Da­vid Bowie: mor­reu o “ca­ma­leão”

On­tem foi um dia tris­te – a cul­tu­ra pop fi­cou ir­re­me­di­a­vel­men­te mais po­bre. Ma­jor Tom, Alad­din Sa­ne, Ziggy Stardust ou Thin Whi­te Du­ke vão dei­xar sau­da­des

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MARTINS

A no­tí­cia sur­giu pe­la ma­nhã de on­tem e foi um cho­que pa­ra mi­lhões: “Da­vid Bowie mor­reu em paz, ro­de­a­do da fa­mí­lia de­pois de uma co­ra­jo­sa lu­ta de 18 me­ses con­tra um can­cro”, lia-se no Fa­ce­bo­ok ofi­ci­al do ar­tis­ta. “É mui­to tris­te con­fir­mar que é ver­da­de”, acres­cen­tou ain­da o fi­lho, Dun­can Jo­nes, no seu Twit­ter.

A ba­ta­lha fi­nal de Bowie foi fei­ta com a sua me­lhor ar­ma: o es­pí­ri­to ar­tís­ti­co. Até na al­tu­ra de mor­rer o “ca­ma­leão” foi poé­ti­co, ins­pi­ra­dor e mar­can­te: na pas­sa­da sex­ta-fei­ra o no­vo “Blacks­tar” so­a­va a um dis­co ne­gro e den­so, en­ro­la­do em con­ce­ções de ins­pi­ra­ção jaz­zís­ti­ca. Ho­je, ou­vir em “Blacks­tar” o te­ma de aber­tu­ra e as pa­la­vras “So­mething hap­pe­ned on the day he di­ed/Spi­rit ro­se a me­tre and step­ped asi­de/So­me­body el­se to­ok his pla­ce, and bra­vely cri­ed/(I’m a blacks­tar, I’m a blacks­tar)” con­fir­ma-nos que ha­via mui­to mais por de­trás do 25.º ál­bum de ori­gi­nais do mú­si­co: es­te é o seu tes­te­mu­nho de vi­da e de mor­te. Quan­tos gé­ni­os te­rão a ca­pa­ci­da­de de abra­çar a exis­tên­cia que lhe res­ta pa­ra dei­xar ta­ma­nha he­ran­ça? “A sua mor­te não foi di­fe­ren­te da sua vi­da – uma obra de ar­te. Ele fez ‘Blacks­tar’ pa­ra nós co­mo pren­da de despedida. Sa­bia há um ano que iria ser as­sim, mas não es­ta­va pre­pa­ra­do”, con­fi­den­ci­ou on­tem no seu Fa­ce­bo­ok Tony Vis­con­ti, o eter­no ami­go e pro­du­tor de Bowie. Há quem acre­di­te que Da­vid Bowie ape­nas vol­tou pa­ra o sí­tio de on­de veio. Cha­ma­ram-lhe “o Ali­en”: uma es­pé­cie de ad­mi­rá­vel ser mu­tá­vel que nos mos­trou as su­as jor­na­das in­ter­ga­lác­ti­cas pe­la música. Aliás, é mais do que is­so. Bowie é mui­to mais do que dis­cos: é o ar­tis­ta na sua ver­da­dei­ra es­sên­cia, on­de to­das as te­o­ri­as da Ar­te ga­nham vi­da fo­ra das se­ben­tas aca­dé­mi­cas co­mo um ser que ca­mi­nha, pen­sa, can­ta, de­se­nha, pin­ta, des­fi­la, re­pre­sen­ta e in­ter­pre­ta. En­quan­to ser hu­ma­no, a bi­o­gra­fia do “ET” diz que Da­vid Ro­bert Jo­nes nas­ceu a 8 de ja­nei­ro de 1947, no seio de uma fa­mí­lia mo­des­ta de Brix­ton, bair­ro no sul de Lon­dres. Com uma cla­ra ape­tên­cia pa­ra o uni­ver­so ar­tís­ti­co, Da­vid es­tu­dou música e de­se­nho na Ra­vens Wo­od Scho­ol. As pri­mei­ras in­fluên­ci­as mu­si­cais vi­e­ram dos EUA e de ou­tro rei: El­vis Pres­ley. Mais tar­de, o seu ir­mão in­tro­du­ziu-o ao jazz – Char­les Min­gus e John Col­tra­ne são os dois cul­pa­dos pe­la sua pai­xão pe­lo sa­xo­fo­ne (ins­tru­men­to com for­te pre­sen­ça em ál­buns co­mo “Black Tie Whi­te Noi­se” ou o úl­ti­mo “Blacks­tar”). O seu pri­mei­ro dis­co, ho­mó­ni­mo, foi edi­ta­do em 1967 e o pri­mei­ro gran­de su­ces­so che­ga em 1969, com “Spa­ce Od­dity”, a epo­peia es­pa­ci­al de Ma­jor Tom. Três anos de­pois, em 1972, “The Ri­se and Fall of Ziggy Stardust and The Spi­der From Mars” apre­sen­tou-nos um ex­tra­ter­res­tre se­xu­al­men­te am­bi­va­len­te e an­dró­gi­no transformado em es­tre­la de rock – “Alad­din Sa­ne” (1973) e “The Thin Whi­te Du­ke” (do dis­co “Sta­ti­on to Sta­ti­on”, de 1976) são ou­tros dois exem­plos de al­ter egos que ali­men­ta­ram a sua car­rei­ra. É im­pos­sí­vel des­ta­car os mo­men­tos mais mar­can­tes de uma vi­da de­di­ca­da de cor­po e al­ma à ar­te – ain­da as­sim, de­mos o nos­so me­lhor na cai­xa em ci­ma. Bowie foi punk-roc­ker e glam-roc­ker. Fez pop, ele­tró­ni­ca e música in­dus­tri­al. Me­xeu com a new wa­ve, brin­cou com o tec­no e nun­ca dei­xou de la­do o ex­pe­ri­men­ta­lis­mo do jazz. Bowie fez tu­do o que quis – e com to­dos os que quis. E, as­sim, con­quis­tou um lu­gar na eter­ni­da­de.

“A mor­te do Da­vid foi uma com­ple­ta sur­pre­sa, co­mo qua­se tu­do o que ele fa­zia. Sin­to uma enor­me la­cu­na na mi­nha vi­da” Bri­an Eno, pro­du­tor da cha­ma­da “tri­lo­gia de Ber­lim” “A mi­nha ami­za­de com o Da­vid era a luz da mi­nha vi­da. Nun­ca co­nhe­ci uma pes­soa tão bri­lhan­te. É o me­lhor de sem­pre” Iggy Pop , mú­si­co e ami­go

EPA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.