Ti­na Fey

7ª ar­te. Ti­na Fey é con­si­de­ra­da das mu­lhe­res mais en­gra­ça­das do “show­biz”. Em “Só Po­di­am Ser Ir­mãs” jun­ta-se com a ami­ga – e tam­bém ela uma re­fe­rên­cia do hu­mor – Amy Po­eh­ler e con­ta co­mo nasce o fil­me que se es­treia ama­nhã.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - REU­TERS

jun­ta-se à ami­ga e co­le­ga de lon­ga da­ta, Amy Po­eh­ler, pa­ra re­cu­pe­rar os tem­pos de li­ceu. “Só Po­di­am ser Ir­mãs”, uma co­mé­dia ci­vi­li­za­da e acu­ti­lan­te, es­treia-se ama­nhã

Nas­ceu na clas­se mé­dia pa­ra se trans­for­mar nu­ma das me­lho­res es­cri­to­ras de co­mé­dia te­le­vi­si­va, pri­mei­ro no pro­gra­ma se­ma­nal de va­ri­e­da­des “Sa­tur­day Night Li­ve” e, mais re­cen­te­men­te, em “30 Rock” que lhe va­leu pré­mi­os atri­buí­dos pe­los co­le­gas. A mai­or fa­ma in­ter­na­ci­o­nal tal­vez te­nha sur­gi­do quan­do apre­sen­tou com a co­le­ga Amy Po­eh­ler as ce­ri­mó­ni­as dos Gol­den Glo­bes en­tre 2013 e 2015, dei­xan­do cla­ro que o hu­mor po­dia ser ao mes­mo tem­po ci­vi­li­za­do e acu­ti­lan­te. Sím­bo­lo da mu­lher ca­paz de equi­li­brar a fi­nu­ra de uma bi­bli­o­te­cá­ria e o ca­os anár­qui­co do cir­co hu­ma­no, Ti­na Fey re­gres­sa es­ta semana em “Só Po­di­am Ser Ir­mãs” num veí­cu­lo api­nha­do de gar­ga­lha­das que ob­ser­va a úl­ti­ma aven­tu­ra de du­as ir­mãs com al­gu­mas sau­da­des dos tem­pos ex­ci­tan­tes do li­ceu. Ó tem­po vol­ta pa­ra trás sem te es­bar­ra­res nos des­tro­ços que fo­ram fi­can­do pe­lo ca­mi­nho. A ideia sub­ja­cen­te ao fil­me é mui­to en­gra­ça­da por­que fa­la de du­as ir­mãs que ten­tam pro­je­tar uma cer­ta ima­gem pú­bli­ca to­tal­men­te fa­bri­ca­da na ca­be­ça de­las. Quan­do é que des­co­briu a his­tó­ria? Foi uma ami­ga nos­sa, a Pau­la Pe­el, que veio ter con­nos­co pa­ra nos mos­trar um diá­rio que man­ti­ve­ra inin­ter­rup­to dos 13 aos 17 anos. A coi­sa ti­nha imen­sa pi­a­da. De gri­tos. É no diá­rio que ela fa­la da re­la­ção que es­ta­be­le­ce­ra com a ir­mã, uma cri­a­tu­ra subs­tan­ci­al­men­te di­fe­ren­te, mas, co­mo ela, bas­tan­te bem pa­re­ci­da. Fe­liz­men­te pa­ra a nos­sa his­tó­ria, a da­do pon­to uma das ir­mãs achou que, das du­as, era ela a mais sexy. E o res­to do mun­do acre­di­tou, ou foi fin­gin­do que a ver­da­de era es­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.