Exe­cu­ções cau­sam re­vol­ta

Irão. O lí­der su­pre­mo do Irão (mai­or po­tên­cia re­gi­o­nal xi­i­ta) não se fi­cou por mei­as-pa­la­vras na re­a­ção à exe­cu­ção de um im­por­tan­te clé­ri­go xi­i­ta, por par­te da Ará­bia Sau­di­ta.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - RUI ALE­XAN­DRE CO­E­LHO

Pri­mei­ras con­de­na­ções à mor­te le­va­das a ca­bo es­te ano na Ará­bia Sau­di­ta, in­cluin­do a de um in­flu­en­te lí­der xi­i­ta, pro­vo­cam a ira de Te­e­rão

“O der­ra­ma­men­to in­jus­ti­fi­ca­do de san­gue” de Nimr al-Nimr “vai ter rá­pi­das con­sequên­ci­as”, dis­se on­tem o aya­tol­lah Ali Kha­me­nei, que an­te­ci­pou uma “vin­gan­ça di­vi­na” con­tra os sau­di­tas.

Nimr al-Nimr foi um dos 47 con­de­na­dos à mor­te pe­lo go­ver­no sau­di­ta a se­rem exe­cu­ta­dos no sá­ba­do. A mai­o­ria das ví­ti­mas eram ale­ga­da­men­te ter­ro­ris­tas, acu­sa­dos de per­ten­cer à Al-Qa­e­da, mas tam­bém ha­via opo­si­to­res in­ter­nos à di­nas­tia su­ni­ta no po­der em Ri­a­de, os Al-Saud.

O clé­ri­go xi­i­ta em cau­sa, que es­tu­dou te­o­lo­gia vá­ri­os anos no Irão, era um des­ses opo­si­to­res. Es­ta­va con­de­na­do à mor­te des­de 2014 por “re­be­lião”, “de­so­be­di­ên­cia ao so­be­ra­no” e “por­te de ar­mas” – acu­sa­ção que foi on­tem re­ba­ti­da por Ali Kha­me­nei. “Es­te aca­dé­mi­co não en­co­ra­ja­va pes­so­as à ação ar­ma­da nem cons­pi­ra­va se­cre­ta­men­te. A úni­ca coi­sa de que é cul­pa­do foi de fa­zer du­ras crí­ti­cas pú­bli­cas, im­pe­li­do pe­lo seu ze­lo re­li­gi­o­so.”

A de­cla­ra­ção de Kha­me­nei se­guiu-se a um ata­que à em­bai­xa­da sau­di­ta em Te­e­rão. Os ma­ni­fes­tan­tes uti­li­za­ram ‘cock­tails mo­lo­tov’ e for­ça­ram a en­tra­da na re­pre­sen­ta­ção di­plo­má­ti­ca, sen­do for­ça­dos a re­cu­ar pe­la po­lí­cia. Se­gun­do agên­ci­as, ou­vi­ram-se gri­tos de “mor­te aos Al-Saud”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.