“Re­fu­gi­a­do” – vo­cá­bu­lo mais usa­do em 2015

Metro Portugal (Lisbon) - - LAZER -

Em to­dos os fins de ano, nes­tes úl­ti­mos tem­pos, tem-se qu­es­ti­o­na­do qual te­rá si­do o vo­cá­bu­lo mais usa­do. As­sim, em 2015, che­gou-se ao con­sen­so que foi a pa­la­vra RE­FU­GI­A­DO, que sig­ni­fi­ca to­do aque­le con­ci­da­dão global que emi­grou pa­ra evi­tar per­se­gui­ções, condenações, ou­tras pro­va­ções, ou que se re­fu­gi­ou pa­ra evi­tar um pe­ri­go de vi­da, pro­cu­ran­do pro­te­ção em lu­gar alheio, que não o seu usu­al e na­tu­ral. En­tão, tal uso vo­ca­bu­lar des­me­su­ra­do de­veu-se ao êxo­do de mui­tos mi­lha­res de ha­bi­tan­tes, fu­gi­dos da Sí­ria e de ou­tras pa­ra­gens em guer­ra per­ma­nen­te, evi­tan­do, as­sim, pe­re­ce­rem às mãos de cruéis as­sas­si­nos, ou da me­tra­lha letal dos bom­bar­de­a­men­tos. No en­tan­to, tam­bém ti­ve­mos mui­tos com­pa­tri­o­tas que emi­gra­ram – fo­ram re­fu­gi­a­dos for­ça­dos – fu­gin­do ao ju­go im­pi­e­do­so e opres­sor de um go­ver­no que os em­pur­rou por­ta fo­ra, com uma mão à fren­te e ou­tra atrás, sem tra­ba­lho, sem che­ta,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.