“CO­LI­SEU É CA­SA MÍ­TI­CA”

Metro Portugal (Lisbon) - - CULTO - BRU­NO MAR­TINS

Ser no Co­li­seu do Por­to as­sus­ta? É aque­la ca­sa mí­ti­ca. Quan­do era pu­to ima­gi­na­va-me a mar­car um golo no Es­tá­dio das An­tas, dar um con­cer­to no Co­li­seu, ser o Ram­bo... ima­gi­na-se tu­do, mas ra­ci­o­nal­men­te, sa­be-se que nun­ca vai acon­te­cer. Mas ali es­ta­va eu a con­cre­ti­zar al­go que fan­ta­si­a­va quan­do era pu­to e is­so me­xeu com os ner­vos. Com a es­cri­ta de can­ções e lan­ça­men­to de dis­cos foi ven­do es­te dia a apro­xi­mar-se, não? Não... a mi­nha car­rei­ra pro­fis­si­o­nal co­me­çou com Os Azei­to­nas – que até to­ca­ram no Co­li­seu em 2013! Mas a car­rei­ra a so­lo, quan­do co­me­çou, por ser só eu e ins­tru­men­tos, de for­ma mui­to ín­ti­ma, nun­ca me pas­sou pe­la ca­be­ça ir a pal­cos tão gran­des. De re­pen­te, as coi­sas fo­ram cres­cen­do e nem deu pa­ra di­ge­rir bem es­sa ideia do Co­li­seu. Um be­lo dia, lá es­ta­va eu. Quan­do me fa­la­ram da ideia, eu até es­ta­va con­tra! Mas a coi­sa cor­reu mes­mo mui­to bem. O seu pri­mei­ro dis­co, “5 Di­as e Meio”, mos­tra-nos a fa­ce­ta a so­lo, só com os ins­tru­men­tos. O se­gun­do, “Cró­ni­cas da Ci­da­de Gran­de”, é mui­to mais re­che­a­do. Es­te con­cer­to que ago­ra re­cor­da­mos em dis­co e DVD mos­tra es­ses dois la­dos? Sim, to­quei mú­si­cas so­zi­nho, mas tam­bém com a ban­da em pal­co, mais o oc­te­to. Era o que que­ria: to­car o “Cró­ni­cas...” co­mo ele foi gra­va­do, com to­dos os ins­tru­men­tos – oboé, fa­go­te, cla­ri­ne­te, vi­o­li­no, vi­o­lon­ce­lo... E con­tou com al­guns ami­gos e con­vi­da­dos: Ana Mou­ra, An­tó­nio Zam­bu­jo, Inês Vi­ter­bo e Os Kap­pas, que são os cá fo­ra? Não. Não li­gam pu­to. Só fo­ram a es­te por­que os obri­guei. É aque­la coi­sa ti­po “Mr. Miya­gi”, em que es­tão no al­to do pe­des­tal e não li­gam ne­nhu­ma. Nem sa­bem que te­nho dis­cos (ri­sos). Pa­ra ter­mi­nar: es­ta­va a pen­sar em re­ser­var uma da­ta pa­ra fa­zer um even­to num Co­li­seu – de Lis­boa ou Por­to – em fe­ve­rei­ro. Ain­da vou en­con­trar da­tas dis­po­ní­veis ou o Mi­guel e o An­tó­nio Zam­bu­jo vão re­ser­var tu­do? É ques­tão de li­gar pa­ra lá e ver... mas é me­lhor li­gar rá­pi­do! (ri­sos) É uma sur­pre­sa mui­to gran­de. Nin­guém po­dia pre­ver uma coi­sa as­sim. Não pre­vía­mos nem en­cher uma da­ta, por­que não te­mos se­quer ne­nhum tra­ba­lho edi­ta­do em con­jun­to. É ape­nas um pa­tri­mó­nio co­mum que re­sul­ta de uma ami­za­de de lon­ga da­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.