Cul­tu­ra con­tra a po­bre­za

Pro­je­to de vo­lun­ta­ri­a­do cria es­co­las de mú­si­ca em São To­mé e Prín­ci­pe e em Ca­bo Ver­de

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - PA­TRÍ­CIA TA­DEIA

Tu­do co­me­çou em 2011 com uma par­ce­ria en­tre or­ga­ni­za­ções cul­tu­rais e re­cre­a­ti­vas de Por­tu­gal, Ca­bo Ver­de, São To­mé e Ti­mor-Les­te. O Tra­di­ti­o­nalMu­sic, um pro­je­to de­sen­vol­vi­do pe­la as­so­ci­a­ção por­tu­gue­sa Ofi­ci­na da Cou­re­la, “sur­ge da von­ta­de de apro­fun­dar as re­la­ções cul­tu­rais atra­vés de pro­je­tos es­tru­tu­ran­tes (...), atra­vés da cri­a­ção de es­tru­tu­ras que sir­vam de ba­se pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to cul­tu­ral, co­mo são as es­co­las de mú­si­ca ou os es­tú­di­os de gra­va­ção (...), e atra­vés da for­ma­ção e cri­a­ção de even­tos cul­tu­rais”, co­me­ça por ex­pli­car El­za Ne­to, co­or­de­na­do­ra ge­ral do pro­je­to. Tu­do de for­ma a po­der con­tri­buir pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to pro­fis­si­o­nal, a in­clu­são so­ci­al e a cri­a­ção de no­vas opor­tu­ni­da­des a cri­an­ças dos paí­ses en­vol­vi­dos.

As ações con­cre­tas do pro­je­to ti­ve­ram iní­cio em 2014, sen­do que o mes­mo ter­mi­na­rá em 2016. Nes­te mo­men­to, as du­as es­co­las e es­tú­dio de Ca­bo Ver­de e São To­mé “es­tão em ple­no fun­ci­o­na­men­to e con­tam com 2 pro­fes­so­res ca­da uma, 1 téc­ni­co de som e 50 alu­nos”. “Além da cri­a­ção das es­co­las, o pro­je­to de­sen­vol­veu tam­bém um tra­ba­lho de cam­po com o ob­je­ti­vo de fa­zer um le­van­ta­men­to dos ins­tru­men­tos tra­di­ci­o­nais de ca­da um des­tes paí­ses, e jun­tou ain­da os mú­si­cos das di­fe­ren­tes na­ci­o­na­li­da­des, por exem­plo, nu­ma re­si­dên­cia ar­tís­ti­ca em Ca­bo Ver­de – des­ta, de­sen­vol­vi­da em ou­tu­bro, saí­ram mú­si­cas con­jun­tas e en­con­tra­ram-se pon­tos co­muns que fo­ram apre­sen­ta­dos num con­cer­to no Fes­ti­val 7 sóis 7 lu­as em Ca­bo Ver­de”, re­ve­la ain­da a res­pon­sá­vel.

Mas afi­nal, co­mo é que a mú­si­ca po­de mu­dar a vi­da des­tas cri­an­ças? “A mú­si­ca, ou as artes em ge­ral, é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­tu­al e so­ci­al do in­di­ví­duo. No en­tan­to, além des­ta fun­ção, as es­co­las es­tão in­se­ri­das em paí­ses on­de os ní­veis de po­bre­za per­ma­ne­cem alar­man­tes. As­sim, tem-se tra­ba­lha­do no sen­ti­do de tor­nar es­tas es­co­las em lo­cais de aco­lhi­men­to e de in­ser­ção, re­ti­ran­do cri­an­ças e ado­les­cen­tes das ru­as e pro­por­ci­o­nan­do uma ati­vi­da­de de tem­pos li­vres que con­tri­bui pa­ra o seu de­sen­vol­vi­men­to, ao mes­mo tem­po que se pas­sa va­lo­res so­ci­ais e se es­ti­mu­la a au­to­es­ti­ma”, ex­pli­ca El­za Ne­to. “A cur­to pra­zo, o ob­je­ti­vo é acabar as es­co­las e es­tú­di­os de som em Ti­mor-Les­te e fa­zer as res­pe­ti­vas for­ma­ções com vis­ta à sua uti­li­za­ção e ges­tão. A lon­go pra­zo, pre­ten­de-se cri­ar par­ce­ri­as com en­ti­da­des pú­bli­cas e pri­va­das lo­cais que pos­sam ga­ran­tir o fun­ci­o­na­men­to dos equi­pa­men­tos cri­a­dos além do ci­clo de vi­da do pro­je­to”, con­clui.

Ci­ta­ção “A mú­si­ca, ou as artes em ge­ral, é ex­tre­ma­men­te im­por­tan­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to in­te­le­tu­al e so­ci­al do in­di­ví­duo”

Co­mo aju­dar? Quem qui­ser aju­dar po­de con­tri­buir com ins­tru­men­tos mu­si­cais, par­ti­tu­ras ou ain­da fa­zer vo­lun­ta­ri­a­do nes­tes lo­cais se ti­ver for­ma­ção na área.

REU­TERS/LUSA/EPA

O ob­je­ti­vo do pro­je­to não pas­sa tan­to pe­la em­pre­ga­bi­li­da­de di­re­ta, mas pe­la for­ma­ção de cri­an­ças de ris­co e do seu acom­pa­nha­men­to pa­ra a cons­tru­ção de um fu­tu­ro me­lhor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.