É a “pai­xão” que faz cor­rer João Co­la­ço

Des­por­to. Ul­tra­ma­ra­to­nis­ta por­tu­guês cor­re cen­te­nas de qui­ló­me­tros na mon­ta­nha, na flo­res­ta, ou... no de­ser­to. Em 2016, pre­ten­de con­ti­nu­ar a com­pe­tir pe­lo mun­do, mas pre­ci­sa­rá de apoi­os.

Metro Portugal (Lisbon) - - FOCUS - LUÍS CAR­MO

Já cor­reu 330 qui­ló­me­tros nos Al­pes ita­li­a­nos e deu-lhe “um go­zo imen­so”. Foi no Tor des Géants e a sua classificação foi o 13.º lu­gar. “Foi a pro­va que mais me re­a­li­zou. Foi o meu me­lhor mo­men­to e a mi­nha me­lhor classificação no es­tran­gei­ro, por is­so, fi­cou mar­ca­da de uma for­ma mui­to es­pe­ci­al”, su­bli­nha ao me­tro João Co­la­ço, ul­tra­ma­ra­to­nis­ta por­tu­guês que cor­re “por pai­xão”.

Se es­tá ad­mi­ra­do com a dis­tân­cia per­cor­ri­da em Itá­lia, en­tão fi­que a sa­ber que nem foi a pro­va mais lon­ga que João fez. Es­sa foi a Spi­ne Ra­ce, no Rei­no Uni­do, on­de cor­reu 431 qui­ló­me­tros, em cer­ca de 134 ho­ras – a mar­ca foi de 154h15m, mas a com­pe­ti­ção es­te­ve sus­pen­sa de­vi­do ao mau tem­po.

A Spi­ne Ra­ce, to­da­via, foi uma pro­va que não agra­dou ao ma­ri­nhen­se, da­do que “o cir­cui­to não é mar­ca­do”. “É na­ve­ga­ção por GPS e te­nho pou­ca ex­pe­ri­ên­cia. Não me con­se­gui pre­pa­rar de­vi­da­men­te e, de­pois de me ter per­di­do du­as ve­zes, ti­ve de ab­di­car da classificação pa­ra se­guir com al­guém que ti­nha mais ex­pe­ri­ên­cia”, ex­pli­ca o ul­tra­ma­ra­to­nis­ta, que ter­mi­nou em 23.º lu­gar, o pri­mei­ro por­tu­guês a com­ple­tar a pro­va.

A quan­ti­da­de de equi­pa­men­to que se le­va pa­ra uma pro­va des­tas va­ria. João ex­pli­ca que pa­ra a Spi­ne Ra­ce até ten­da e sa­co-ca­ma te­ve de le­var, da­do que “os abas­te­ci­men­tos são mui­to es­pa­ça­dos”. “A dis­tân­cia de um ao ou­tro po­de ser de 90 qui­ló- “Tem de ha­ver au­to­mo­ti­va­ção e bas­tan­te von­ta­de. É uma ati­vi­da­de que obri­ga a mui­tas ho­ras de trei­no e, com a mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal, es­tou li­mi­ta­do” me­tros, por is­so, te­mos de ter con­di­ções de sub­sis­tên­cia en­tre eles.” Nu­ma pro­va nor­mal do cir­cui­to mun­di­al, que tem 100 mi­lhas (qua­se 161 qui­ló­me­tros), a mo­chi­la só pe­sa dois ou três qui­los, le­van­do o “pack” obri­ga­tó­rio: cor­ta-ven­to; man­ta tér­mi­ca; re­ser­va de água e ali­men­tar; e uma ca­ma­da de rou­pa extra e lu­vas. Já pa­ra uma pro­va co­mo a Ma­ra­to­na das Arei­as, em Mar­ro­cos, a mo­chi­la po­de pe­sar qua­se dez qui­los. “É uma pro­va em au­tos­su­fi­ci­ên­cia, só nos dão água. Pa­ra os seis di­as de pro­va te­mos de le­var a ali­men­ta­ção to­da, sa­co-ca­ma, etc.”

Os ob­je­ti­vos pa­ra o pró­xi­mo ano es­tão de­pen­den­tes dos apoi­os que con­se­guir reu­nir, pois “as vi­a­gens e a lo­gís­ti­ca são ca­ras” e, sem aju­da não con­se­gue com­pe­tir, ex­pli­ca João, que tra­ba­lha no ra­mo au­to­mó­vel e tem de ge­rir o seu tem­po “da me­lhor for­ma pa­ra trei­nar”.

Se­ja co­mo for, nos úl­ti­mos anos tem con­se­gui­do fa­zer três pro­vas no es­tran­gei­ro, o que quer re­pe­tir em 2016. Ga­ran­ti­da es­tá a tra­ves­sia dos Pi­ri­néus, em ju­lho. “Se­rão 900 qui­ló­me­tros de pro­va!”, su­bli­nha o atle­ta que não par­ti­ci­pa, per­ma­nen­te­men­te, no cir­cui­to mun­di­al por­que são pre­ci­sas três pro­vas pa­ra pon­tu­ar – to­da­via, faz al­gu­mas pro­vas na com­pe­ti­ção.

Gos­ta­ria tam­bém de ir, em 2016, ao Ja­pão e à Cos­ta Ri­ca. Os pa­tro­cí­ni­os de­ter­mi­na­rão o ano de João, que em Por­tu­gal gos­ta de com­pe­tir “na Ma­dei­ra, por ter con­di­ções na­tu­rais ex­ce­len­tes pa­ra a prá­ti­ca da mo­da­li­da­de”, des­ta­can­do tam­bém as bo­as pro­vas na Ser­ra da Es­tre­la, Lou­sã, ou no Ge­rês. “Já es­tou ins­cri­to há lar­gos me­ses na tra­ves­sia dos Pi­ri­néus. São 900 qui­ló­me­tros. Co­mo é a pri­mei­ra vez ain­da não há re­gis­tos. Va­mos ver co­mo cor­re”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.