa­ção e ele pró­prio tam­bém que­ria is­so: ex­plo­rar al­gu­mas coi­sas de que fa­lá­mos no “Des­fa­do” e aca­bá­mos por não fa­zer. Es­se dis­co an­te­ri­or era tam­bém mui­to mais cru. Mais tra­di­ci­o­nal? Sim. Es­te “Mou­ra” é um dis­co mui­to mais ela­bo­ra­do. Tem ou­tros ins­tru­men­tos, por exem­plo, gui­tar­ras elé­tri­cas, que ain­da não ti­nham si­do usa­das. E ar­ris­cá­mos a ex­plo­rar no­vas so­no­ri­da­des: re­am­pli­fi­cá­mos a gui­tar­ra por­tu­gue­sa com am­pli­fi­ca­do­res de gui­tar­ras elé­tri­cas e por is­so é que tem um som tão pe­cu­li­ar. São so­no­ri­da­des que não es­tão na ba­se prin­ci­pal do dis­co, mas que são sal­pi­cos que mar­cam a di­fe­ren­ça. Fo­ram idei­as su­as ou do Lar­ry? Já tí­nha­mos fa­la­do dis­so, mas não nos ar­ris­cá­mos tan­to. Ago­ra, quan­do co­me­çá­mos a tra­ba­lhar, achá­mos que po­de­ria fi­car gi­ro e eu co­me­cei a fi­car apai­xo­na­da pe­las idei­as de­le. Creio que a Ana mar­ca uma di­fe­ren­ça mui­to gran­de tam­bém na par­te poé­ti­ca: “re­cru­ta” com­po­si­to­res e es­cri­to­res de can­ções da sua ge­ra­ção. E sem dú­vi­da que as­sim atu­a­li­za as su­as can­ções e o seu fa­do. Exa­ta­men­te. To­dos es­tes com­po­si­to­res, co­mo a Már­cia, o Ma­nel Cruz, o Mi­guel Araú­jo... to­dos eles es­cre­vem de uma for­ma bas­tan­te por­tu­gue­sa, me­lo­di­ca­men­te, com le­tras mui­to des­cri­ti­vas e atu­ais. Te­nho es­ta von­ta­de de es­tar cons­tan­te­men­te em ter­ri­tó­ri­os no­vos, pa­ra me sen­tir viva! Foi is­so que me le­vou ao con­cei­to mais es­té­ti­co do dis­co, e não tan­to te­má­ti­co. O que é que sig­ni­fi­ca o tí­tu­lo “Mou­ra”? Su­bli­nhou em mim a ideia de que a Ana é ca­da vez mais do­na da sua can­ção, que es­tá ca­da vez mais por den­tro do seu fa­do e não ape­nas no con­tex­to ge­ral do Fa­do... Is­so tam­bém acon­te­ce. Mas ofe­re­ce­ram-me du­as le­tras, uma de­las “Mou­ra En­can­ta­da”, e fui ler so­bre es­sas len­das do fol­clo­re por­tu­guês. Sei que con­ta a his­tó­ria de mu­lhe­res mui­to bo­ni­tas e en­fei­ti­ça­das pa­ra atrair os ho­mens com os seus can­ta­res. Mas per­ce­bi tam­bém que são len­das so­bre se­res que se trans­for­mam e to­mam ou­tras for­mas. Ora, ti­nha que ver com o con­cei­to que ti­nha pen­sa­do pa­ra o dis­co: a me­ta­mor­fo­se. Até foi por is­so que quis ter na ca­pa do dis­co uma bor­bo­le­ta. E achei que es­se tí­tu­lo, “Mou­ra”, fa­zia sen­ti­do. Mas, de fac­to, os dis­cos vão sen­do ca­da vez mais meus. No iní­cio, pra­ti­ca­men­te não par­ti­ci­pa­va na pro­du­ção e nos úl­ti­mos dois dis­cos dou mui­to mais idei­as em qua­se tu­do. O Lar­ry per­gun­ta sem­pre a mi­nha opi­nião, mes­mo quan­do não con­cor­da­mos, mas aca­ba­mos por che­gar sem­pre a um con­sen­so. Não sei se é pe­las téc­ni­cas de pro­du­ção, mas dei­xe-me que lhe di­ga que sen­ti um re­a­lis­mo e ho­nes­ti­da­de ain­da mai­or nes­sa sua voz rou­ca. Há pes­so­as que me di­zem que a mi­nha voz es­tá ca­da vez mais ne­gra, mais pro­fun­da e en­cor­pa­da. Tam­bém já es­ti­ve a com­pa­rar (ri­sos) e de fac­to es­tá di­fe­ren­te. Sem dú­vi­da que mu­dou!

FREDERICO MAR­TINS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.