UNI­VER­SOS ES­CUL­PI­DOS

“Highway Mo­on” é o pri­mei­ro lon­ga-du­ra­ção dos Best Youth

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

Já pas­sou um bom par de me­ses des­de o lan­ça­men­to do vos­so pri­mei­ro dis­co de lon­ga-du­ra­ção, “Highway Mo­on”. Co­mo tem sen­ti­do a re­a­ção do pú­bli­co a es­tas can­ções? Te­mos re­ce­bi­do ex­ce­len­te fe­ed­back do dis­co e dos sin­gles que te­mos lan­ça­do. Mas fa­ze­mos aqui­lo que nos dei­xa con­ten­tes a nós e de­pois é es­pe­rar que as pes­so­as gos­tem. Mas fi­ca­mos mui­to con­ten­tes, por­que in­ves­ti­mos mui­to tem­po nes­te dis­co: que­ría­mos que o nos­so pri­mei­ro lon­ga-du­ra­ção fos­se uma coi­sa com al­gu­ma lon­ge­vi­da­de. An­tes des­te dis­co fi­ze­ram dois tra­ba­lhos: um EP em 2012 e de­pois, em 2013, fi­ze­ram uma es­pé­cie de dis­co/EP a mei­as com os We Trust. Mas ago­ra no­ta-se uma con­sis­tên­cia mui­to mai­or. En­con­tra­ram o ca­mi­nho que es­ta­vam à pro­cu­ra? Es­se era o ob­je­ti­vo mai­or do dis­co. Eu e a Ca­ta­ri­na já tra­ba­lha­mos jun­tos há mui­to tem­po, até nou­tra ban­da an­tes, e o pri­mei­ro EP era uma es­pé­cie de en­glo­bar de vá­ri­os frag­men­tos: al­gu­mas mú­si­cas fei­tas pa­ra mim, ou­tras sem ne­nhum vo­ca­lis­ta pen­sa­do a que de­pois ela se jun­tou... não foi um tra­ba­lho pen­sa­do pa­ra os dois jun­tos. Mas a ideia era fa­zer um dis­co as­sim, em que a com­po­si­ção que fa­ria era pen­sa­da pa­ra a Ca­ta­ri­na, pa­ra a voz de­la e pa­ra o re­gis­to de­la can­tar e que no con­jun­to as du­as coi­sas fun­ci­o­nas­sem bem jun­tas. Es­tas can­ções não po­di­am ter si­do can­ta­das por ou­tra pes­soa. O tem­po de pa­ra­gem tam­bém foi pa­ra po­der ha­ver es­ta es­pé­cie de cor­te com o pas­sa­do e as­su­mi­rem uma no­va pos­tu­ra? Sim. Sou gui­tar­ris­ta de for­ma­ção, mas aqui as­su­mi­mos que es­te dis­co se­ria mai­o­ri­ta­ri­a­men­te à ba­se de sin­te­ti­za­do­res, par­tir mais de am­bi­en­tes e so­no­ri­da­des do que pro­pri­a­men­te com­po­si­ção tra­di­ci­o­nal de acor­des vin­dos de uma gui­tar­ra ou de um pi­a­no. De fac­to, sen­ti­mos que che­gá­mos a um pon­to di­fe­ren­te. A voz da Ca­ta­ri­na ade­qua-se mais ao uni­ver­so dos sin­te­ti­za­do­res e não tan­to ao das gui­tar­ras? Sim, tam­bém foi por is­so que as­su­mi­mos a mu­dan­ça. Mas a per­gun­ta é re­la­ti­va, por­que con­ti­nu­a­mos a usar gui­tar­ras. Mas sen­ti­mos que a voz da Ca­ta­ri­na pre­ci­sa de es­pa­ço e gos­to de di­zer que é o ins­tru­men­to mais bo­ni­to que te­mos a to­car no dis­co. Acho que a com­po­si­ção de­ve ser qua­se es­cul­pi­da à vol­ta de­la, acho eu, e os sin­te­ti­za­do­res per­mi­tem fa­zer is­so de me­lhor for­ma. A gui­tar­ra é uma abor­da­gem mais rít­mi­ca. E a pas­sa­gem des­tas can­ções pa­ra o pal­co? Há es­pa­ço pa­ra cres­ce­rem ain­da mais? Te­mos dois for­ma­tos di­fe­ren­tes: só eu e a Ca­ta­ri­na, mas a mai­o­ria têm si­do fei­tos com o Fer­nan­do Sou­sa e o Nuno Sa­ra­fa, com quem gra­vá­mos o dis­co. Acho que ao vi­vo as can­ções são di­fe­ren­tes: es­tão uma coi­sa mais or­gâ­ni­ca, soa mais a uma ban­da do que soa o dis­co. Cres­cem pa­ra um sí­tio di­fe­ren­te. Fi­ze­mos um dis­co bas­tan­te con­ti­do: mes­mo que fos­se to­ca­do mui­to al­to, ser sem­pre um dis­co su­a­ve. Pa­re­ce que é ao vi­vo que sol­ta­mos o dis­co: sol­ta­mos os cons­tran­gi­men­tos e abri­mos as can­ce­las! Gos­ta­mos mui­to des­ta du­a­li­da­de.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.