Wi­ki­pé­dia, o fe­nó­me­no en­ci­clo­pé­di­co online, so­pra 15 ve­las

Tec­no­lo­gia. A Wi­ki­pé­dia faz ama­nhã 15 anos. Es­ta é uma das mais po­pu­la­res fer­ra­men­tas da In­ter­net e mu­dou a vi­da es­tu­dan­til, em es­pe­ci­al a uni­ver­si­tá­ria. Mas é pre­ci­so aten­ção.

Metro Portugal (Lisbon) - - PRIMEIRA PÁGINA - M.A. COM R.M.

Fun­da­da a 15 de ja­nei­ro de 2001, de­pres­sa se tor­nou um êxi­to. Tem mais de 37 mi­lhões de ar­ti­gos em qua­se 300 idi­o­mas. Mu­dou a for­ma co­mo se con­sul­ta in­for­ma­ção, em es­pe­ci­al na edu­ca­ção

A 15 de ja­nei­ro de 2001, quan­do foi fun­da­da, pou­cos pen­sa­vam que a Wi­ki­pé­dia te­ria tan­to êxi­to.

Os nor­te-ame­ri­ca­nos Jimmy Wa­les e Lar­ry San­ger es­co­lhe­ram o no­me pa­ra o pro­je­to com a fu­são das pa­la­vras “wi­ki” e “en­ci­clo­pé­dia”. A pri­mei­ra tem ori­gem no Hawai e quer di­zer rá­pi­do. A se­gun­da é gre­ga e sig­ni­fi­ca obra de con­sul­ta.

Qual­quer pes­soa po­de es­cre­ver na Wi­ki­pé­dia. E os ar­ti­gos po­dem ser mu­da­dos em mi­nu­tos, gra­ças a um soft­ware que per­mi­te aos uti­li­za­do­res re­di­gir e cor­ri­gir os con­teú­dos de for­ma ime­di­a­ta.

Es­ta ime­di­a­tez é uma das ra­zões da po­pu­la­ri­da­de da pla­ta­for­ma, em es­pe­ci­al jun­to da co­mu­ni­da­de uni­ver­si­tá­ria. “Ho­je, quer na mi­nha vi­da pro­fis­si­o­nal quer na dos meus alu­nos, a con­sul­ta ime­di­a­ta de in­for­ma­ção é na Wi­ki­pé­dia. A evo­lu­ção da qua­li­da­de da in­for­ma­ção que lá es­tá é bru­tal. Pa­ra mim, é a pri­mei­ra for­ma de con­sul­ta de in­for­ma­ção”, diz Pe­dro Agui­ar, do­cen­te do IPAM.

Pa­ra João Tei­xei­ra Lopes, a Wi­ki­pé­dia “é ine­vi­tá­vel, não há na­da a fa­zer. É um re­cur­so om­ni­pre­sen­te, que tem en­tra­das com mui­tos er­ros e ou­tras atu­a­li­za­das e apro­fun­da­das, por is­so de­ve ser fei­to um bom uso, um uso crí­ti­co e com­pa­ra­ti­vo com ou­tras fon­tes.”

“Da par­te dos estudantes é a pri­mei­ra coi­sa que vão ve­ri­fi­car, se há uma en­tra­da do no­me ou da ex­pres­são. É o re­cur­so mais rá­pi­do, mais fá­cil, mas é tam­bém o mais pre­gui­ço­so”, lem­bra o do­cen­te da Uni­ver­si­da­de do Por­to.

“(...) é uma pla­ta­for­ma de co­nhe­ci­men­to par­ti­lha­da (...) um co­nhe­ci­men­to uti­li­za­do de uma ma­nei­ra de­mo­cra­ti­za­da” Pe­dro Agui­ar Do­cen­te do IPAM

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.