Li­ga­ção ao mar

Metro Portugal (Lisbon) - - CINEMA -

“A mi­nha ca­sa fi­ca no li­to­ral, de fren­te pa­ra um par­que na­tu­ral. To­dos os di­as ve­jo gol­fi­nhos a sal­tar. E ba­lei­as. São ex­plo­sões de água, es­pu­ma e ale­gria ao lon­ge. Te­nho tan­ta sor­te” quan­do es­tá de­ter­mi­na­da a ul­tra­pas­sar os li­mi­tes. E ve­mos que só al­gu­mas pes­so­as con­se­guem so­bre­vi­ver às cir­cuns­tân­ci­as mais hor­rí­veis e ex­tre­mas. Per­ce­bi que só so­bre­vi­ve quem, no meio da dor, de­ci­de que ela é me­nor que o de­se­jo de re­gres­sar a ca­sa. Nes­ta aven­tu­ra, há mui­tas ques­tões fi­lo­só­fi­cas que ado­rei de­fron­tar. A ou­tra gran­de van­ta­gem do fil­me era es­ta: em­bo­ra a aven­tu­ra se pas­se nu­ma épo­ca al­go dis­tan­te, há 200 anos, o Ron ti­nha fi­nal­men­te à dis­po­si­ção o ti­po de tec­no­lo­gia pa­ra co­lo­car o es­pe­ta­dor no cen­tro dos acon­te­ci­men­tos. Há uma es­ca­la e uma adre­na­li­na nes­te per­cur­so épi­co que nun­ca ti­nha vis­to an­tes. Co­mo aus­tra­li­a­no que é, ima­gi­no que to­da aque­la água não o te­nha as­sus­ta­do… Sim, mas a mi­nha in­fân­cia foi a do sur­fis­ta tí­pi­co. Cres­ci mais den­tro de água e não tan­to num bar­co, em ci­ma da água. Que fil­mes o in­flu­en­ci­a­ram? Dê-me um mais an­ti­go e ou­tro as­sim mais re­cen­te… Achei que o “In­di­a­na Jo­nes” me deu to­da a ex­ci­ta­ção que o ci­ne­ma po­de pro­vi­den­ci­ar. Quan­do era miú­do, foi es­se ti­po de aven­tu­ra que me des­per­tou pa­ra a ar­te de re­pre­sen­tar. Mais re­cen­te­men­te des­co­bri o “Her”, com a voz da Scar­lett Johans­son, ilus­tran­do de for­ma tão vi­bran­te o mun­do em que vi­ve­mos. Gos­tei que o fil­me ti­ves­se ques­ti­o­na­do dois as­pe­tos de­ter­mi­nan­tes da exis­tên­cia: o que é ser hu­ma­no? De que ma­nei­ra a tec­no­lo­gia afe­ta o re­la­ci­o­na­men­to que man­te­mos com os ou­tros? Que re­la­ção tem com a fau­na ma­ri­nha? Se es­te fil­me ti­ves­se si­do uma apo­lo­gia da ca­ça à ba­leia, te­ria de­sis­ti­do do pro­je­to sem he­si­ta­ções. Mas não. Acho que se­gue a mi­nha li­nha de pen­sa­men­to: ca­be-nos uma res­pon­sa­bi­li­da­de enor­me em tu­do o que se re­la­ci­o­ne com o equi­lí­brio am­bi­en­tal e pro­te­ção dos oce­a­nos. A mi­nha ca­sa, na par­te nor­te da No­va Ga­les do Sul, fi­ca no li­to­ral, de fren­te pa­ra um par­que na­tu­ral. To­dos os di­as ve­jo gol­fi­nhos a sal­tar. E ba­lei­as. São ex­plo­sões de água, es­pu­ma e ale­gria ao lon­ge. Te­nho tan­ta sor­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.