“Es­te Han So­lo é co­mo uma ár­vo­re que cres­ceu da pri­mei­ra”

7ª ar­te. O dia de ama­nhã é, pa­ra mui­tos, o mais aguar­da­do do ano. “Star Wars: O Des­per­tar da For­ça” é já um block­bus­ter por an­te­ci­pa­ção. Har­ri­son Ford, o mí­ti­co Han So­lo, con­ta, em ex­clu­si­vo, co­mo foi vol­tar a ves­tir es­ta far­da de guer­rei­ro.

Metro Portugal (Lisbon) - - CINEMA - JOHN-MI­GUEL SA­CRA­MEN­TO

Vi­ve lon­ge de Hollywo­od, no es­ta­do do Wyo­ming, em par­te por­que ve­ne­ra a san­ti­da­de dos es­pa­ços na­tu­rais, mas tam­bém por­que não su­por­ta a ener­gia de­se­qui­li­bra­da da in­dús­tria do ci­ne­ma. Le­va uma car­rei­ra in­to­cá­vel que não pre­ci­sa de ser re­for­ça­da, mas con­ti­nua a cri­ar pa­ra o ecrã um ti­po de re­bel­de sen­sí­vel com a for­ça mus­cu­lar sub­ju­ga­da à in­te­li­gên­cia. Não en­gor­dou nem ema­gre­ceu ao lon- go des­tes 40 anos de ri­bal­ta. Con­ti­nua a ter uma cláu­su­la no con­tra­to que lhe per­mi­te fi­car com to­das as rou­pas das per­so­na­gens a que dá cor­po. Que rou­pas são es­sas? Fa­tos Ar­ma­ni, ob­vi­a­men­te, mas tam­bém aque­las que o pro­fes­sor “In­di­a­na Jo­nes” ves­tiu quan­do tro­cou a aca­de­mia uni­ver­si­tá­ria pe­los sar­có­fa­gos egíp­ci­os, ou as ou­tras que o co­man­dan­te Han So­lo en­ver­gou quan­do, na pri­mei­ra tri­lo­gia de “A Gu­er­ra das Es­tre­las”, lu­tou ao lado da mo­nar­quia in­ter­pla­ne­tá­ria. An­da as­sus­ta­do com a vi­o­lên­cia do mun­do e com as enor­mes dis­pa­ri­da­des so­ci­ais. Quer vi­a­jar, co­nhe­cer ou­tros lo­cais, em­bo­ra tam­bém so­nhe em pas­sar mais tem­po em ca­sa com a fa­mí­lia. Não quer sa­ber se os seus fil­mes têm su­ces­so ou são al­vo de crí­ti­cas. Es­tá ali pa­ra ser­vir a aven­tu­ra, sen­do pro­fis­si­o­nal só­li­do no cor­po e na al­ma. Ben­di­to se­ja. Ain­da bem que vai vi­ver pa­ra to­da a eter­ni­da­de, aqui ou nu­ma ga­lá­xia que fi­ca lon­ge, mui­to lon­ge. Que ra­zões o le­va­ram a acei­tar es­te tra­ba­lho? Su­po­nho que não pre­ci­se de al­mo­fa­dar ain­da mais a sua con­ta ban­cá­ria… Es­sa é uma de­du­ção que não me pa­re­ce ló­gi­ca de to­do, do meu pon­to de vis­ta. Acei­tei por­que ti­ve von­ta­de de par­ti­ci­par no fil­me. Li o guião, achei que ti­nha bas­tan­te for­ça. Além dis­so, per­ce­bi que a mi­nha per­so­na­gem ia ser bem usa­da. Há ain­da que re­fe­rir a gran­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.