Pa­ra tris­te­zas, já nos bas­ta a vi­da. E que viva o “Bam­bo­leio” dos Pis­ta!

Mú­si­ca. A ve­lo­ci­da­de es­tá as­so­ci­a­da aos te­mas dos Pis­ta, ban­da de três ami­gos do Bar­rei­ro que nas­ceu da von­ta­de de fa­zer can­ções pa­ra an­dar... de bi­ci­cle­ta. As­sim nas­ceu “Bam­bo­leio”.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

O no­me de ba­tis­mo do dis­co diz mui­to so­bre aqui­lo que ne­le en­con­tra­mos: can­ções pa­ra an­cas e pés sol­tos, des­con­tro­la­dos – se­ja na pis­ta de dan­ça, se­ja nos pe­dais das bi­ci­cle­tas. Foi, pre­ci­sa­men­te, de­vi­do ao gos­to por an­dar de bi­ci­cle­ta – so­bre­tu­do as cha­ma­das fi­xie, sem ro­da li­vre –, que Bru­no Afon­so e Cláu­dio Fernandes de­ci­di­ram for­mar uma ban­da que cri­as­se can­ções com pe­da­la­da, a que mais tar­de se jun­tou Er­nes­to Vi­ta­li. “An­dá­va­mos mui­to de bi­ci­cle­ta. E nem era só an­dar: an­dá­va­mos um bo­ca­do apa­nha­dos pe­las ‘bi­nas’”, co­me­ça por di­zer Cláu­dio, gui­tar­ris­ta e vo­ca­lis­ta. Mas na­da de ci­clo­tu­ris­mo: Pis­ta é con­trar­re­ló­gio. “Ca­dên­cia al­ta, rit­mo e for­ça!”, sin­te­ti­za Bru­no, o ba­te­ris­ta. “Is­to das bi­ci­cle­tas aca­bou por dar uma iden­ti­da­de ao gru­po, mas po­dia ser ou­tra coi­sa qual­quer”, diz o gui­tar­ris­ta. “Hou­ve riffs que sur­gi­ram a an­dar de bi­ci­cle­ta! Es­ta­mos a an­dar, na­que­la pas­ti­lha e sur­ge a ideia.”

A his­tó­ria dos Pis­ta e des­te “Bam­bo­leio” – e não “bam­bo­léo”, à moda de Gipsy Kings – não pas­sa só pe­los ei­xos e pe­los pe­dais. “Is­so foi só a cola que ser­viu pa­ra unir aqui­lo que co­me­çá­mos a cri­ar em 2011”, nu­ma al­tu­ra em que Bru­no e Cláu­dio vi­vi­am em Lon­dres.

Já em Por­tu­gal, em 2014, no Bar­rei­ro – ci­da­de fer­vi­lhan­te e ex­tre­ma­men­te co­mu­ni­tá­ria na par­ti­lha de ex­pe­ri­ên­ci­as cul­tu­rais – os Pis­ta co­me­ça­ram a de­sen­vol­ver e a so­li­di­fi­car as idei­as. O re­sul­ta­do é um dis­co agi­ta­dor, com um rock dan­çan­te, com fo­co nas me­lo­di­as – as vo­zes que se ou­vem são, so­bre­tu­do, co­ros. “Es­ti­lo? É o que as pes­so­as qui­se­rem cha­mar”, ri-se o ba­te­ris­ta. “É afro-rock, é tam­bém po­pu­lar... tem lá coi­sas da mú­si­ca po­pu­lar por­tu­gue­sa”, con­cre­ti­za o gui­tar­ris­ta. “Po­día­mos fa­zer des­te dis­co um dis­co de re­a­ção, mas in­cons­ci­en­te­men­te aca­bá­mos por fa­zer mú­si­ca ale­gre. Pa­ra tris­te­za já bas­ta a vi­da. A me­lhor re­a­ção é mes­mo a fes­ta.”

“Bam­bo­leio” apa­re­ceu em di­ver­sas lis­tas de “me­lho­res dis­cos do ano” de 2015. E, mais do que is­so, tem si­do des­cri­to das mais va­ri­a­das for­mas: “São co­mo se a Car­men Mi­ran­da ti­ves­se uma ban­da rock”, es­cre­veu-se no “Dis­co Di­gi­tal”; ou “um epi­só­dio do Bob Es­pon­ja re­a­li­za­do pe­los Gang Of Four”, es­cre­veu o ra­di­a­lis­ta Pe­dro Ramos. Mas com quem – ou com o quê – é que os Pis­ta se com­pa­ram? “Po­de ser a Car­men Mi­ran­da ca­sa­da com o Ste­ve Al­bi­ni a sni­far man­je­ri­cos nos San­tos Po­pu­la­res”, diz Cláu­dio, fa­zen­do alu­são a uma ou­tra com­pa­ra­ção da voz da rádio Radar. “Ima­gi­na que o Ji­mi Hen­drix ti­nha nas­ci­do em Lu­an­da nos iní­cio dos anos 70”, diz o gui­tar­ris­ta. O ba­te­ris­ta dei­xa-nos uma fo­to­gra­fia ain­da mais apri­mo­ra­da: “Pen­sa no Ji­mi Hen­drix na­que­las fes­tas dos mus­se­ques an­go­la­nos des­sa al­tu­ra!”

VE­RA MAR­ME­LO

O ál­bum do trio for­ma­do por Cláu­dio Fernandes, Bru­no Afon­so e Er­nes­to Vi­ta­li po­de ser ou­vi­do em

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.