Ber­nar­do Ba­ra­ta, o “Tu­ris­ta”

Dis­co. Já co­nhe­ce­mos o mú­si­co por­tu­guês de ou­tras vi­a­gens mu­si­cais. Pri­mei­ro nos Oi­o­ai, Fe­ro­mo­na, Re­al Com­bo Lis­bo­nen­se e, des­de há um bom par de anos, nos Di­a­bo na Cruz. Mas Ber­nar­do tem tam­bém uma fa­ce­ta de com­po­si­tor que só ago­ra se re­ve­la com “Tu­ris­ta

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

De­pois de vá­ri­os pro­je­tos co­le­ti­vos, o mú­si­co por­tu­guês apre­sen­ta-se ao País a so­lo e co­mo “Tu­ris­ta”

não pop-rock), di­ver­ti­do, des­com­pro­me­ti­do, de lín­gua sol­ta. São can­ções que nun­ca apa­re­ce­ram nou­tros pro­je­tos – Fe­ro­mo­na, Di­a­bo na Cruz ou O Clu­be –, por­que Ber­nar­do sa­bia que eram “uni­ver­sos es­té­ti­cos” e pro­ces­sos di­fe­ren­tes. “To­car nu­ma ban­da ou a so­lo? Há se­me­lhan­ças, mas tam­bém di­fe­ren­ças: por exem­plo, to­car a so­lo per­mi­te-me dis­pa­ra­tar”... is­to de for­ma ar­tis­ti­ca­men­te sau­dá­vel. O con­for­to e o des­con­for­to a brin­car às car­gas de om­bro. “Nun­ca fui front­man, por is­so acho que o mais di­fí­cil foi aper­ce­ber-me que es­ta­va a can­tar can­ções mes­mo mi­nhas. Só que is­so tam­bém me deu um go­zo enor­me.”

Pa­ra lá das me­lo­di­as, o mú­si­co con­tou com a aju­da de Jo­a­na Bar­ra Vaz na es­cri­ta de me­ta­de das le­tras de “Tu­ris­ta”. “Co­nhe­ci a Jo­a­na há uns anos. Ela es­ta­va a fa­zer um do­cu­men­tá­rio so­bre o Chico Bu­ar­que, cha­ma­do ‘Meu Ca­ro Ami­go Chico’. En­ten­de­mo-nos e sen­ti que ela ti­nha uma sen­si­bi­li­da­de pa­re­ci­da com a mi­nha. Um dia fui ao e-mail e ti­nha uma le­tra de­la. Res­pon­di-lhe no dia a se­guir com uma mú­si­ca fei­ta”. Uma colaboração fá­cil, por­tan­to, que se es­ten­deu na­tu­ral­men­te: “O dis­co tem 12 te­mas e seis le­tras são de­la [as ou­tras são pa­la­vras e ver­sões de Bo­ris Vi­an, Sophia de Mel­lo Brey­ner, Oi­o­ai e Os Pon­tos Ne­gros]. Mas po­di­am per­fei­ta­men­te ter si­do es­cri­tas por mim”, acres­cen­ta. “Es­cre­vo de vez em quan­do, mas pre­ci­so de al­gu­ma dis­po­ni­bi­li­da­de men­tal que a vi­da fa­mi­li­ar nem sem­pre per­mi­te. Mas, mais que tu­do, sou pre­gui­ço­so”, sor­ri. “An­do a men­ta­li­zar-me pa­ra fa­zer um dis­co em que es­cre­va e com­po­nha tu­do.” A vi­a­gem do “Tu­ris­ta”, por ago­ra, se­gue pa­ra a es­tra­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.