Sal­va­dor Mar­ti­nha mos­tra que tem as res­pos­tas “Na Pon­ta da Lín­gua”

O co­me­di­an­te vai es­tar de ama­nhã até sá­ba­do (21h30) no Te­a­tro da Trin­da­de a apre­sen­tar o seu es­pe­tá­cu­lo de “stand-up co­medy”, “Na Pon­ta da Lín­gua”. O me­tro con­ver­sou com Sal­va­dor so­bre a sua ar­te, a sua es­cri­ta, a sua re­la­ção com os fãs e so­bre as ine­vi­tá

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - BRU­NO MARTINS

“A CO­MÉ­DIA É UM OFÍ­CIO, E É PRE­CI­SO ES­TU­DÁ-LA”

De­pois de se ter es­tre­a­do na semana pas­sa­da no Te­a­tro da Trin­da­de, “Na Pon­ta da Lín­gua” re­gres­sa ama­nhã pa­ra a se­gun­da semana. Co­mo é que é o fre­ne­sim que an­te­ce­de as su­as su­bi­das ao pal­co?

Quan­do co­me­cei, fi­ca­va ner­vo­so um mês an­tes! Mar­ca­va o es­pe­tá­cu­lo, ti­nha um dia de ale­gria e fi­ca­va: “Ai, ago­ra...” À me­di­da que o tem­po pas­sa, fi­co ner­vo­so ca­da vez mais per­to da da­ta do es­pe­tá­cu­lo.

Co­mo fun­ci­o­nam os en­sai­os?

Sou mui­to ob­ses­si­vo com os tex­tos: pe­go em post- its, es­cre­vo ca­da pi­a­da num post- it e co­lo-o no es­pe­lho. Pa­re­ce o es­pe­lho de um lou­co.

O que é que mu­da de um es­pe­tá­cu­lo pa­ra o ou­tro? Em com­pa­ra­ção com o úl­ti­mo “Cá­bu­la”, “Na Pon­ta da Lín­gua” é um tex­to com­ple­ta­men­te no­vo ou há uma re­ci­cla­gem?

As pes­so­as têm sem­pre a ex­pe­ta­ti­va de que o stand-up­co­medy de­ve ser sem­pre di­fe­ren­te. Nin­guém per­gun­ta aos ato­res do “Fan­tas­ma da Ópera”: “Na pró­xi­ma semana é igual?” Há sem­pre um guião, mu­da é a in­te­ra­ção com a pla­teia.

É mui­to re­a­ti­vo?

Sim, es­tou aten­to a tu­do. Se há al­guém que na 8.ª fi­la que abre go­mas, es­tá tra­ma­da! Ou a mal­ta que es­tá ao te­le­mó­vel, que jul­ga que não os ve­jo e que no es­cu­ro pa­re­cem a apa­ri­ção de Fá­ti­ma.

O nos­so pú­bli­co co­me­ça a per­ce­ber que o stand-up co­medy não é só ser-se en­gra­ça­di­nho? Há uma ci­ên­cia...?

Há pro­fis­sões que se pen­sa­va que era jei­to na­tu­ral, mas que ho­je se per­ce­be que dá tra­ba­lho. Co­mo os co­zi­nhei­ros: “O se­nhor Abí­lio faz um bi­fe in­crí­vel? Abre uma tas­ca!” Ago­ra o se­nhor Abí­lio já é um chef!O stand- up é as­sim: mal­ta que ti­nha o jei­to e foi pes­qui­sar. É um ofí­cio e é pre­ci­so es­tu­dá-lo.

É mais ir­ri­tan­te um en­gra­ça­di­nho do que um co­zi­nhei­ro de tas­ca?

É, de fac­to. Mas as pes­so­as ir­ri­tam-se com fa­ci­li­da­de. Dos mé­di­cos nin­guém diz: “Pa­ra mim es­se ga­jo não é mé­di­co!” Nos hu­mo­ris­tas po­de di­zer-se: “Pa­ra mim não tem pi­a­da ne­nhu­ma!” Nem to­das as opi­niões são tri­go: há mui­to joio.

Há uns di­as o Rui Si­nel de Cor­des apa­nhou com a fú­ria do Fa­ce­bo­ok...

Foi? Nem sei.

A sé­rio? Foi al­go do gé­ne­ro: da pró­xi­ma vez que man­dar um pi­ro­po a uma se­nho­ra e es­ta apre­sen­te quei­xa, vai vi­o­lá-la, por­que se é pa­ra ir pa­rar à pri­são que se­ja de bar­ri­ga cheia.

Já sei. Vi a pi­a­da, mas nem vi que deu po­lé­mi­ca. Mas de­fen­do a pi­a­da! Qual­quer pi­a­da, por­que é ape­nas uma pi­a­da. As pes­so­as le­vam tu­do a mal. Cla­ro que sa­be­mos que, ao to­car em de­ter­mi­na­dos te­mas, va­mos ter re­tor­no...

Ar­re­pen­de- se de al­gu­ma pi­a­da?

Di­a­ri­a­men­te, te­nho pes­so­as que gos­tam e não gos­tam. Es­ta­mos cons­tan­te­men­te num co­li­seu [ro­ma­no]. Vou res­pon­der as­sim: nun­ca na mi­nha vi­da apa­guei uma pi­a­da, nun­ca vol­to atrás nem pe­ço des­cul­pa. Mas não que­ro ser po­lé­mi­co só pa­ra cres­cer.

Por um la­do, há que ser es­pon­tâ­neo, ale­gre e an­fi­trião. Por ou­tro, exi­ge re­ca­to pa­ra a es­cri­ta. É di­fí­cil li­dar com os dois la­dos?

Há uma fra­se, não sei de quem, que diz: “O hu­mo­ris­ta, tal co­mo a fe­ra, an­da sem­pre so­zi­nho”. É uma pro­fis­são mui­to so­li­tá­ria, por­que o que di­go em pal­co, se ca­lhar pas­sei um mai­or nú­me­ro de ho­ras so­zi­nho a es­cre­vê-lo. Mas não gos­to de in­te­lec­tu­a­li­zar es­se la­do por­que, vol­to a di­zer, é um ofí­cio. Co­mo os pa­dei­ros, que acor­dam às seis da ma­nhã pa­ra fa­zer o pão­zi­nho quen­ti­nho. É a mi­nha pro­fis­são e, quan­to mais es­cre­vo, me­lhor me pos­so tor­nar.

JOÃO FER­RÃO

“O hu­mo­ris­ta es­co­lheu es­ta fo­to­gra­fia por­que o azul da ca­mi­so­la ia bus­car os tons de azul do pré­dio lá atrás”, dis­se Sal­va­dor Mar­ti­nha a pro­pó­si­to des­te seu re­tra­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.