Mor­to ao in­va­dir es­qua­dra

Fran­ça. In­di­ví­duo com a ban­dei­ra do Da­esh foi mor­to quan­do ten­ta­va en­trar nu­ma es­qua­dra em Pa­ris, on­tem, dia em que se as­si­na­lou um ano ao ata­que ao jor­nal “Char­lie Heb­do”.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - LUÍS CAR­MO COM AGÊN­CIA LUSA

In­di­ví­duo com ban­dei­ra do Da­esh foi aba­ti­do pe­la po­lí­cia de Pa­ris

O ho­mem que foi aba­ti­do a ti­ro pe­la po­lí­cia ao ten­tar en­trar nu­ma es­qua­dra de Pa­ris ti­nha um “pa­pel com a ban­dei­ra” do gru­po ex­tre­mis­ta Da­esh, in­for­mou o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP) fran­cês. “Ti­nha na sua pos­se um te­le­mó­vel e um pe­da­ço de pa­pel com a ban­dei­ra do Da­esh im­pres­sa, as­sim co­mo uma rei­vin­di­ca­ção inequí­vo­ca es­cri­ta em ára­be”, pre­ci­sou o MP.

O MP tam­bém con­fir­mou, se­gun­do re­la­tos de tes­te­mu­nhas, que o ata­can­te gri­tou “Al­lahu Ak­bar” (Deus é gran­de, em ára­be), que es­ta­va ar­ma­do com um cu­te­lo e que en­ver­ga­va um fal­so co­le­te de ex­plo­si­vos, quan­do ten­tou en­trar na es­qua­dra po­li­ci­al do bair­ro pa­ri­si­en­se de Gout­te D’Or, per­to de Mont­mar­tre.

A ir­mã de uma tes­te­mu­nha da ocor­rên­cia re­la­tou à Reu­ters que a po­lí­cia gri­tou pa­ra o ho­mem pa­rar an­tes de ele che­gar às ins­ta­la­ções, mas que es­te co­me­çou a cor­rer na sua di­re­ção e foi quan­do se de­ram os dis­pa­ros.

Re­cor­de-se que o in­ci­den­te ocor­reu no dia do pri­mei­ro ani­ver­sá­rio do ata­que à re­da­ção do jor­nal sa­tí­ri­co Char­lie Heb­do. Nos di­as se­guin­tes, hou­ve mais ata­ques, in­cluin­do a um su­per­mer­ca­do ju­deu, fa­zen­do 17 mor­tos.

O pre­si­den­te fran­cês, Fran­çois Hol­lan­de, ti­nha dis­cur­sa­do pou­co an­tes e pro­me­teu mais 5.000 po­lí­ci­as até 2017, ga­ran­tin­do que as au­to­ri­da­des te­rão uma for­ça “sem pre­ce­den­tes”.

On­tem foi dia de ho­me­na­gem em Pa­ris às ví­ti­mas do mas­sa­cre ao jor­nal sa­tí­ri­co Char­lie Heb­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.