EN­TRE­VIS­TA: RI­CAR­DO ADOL­FO

As me­mó­ri­as de Lis­boa e os cli­chês da ca­pi­tal do Ja­pão

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

Quan­do se­guiu pa­ra Tó­quio, já ti­nha em men­te es­cre­ver so­bre a vi­da na

ci­da­de? Te­nho por nor­ma es­cre­ver so­bre Por­tu­gal e so­bre os su­búr­bi­os de Lis­boa. Re­traio-me um bo­ca­di­nho de tra­ba­lhar es­pa­ços so­ci­ais que não se­jam os da mi­nha ori­gem. Lem­bro-me que, quan­do vim pa­ra cá, ti­nha du­as ou três per­so­na­gens que acha­va in­te­res­san­te in­ves­ti­gar, mas não acho que te­nha apro­vei­ta­do a vin­da pa­ra o Ja­pão pa­ra es­cre­ver um li­vro so­bre o pro­ces­so de emi­gra­ção. Foi o re­sul­ta­do do em­ba­te da mu­dan­ça do Oci­den­te pa­ra o Ori­en­te. Até por­que o Ri­car­do já tem, na sua vi­da, di­ver­sos pro­ces­sos de mu­dan­ça: de Lu­an­da pa­ra Mem Mar­tins, de­pois Ma­cau, re­gres­so a Lis­boa, Ames­ter­dão e Lon­dres. Mas es­ta mu­dan­ça pa­ra Tó­quio te­rá si­do o mai­or ba­que, não? Já ti­nha vi­vi­do no Ori­en­te, em Ma­cau – na al­tu­ra ain­da es­ta­va sob ju­ris­di­ção por­tu­gue­sa e já ti­nha o chei­ro do Ori­en­te em mim. Mas sim, de to­das es­sas mu­dan­ças, es­ta foi a mais bru­tal de to­das. Aqui são 23h e aí em Lis­boa são 14h... É um bi­or­rit­mo di­fe­ren­te.

Já va­mos ten­tar per­ce­ber se es­ta his­tó­ria é ins­pi­ra­da nas su­as ex­pe­ri­ên­ci­as pessoais – mas é por es­se bi­or­rit­mo que a per­so­na­gem

prin­ci­pal se sen­te um ali­en? Tu­do co­me­çou com um con­vi­te da re­vis­ta

Sá­ba­do pa­ra es­cre­ver uma cró­ni­ca so­bre a mi­nha ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al em Tó­quio. Mas não sei se a mi­nha ex­pe­ri­ên­cia pes­so­al é as­sim tão in­te­res­san­te, além de ser um es­cri­tor de ficção. Cri­an­do um per­so­na­gem com que ti­ves­se o mí­ni­mo de em­pa­tia, ti­nha mais per­nas pa­ra an­dar. A ideia do ali­en sur­ge de for­ma na­tu­ral: quan­do mu­da­mos de am­bi­en­te co­me­ça­mos a es­cre­ver de for­ma re­a­ti­va a es­se am­bi­en­te. Ali­en é uma tra­du­ção um bo­ca­di­nho sel­va­gem da ex­pres­são ja­po­ne­sa que sim­bo­li­za “o es­tran­gei­ro”. Quan­do me pe­dem o “car­tão de ali­en” [vis­to de re­si­dên­cia] tem uma for­ça bru­tal. É uma coi­sa pe­que­na, mas que diz mui­to da tua con­di­ção nu­ma so­ci­e­da­de co­mo es­ta.

“Tó­quio Vi­ve Lon­ge da Ter­ra” mis­tu­ra

ficção e re­a­li­da­de? É tu­do fic­ci­o­na­do a par­tir do mo­men­to em que nos sen­ta­mos a es­cre­ver, mes­mo que o pres­su­pos­to se­ja au­to­bi­o­grá­fi­co. No meu ca­so, foi um es­for­ço pa­ra ser ficção pa­ra as­sim ter mais li­ber­da­de, che­gar a ru­as e a sí­ti­os on­de nor­mal­men­te não vou. Is­so deu mais for­ça à per­so­na­gem. Mas há uma sa­be­do­ria que vem da­qui­lo com que se vai vi­ven­do cá: não con­se­guir com­prar água por­que en­ga­nas-te e com­pras uma gar­ra­fa de sa­ke – a gar­ra­fa é li­te­ral­men­te igual. É o ex­por-me a si­tu­a­ções que me obri­gam a es­tar nu­ma si­tu­a­ção de fra­gi­li­da­de. No fun­do, so­mos sem­pre con­vi­da­dos: nun­ca per­ten­ce­mos a um sí­tio quan­do emi­gra­mos. Tam­bém há his­tó­ri­as que nas­cem de su­po­si­ções ou de cli­chês que to­dos

car­re­ga­mos re­la­ti­vos ao Ja­pão? Tal co­mo no li­vro, quem tam­bém já ti­nha ti­do ja­po­ne­ses a dor­mir em ga­ve­tas de có­mo­das foi Kra­mer, da

sé­rie “Sein­feld”... (Ri­sos) Co­mo to­da a gen­te, eu ti­nha uma sé­rie de pre­con­cei­tos so­bre a ci­da­de. Uma das mai­o­res re­ve­la­ções foi des­co­brir que eles exis­tem por­que ten­de­mos a ava­li­ar os ou­tros a par­tir dos nos­sos pa­râ­me­tros. Se ten­tar­mos dar um pas­so ao lado e per­ce­ber o pon­to de vis­ta dos ou­tros, va­mos ter uma gran­de re­ve­la­ção! Sim, vim com al­guns cli­chês de ser um po­vo tí­mi­do, or­ga­ni­za­do e sim­pá­ti­co, mas com o pas­sar do tem­po con­se­gui per­ce­ber co­mo as pes­so­as re­a­gem e a ter um co­nhe­ci­men­to das su­as mo­ti­va­ções. Os seus li­vros cri­am uni­ver­sos dis­for­mes: se­jam eles por se pas­sa­rem nos su­búr­bi­os de Lis­boa, se­ja por se pas­sa­rem nu­ma me­tró­po­le co­mo Tó­quio. Es­sa

é a mar­ca do seu pon­to de vis­ta? É in­te­res­san­te usar es­sa pa­la­vra “dis­for­me”. Nun­ca ti­nha pen­sa­do, mas faz sen­ti­do. Há uma “dis­for­mi­da­de” nas mi­nhas his­tó­ri­as que me atrai. Há um ca­os, qua­se que co­mo uma lou­cu­ra ba­nal que nós acei­ta­mos co­mo par­te da vi­da. Ter saí­do de Por­tu­gal e co­me­çar a es­cre­ver so­bre o País, po­de ter si­do o pon­to de par­ti­da: vi um ca­os tão gran­de, vis­to de uma for­ma tão nor­mal, que, quan­do se pa­ra pa­ra olhar aten­ta­men­te, des­co­bre-se um po­ten­ci­al dra­má­ti­co mui­to for­te.

DR

Ri­car­do Adol­fo é autor de obras co­mo “Mi­zé – An­tes Gal­dé­ria que Nor­mal e Re­me­di­a­da”, “Ma­ria Dos Ca­nos Ser­ra­dos” e “De­pois de Mor­rer Acon­te­ce­ram-me Mui­tas Coi­sas”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.