“The Wit­cher III: Wild Hunt”

Metro Portugal (Lisbon) - - VIDEOJOGOS - RUI GONÇALVES

Pa­ra qual­quer fã de Ro­le-Playing Ga­mes (RPG), um dos jo­gos que não po­de­rão mes­mo per­der é “The Wit­cher 3”, de­sen­vol­vi­do pe­la CD Pro­jekt RED pa­ra PlayS­ta­ti­on 4, Xbox One e PC. A sa­ga “The Wit­cher” é uma adaptação dos li­vros de An­dr­zej Sap­kows­ki, com Ge­ralt of Ri­via co­mo per­so­na­gem prin­ci­pal, cu­jos jo­gos são pas­sa­dos de­pois dos acon­te­ci­men­tos dos li­vros. Ge­ralt ou Lo­bo Bran­co, no­me pe­lo qual tam­bém o co­nhe­cem, é o mais pres­ti­gi­a­do Bru­xo dos Rei­nos do Nor­te, de­vi­do à sua va­len­tia, in­te­li­gên­cia e ca­pa­ci­da­de de li­dar com si­tu­a­ções que ne­nhum ou­tro con­se­guiu. “The Wit­cher 3” é um jo­go de mun­do aber­to com um ma­pa gi­gan­tes­co e, pa­ra se ter uma ideia, ir de uma pon­ta à ou­tra do ma­pa, a ca­va­lo, po­de de­mo­rar en­tre 20 a 30 mi­nu­tos. O gra­fis­mo é sur­re­al, cheio de de­ta­lhes e por­me­no­res que nos dei­xam abis­ma­dos com a sua qua­li­da­de, sem fa­lar dos ví­de­os que pa­re­cem au­tên­ti­cos fil­mes. A his­tó­ria é fas­ci­nan­te, sem­pre ines­pe­ra­da, cheia de in­tri­gas, ro­man­ces e do­ta­da de um ex­ce­len­te en­re­do. Ou­tro dos pon­tos for­tes do jo­go re­si­de nas nos­sas de­ci­sões e co­mo es­tas in­flu­en­ci­am o de­sen­ro­lar de tu­do o que se pas­sa à nos­sa vol­ta, tan­to que por ve­zes, só mais à fren­te é que nos aper­ce­be­mos co­mo afe­ta­ram a his­tó­ria. A jo­ga­bi­li­da­de é ou­tro dos des­ta­ques: o con­tro­lo de Ge­ralt em to­dos os mo­men­tos do jo­go é bas­tan­te sim­ples e in­tui­ti­vo, aju­dan­do bas­tan­te, prin­ci­pal­men­te quan­do em ple­na ba­ta­lha. Com mais de 50 ho­ras de jo­go, “The Wit­cher 3” é sem dú­vi­da ne­nhu­ma um dos me­lho­res jo­gos do ano, di­ria mes­mo, o jo­go do ano.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.