Jen­ni­fer La­wren­ce, a no­va e in­dis­cu­tí­vel rai­nha de Hollywo­od, re­gres­sa aos ci­ne­mas por­tu­gue­ses com “Joy”, fil­me do acla­ma­do David O. Rus­sell que se es­treia ama­nhã

De­pois de “Guia pa­ra um Fi­nal Fe­liz”, David O. Rus­sell vol­ta a reu­nir em fil­me Jen­ni­fer La­wren­ce e Bra­dley Co­o­per. A atriz fa­la-nos de “Joy”, his­tó­ria de uma mu­lher que aju­dou a Amé­ri­ca a mu­dar a opi­nião so­bre o pa­pel fe­mi­ni­no na so­ci­e­da­de.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - JOHN-MI­GUEL SA­CRA­MEN­TO EM HOLLYWO­OD

Há qual­quer coi­sa de sim­bió­ti­co em to­da es­ta re­vo­a­da de fil­mes mos­tran­do Jen­ni­fer La­wren­ce co­mo sím­bo­lo do po­der fe­mi­ni­no. A for­ça aní­mi­ca de­la con­diz tão bem com aqui­lo tu­do. Es­te­ja a mo­ça a so­bre­vi­ver aos “Jo­gos da Fo­me” ou aos ani­mais hu­ma­nos em “Des­po­jos de In­ver­no”, o que res­sal­ta é sem­pre a sua re­sis­tên­cia ina­ba­lá­vel ali­a­da a uma gra­ci­o­si­da­de de fi­li­gra­na. Pa­re­ce ter o mo­no­pó­lio de uma fór­mu­la quí­mi­ca per­fei­ta: a flor mais vul­ne­rá­vel que con­se­gue ser, mi­la­gro­sa­men­te, a que mais re­sis­te ao ve­ne­no da atmosfera e do sub­so­lo. Tan­ta bra­vu­ra mis­tu­ra­da com de­li­ca­de­za foi, na­tu­ral­men­te, re­cru­ta­da pe­lo re­a­li­za­dor David O. Rus­sell, ele e as su­as his­tó­ri­as pe­ja­das de ca­ta­clis­mos quo­ti­di­a­nos nos quais se­res hu­ma­nos chei­os de es­pe­ran­ça re­cu­sam aban­do­nar os so­nhos que se atre­ve­ram a ter. Em “Joy”, a colaboração en­tre os dois man­tém-se in­fa­lí­vel. Ela faz de me­ni­na dis­cre­ta­men­te so­bre­do­ta­da ten­tan­do so­bre­vi­ver ao nau­frá­gio da fa­mí­lia e dos cos­tu­mes ma­chis­tas. In­ven­ta um ob­je­to de uso ca­sei­ro, co­mo quem acre­di­ta nu­ma no­va es­pé­cie de va­ri­nha de con­dão. A ma­gia apa­re­ce lo­go a se­guir, ape­sar de tu­do. Es­ta his­tó­ria so­bre a “Joy”, fa­da do lar e lí­der so­ci­al, pa­re­ce ser tam­bém so­bre aque­la de­ter­mi­na­ção má­gi­ca que te­mos quan­do so­mos mais no­vos e que va­mos per­den­do ao lon­go da vi­da adul­ta. Co­mo é con­si­go? Ain­da tem es­sa in­ven­ci­bi­li­da­de al­go in­gé­nua, mas tão ne­ces­sá­ria? Até cer­to pon­to. Acho que to­dos os in­di­ví­du­os cri­a­ti­vos têm al­go em co­mum: uma ima­gi­na­ção trans­bor­dan­te. É is­so que no­to no David O. Rus­sell. Se va­mos fa­lar de mim, de­vo di­zer que sem­pre me man­ti­ve cons­ci­en­te des­sa ma­gia mai­or que a vi­da, mas tam­bém me lem­bro do cho­que que foi quan­do en­trei em con­tac­to com a re­a­li­da­de. Quan­do cri­an­ça, as coi­sas ti­nham sem­pre um lado mai­or. Mas, de­pois, ha­via

“Te­nho uma mãe ina­cre­di­tá­vel. Não te­ria che­ga­do a es­te pon­to da mi­nha vi­da se não fos­se ela. Quan­do nin­guém acre­di­ta­va em mim, co­lo­cou-se de­ter­mi­na­da ao meu lado – e eu ti­nha ape­nas 14 anos!” o mo­men­to em que caía em mim e di­zia: “Oh, afi­nal era só ven­to.” Co­mo se o mun­do me ti­ves­se tom­ba­do aos pés. Ain­da pro­te­jo o meu lado ima­gi­na­ti­vo, mas não con­si­go fa­zer to­tal­men­te fren­te à re­a­li­da­de. Gos­to mui­to da­que­les mo­men­tos que co­lo­cam em evi­dên­cia a so­li­da­ri­e­da­de en­tre as mu­lhe­res, es­pe­ci­al­men­te a re­la­ção que a “Joy” tem com a mãe e com a avó. Co­mo se re­la­ci­o­na com o lado ma­tri­ar­cal da sua fa­mí­lia? Per­ce­bi que a re­la­ção que a Joy tem com as mu­lhe­res da fa­mí­lia é uma teia com­ple­xa. A mãe é uma pes­soa de­ma­si­a­do frá­gil que qua­se não con­se­gue, se­quer, en­fren­tar o mun­do ex­te­ri­or. A vi­da de­la é ex­traí­da dos dra­mas te­le­vi­si­vos, o que aca­ba por for­çar a Joy a ser mais in­de­pen­den­te de for­ma a po­der fun­ci­o­nar no dia a dia. Fe­liz­men­te, ti­nha co­mo ad­mi­ra­do­ra a avó, uma mu­lher fan­tás­ti­ca que viu ne­la uma ma­tri­ar­ca ca­paz de en­fren­tar os mai­o­res de­sa­fi­os. Do pon­to de vis­ta mais pes­so­al, te­nho uma mãe ina­cre­di­tá­vel. Não te­ria che­ga­do a es­te pon­to da mi­nha vi­da se não fos­se ela. Quan­do nin­guém acre­di­ta­va em mim, co­lo­cou-se de­ter­mi­na­da ao meu lado – e eu ti­nha ape­nas 14 anos! Foi um ris­co que lhe ia cus­tan­do ca­ro. Qua­se fi­cou sem di­nhei­ro e a vi­da so­ci­al que ti­nha no Ken­tucky... por pou­co não fi­cou sem o ca­sa­men­to. Man­te­ve-se fi­el aos meus so­nhos por­que cons­ta­tou a fe­li­ci­da­de que me tra­zia ser atriz. De­vo-lhe tu­do. Não che­guei a co­nhe­cer bem a mi­nha avó. Fa­le­ceu era eu mui­to no­va. Ao con­trá­rio do que acon­te­ceu com a Joy, não cres­ci na sua com­pa­nhia, em­bo­ra te­nha be­ne­fi­ci­a­do imen­so da fa­mí­lia que ela aju­dou a cons­truir. Que qua­li­da­des da “Joy” mais ad­mi­rou quan­do leu o ar­gu­men­to? Des­de lo­go, o al­truís­mo ina­ba­lá­vel. É o ti­po de mu­lher e mãe que co­lo­ca sem­pre os in­te­res­ses dos ou­tros aci­ma dos de­la, sen­do ca­paz de pôr na pra­te­lei­ra as idei­as ge­ni­ais que vai ten­do de for­ma a aju­dar, pri­mei­ro, quem a ro­deia e ama pro­fun­da­men­te. Re­la­ti­va­men­te às qua­li­da­des que vi na pes­soa re­al que ser­ve de ba­se à his­tó­ria, a Joy Man­ga­no, além des­sa ca­pa­ci­da­de de con­ser­var a sua for­ça in­te­ri­or per­ce­bi que ha­via ali uma gran­de cal­ma. Tem uma pre­sen­ça que é ao mes­mo tem­po tran­qui­la e for­te. Lem­bro-me de que es­sas du­as ver­ten­tes nos ins­pi­ra­ram mui­tís­si­mo, a mim e ao David, es­pe­ci­al­men­te na fa­se em que o David es­ta­va a es­cre­ver o guião e pas­sá­va­mos di­as in­fin­dá­veis num quar­to de ho­tel em No­va Ior­que a ver no­ve­las, a ten­tar per­ce­ber aque­le ti­po de uni­ver­so, de ser hu­ma­no, a ori­gem de tan­ta for­ça sos­se­ga­da. Com­pa­ran­do co­mi­go? Não pen­so nes­ses ter­mos. Tal­vez ti­ves­se usa­do o dis­po­si­ti­vo da trans­fe­rên­cia emo­ci­o­nal se es­ti­ves­se a er­guer a per­so­na­gem dos pés à ca­be­ça. Mas nes­te ca­so era di­fe­ren­te. Não que­ria im­por al­go de meu nu­ma cri­a­ção que não tem na­da a ver com o que sou.

Que re­la­ção tem com es­ses ca­nais te­le­vi­si­vos mais con­su­mis­tas em que se ven­dem as no­vas in­ven­ções ca­sei­ras? Não con­se­gui re­la­ci­o­nar-me de to­do com es­se as­pe­to. Não co­nhe­ço na­da des­se mun­do. Não com­pro coi­sas na In­ter­net, não sei na­da de com­pu­ta­do­res, sou pés­si­ma a li­dar com te­le­fo­nes. Na ver­da­de, sou uma cri­a­tu­ra do sé­cu­lo XVIII. Mas fi­quei mui­to im­pres­si­o­na­da com o tra­ba­lho da “Joy” quan­do fui in­ves­ti­gar o per­cur­so de­la e me pus a ver te­le­vi­são. Mais tar­de, co­me­cei a ten­tar com­prar coi­sas on­li­ne. Na­da de es­pe­ci­al, ape­nas umas pe­ças de ves­tuá­rio, por­que uma das mi­nhas ami­gas me dis­se que, quan­do es­ta­va a usar a la­van­da­ria lá do pré­dio, lhe rou­ba­ram a rou­pa to­da. Ten­tei com­pen­sá-la des­se de­sas­tre. Tam­bém me me­ti a com­prar as no­vas ma­ra­vi­lhas da lim­pe­za do­més­ti­ca, em par­te por­que des­de sem­pre que vi­vi com es­se pro­ble­ma. A mi­nha mãe so­fre de ob­ses­são com­pul­si­va. Sem­pre ti­ve que la­var a lou­ça su­ja, ter o quar­to ar­ru­ma­dís­si­mo, pas­sar e la­var a mi­nha rou­pa. Por­tan­to, re­la­ti­va­men­te ao uso con­cre­to da es­fre­go­na, nun­ca ti­ve de apren­der. Foi o Bra­dley Co­o­per quem, aliás, me en­si­nou to­da a pre­ci­são téc­ni­ca. Es­tá­va­mos nós nos en­sai­os e ele viu co­mo é que ten­tei ope­rar o ob­je­to. Vai ele: “Ó mi­nha, pa­ra já com is­so.” Num ins­tan­te me en­si­nou as mil e uma ma­nei­ras de me­lhor lim­par o chão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.