Im­pac­to de um pon­to per­cen­tu­al

Ba­nif. O mi­nis­tro das Finanças, Má­rio Cen­te­no, aler­tou on­tem que o res­ga­te do ban­co fa­rá au­men­tar o dé­fi­ce de 2015 em mais de um pon­to per­cen­tu­al do PIB.

Metro Portugal (Lisbon) - - ECONOMIA -

Má­rio Cen­te­no, que fa­la­va aos jor­na­lis­tas após o Con­se­lho de Mi­nis­tros ex­tra­or­di­ná­rio, afir­mou que o im­pac­to nas con­tas pú­bli­cas se­rá de 2.200 M€, sen­do que em ter­mos de dé­fi­ce, em­bo­ra se­ja ain­da di­fí­cil de cal­cu­lar, por as con­tas não es­ta­rem fe­cha­das, “vai fa­zer au­men­tar o dé­fi­ce em mais de um pon­to per­cen­tu­al do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB)”.

O go­ver­nan­te acres­cen­tou que “o im­pac­to no dé­fi­ce de­cor­re da al­te­ra­ção que es­tá a ser pro­pos­ta à lei or­ça­men­tal”, o Or­ça­men­to Re­ti­fi­ca­ti­vo, sen­do que a saí­da do pro­ce­di­men­to dos dé­fi­ces ex­ces­si­vos “é um pro­ces­so de ava­li­a­ção que a CE irá de­sen­vol­ver a par­tir do mo­men­to em que for apu­ra­do o dé­fi­ce de 2015”.

O or­ça­men­to re­ti­fi­ca­ti­vo sur­ge na sequência da ven­da do Ba­nif ao Ban­co San­tan­der Tot­ta, por 150 M€.

Se­gun­do Má­rio Cen­te­no, há “al­gu­ma evi­dên­cia” de que o Go­ver­no de Pe­dro Pas­sos Co­e­lho não atu­ou no ca­so do Ba­nif por ques­tões elei­to­ra­lis­tas e es­sa de­ci­são “res­trin­giu bas­tan­te as op­ções” do atu­al Exe­cu­ti­vo. Pa­ra o mi­nis­tro, hou­ve “uma cla­ra fal­ta de com­pro­mis­so do go­ver­no [an­te­ri­or] que ob­je­ti­va­men­te pre­ju­di­cou a so­lu­ção, por­que di­mi­nuiu as opões dis­po­ní­veis e co­lo­cou pres­são so­bre a to­ma­da de de­ci­são”.

REU­TERS

Se­gun­do o Ban­co de Por­tu­gal, as con­sequên­ci­as “de uma pro­vá­vel de­cla­ra­ção de ile­ga­li­da­de” por par­te de Bruxelas ao au­xí­lio do Es­ta­do ao Ba­nif in­flu­en­ci­a­ram a de­ci­são de ven­da do ban­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.