Ner­ve: con­ver­sa com o mais im­pro­vá­vel dos rap­pers por­tu­gue­ses

Ao vi­vo. O no­vo dis­co de Ner­ve es­tá ar­ma­di­lha­do com uma enor­me car­ga emo­ti­va. As pa­ra­noi­as de um rap­per que são os tres­va­ri­os de ca­da um de nós. Se­rá que a vi­da não pres­ta?

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MAR­TINS

Ti­a­go Gonçalves es­te­ve em si­lên­cio dis­co­grá­fi­co du­ran­te se­te anos. Foi em 2008 que Ner­ve edi­tou “Eu Não Das Pa­la­vras Tro­co a Or­dem”, um dis­co que mar­cou o ar­ran­que des­te po­e­ta-li­ri­cis­ta. É is­so que é um MC?

Vi­rou-se a am­pu­lhe­ta e o tem­po co­me­çou a es­cor­rer. Em se­tem­bro pas­sa­do, Ner­ve vol­tou com um enig­má­ti­co “‘Tra­ba­lho & Co­nha­que’ ou ‘A Vi­da Não Pres­ta & Nin­guém Me­re­ce a Tua Con­fi­an­ça’” (T&C/AVNP&NMTC), uma apa­ren­te du­a­li­da­de en­tre con­for­mis­mo e in­con­for­mis­mo, uma lu­ta ti­tâ­ni­ca en­tre pa­ra­noi­as in­te­ri­o­res. “O tem­po pas­sa mui­to rá­pi­do e não se dá por ele... mas di­zer que pas­sa­ram se­te anos des­de o pri­mei­ro até ao se­gun­do é um pe­so mui­to agres­si­vo. Mais três era dez!”, re­cor­da. “Quan­to mais me apro­xi­ma­va do fim, mais tor­tu­o­so se tor­na­va to­do es­te pro­ces­so.”

Re­fli­ta­mos nes­ta pa­la­vra: “Tor­tu­o­so”. Im­pos­sí­vel es­ca­par ao sen­ti­men­to de di­fi­cul­da­des ao ou­vir o ál­bum. São tres­va­ri­os de Ner­ve, mas que tam­bém per­ten­cem a ca­da um de nós: “To­dos te­mos ca­ma­das. Se ca­lhar, quem ou­ve a mi­nha mú­si­ca e que não me co­nhe­ce pes­so­al­men­te aca­ba por sal­tar al­gu­mas eta­pas e co­nhe­cer al­go que di­fi­cil­men­te par­ti­lho”, diz. E ain­da con­fes­sa que há um lado ro­man­ti­za­do em tu­do is­to, po­rém... “faz tu­do par­te de mim”.

Ner­ve não quer fa­lar de “flo­re­zi­nhas, bor­bo­le­tas” ou ga­ti­nhos – co­mo a do­ce com­pa­nhei­ra fe­li­na lá de ca­sa, a Si­mo­ne, que nos pe­de fes­ti­nhas du­ran­te to­da a en­tre­vis­ta. “Sem­pre gos­tei de fa­lar de coi­sas mais ne­ga­ti­vas e es­te ál­bum foi a pla­ta­for­ma per­fei­ta pa­ra ex­plo­rar is­so.” O pri­mei­ro dis­co já o ti­nha fei­to de uma for­ma mais fic­ci­o­na­da. Ago­ra a coi­sa tor­na-se sé­ria. “Che­go ao em­pre­go, com me­do, tre­mo co­mo va­ras ver­des/Pa­trão com se­de de san­gue/Eu minto com to­dos os den­tes/A cul­pa é do tem­po/Ado­e­ci/Par­ti uma per­na/O apar­ta­men­to pe­gou fo­go/Es­ti­ve a sal­var a Ter­ra/Por favor, não me ti­re o pos­to/Não te­nho fun­dos nem fô­le­go/Ati­re-me pa­ra o meu cu­bí­cu­lo e eu ju­ro que tra­ba­lho o do­bro”, de­cla­ma Ner­ve, por ci­ma de ba­ti­das pe­sa­das, alu­ci­na­das e sô­fre­gas na fai­xa “Tra­ba­lho”. “O ál­bum não era su­pos­to ser tão ne­ga­ti­vo. Era só pa­ra se cha­mar ‘Tra­ba­lho & Co­nha- que’... mas co­me­cei a es­cre­ver so­bre ou­tras coi­sas, no­me­a­da­men­te es­tar frus­tra­do com o es­cre­ver o dis­co.”

E é tam­bém o re­fle­xo de ter-se tor­na­do adul­to, de­pois de um dis­co mais fic­ci­o­na­do? “Faz sen­ti­do ter es­cri­to um ál­bum so­bre de­te­ti­ves e su­per-he­róis aos 17 anos. É inevitável que se­ja di­fe­ren­te ago­ra que te­nho 27.” Tam­bém se sen­te a de­si­lu­são com ter­mo-nos tor­na­do adul­tos? Ner­ve pa­ra e pen­sa. “É ca­paz de ter al­gu­ma de­si­lu­são, sim. Tem o lado do ado­les­cen­te re­vol­ta­do: ‘A Vi­da Não Pres­ta & Nin­guém Me­re­ce a Tua Con­fi­an­ça’ por­que te tor­nas­te adul­to? ‘Pa­ra­béns! Des­co­bris­te a pól­vo­ra!’ É uma men­sa­gem am­bí­gua: tem a de­si­lu­são pa­ra com a vi­da ao não con­se­guir en­con­trar o tra­ba­lho e o co­nha­que, mas tam­bém de­ve ser­vir co­mo um in­cen­ti­vo: ‘Na­da va­le a pe­na, es­tá tu­do per­di­do, por is­so, se for pa­ra fa­zer al­gu­ma coi­sa, faz tu tu­do so­zi­nho!’” Ou, co­mo diz em “Sub­tí­tu­lo”: “Tem cal­ma, Ner­ve. Ten­ta!”

JOÃO FERRÃO

“O ál­bum não era su­pos­to ser tão ne­ga­ti­vo”, ad­mi­te Ner­ve. “Mas co­me­cei a es­cre­ver so­bre ou­tras coi­sas, no­me­a­da­men­te es­tar frus­tra­do com o es­cre­ver o dis­co”, con­fes­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.